VIDA REAL

Versão para impressão

VIDA REAL Dificuldade econômica, alcoolismo do pai, violência contra a mãe e os filhos, filho que foge de casa(vai pra rua), amizade com viciado em drogas, rejeição do serviço social... e a volta por cima.
Baseada em fatos reais. “Qualquer semelhança é mera coincidência”
PERSONAGENS:
Seu João, Pedro, Dona Joana, Lígia, Neco, Fábio

PEÇA REGISTRADA!
Há direitos autorais, por este email
thaisbelo_12@hotmail.com poderás ter autorização para usá-la  É SÓ ENVIAR UM EMAIL COM O NOME DA PEÇA.

OBS : Caso seja feito vídeo das peças, colocar o nome da autora.

 

CENA 1
Dona Joana está preocupada com a refeição dos filhos, Pedro e Lígia. Enquanto coloca à mesa, chora por não ter mais o que oferecer a eles. Na mesma hora chega todo contente (entra em cena) Pedro, trazendo alguns pães e uns trocados que conseguiu com a venda de doces. Ao entrar em casa, ele diz:
PEDRO: - Mãe, olha o que eu consegui!
Dona Joana está de costas para Pedro com um semblante triste, tenta disfarçar que estava chorando. Então Pedro pergunta:
PEDRO: - A Sra. tava chorando?
Dona Joana: - Não filho. A mãe tava cortando umas cebolas pro jantar. Toda vez que corto cebola fico assim...(Passa a mão no rosto, pra disfarçar que estava chorando).
Pedro percebe que sua mãe chorou e diz:
PEDRO: - Não fica assim mãe! Amanhã vou vender mais doces e trago comida pra casa.
DONA JOANA: - Ô filho, Deus te abençoe!!! Mas não precisa trabalhar tanto. Você tem que voltar pra escola. Seu pai era pra botar comida dentro de casa, mas a miséria que ele ganha não dá pra nada! Ainda gasta a metade com cachaça!!!
PEDRO: - Não diz isso do Pai! Ele faz o que pode.
DONA JOANA: - Vamos comer, você defende demais o seu pai. E até agora não chegou. Sei bem onde tá...no bar, enchendo a cara. Vá chamar sua irmã pra jantar.
Enquanto Pedro vai lá dentro (sai de cena) chamar Lígia, Dona Joana está sentada à mesa de cabeça baixa esperando seus filhos para o jantar. Quando Seu João chega e diz:
SEU JOÃO: - Cheguei mulher! Tem comida nessa casa?
DONA JOANA: -Tem, graças ao nosso filho. Você foi beber de novo, João?
SEU JOÃO: - Ah, mulher! Não enche!!! Me deixa em paz e bota logo essa gororoba!
Enquanto isso, Pedro e Lígia chegam para jantar, e antes de sentarem à mesa vão falar com o Pai.
LÍGIA: - Bênção, Painho!
SEU JOÃO: - Deus abençoe, filha!
PEDRO: - Bênção, Pai! (e em seguida beija o rosto do pai)
SEU JOÃO: - Sai pra lá moleque!!! (passa a mão no rosto, limpando o beijo).
Todos ficam em silêncio. Pedro fica chateado com o gesto de seu pai, pois estava apenas sendo carinhoso. D. Joana coloca a janta de seus filhos, enquanto S. João está comendo. Pedro então olha para o pai e diz:
PEDRO: - A mãe tinha razão, o Sr. é um bêbado!!!
SEU JOÃO: - Como é moleque? (bate na mesa furioso). Você não tem nada haver com a minha vida!!! Vou lhe ensinar a me respeitar...(levanta, tira o cinto e vai em direção ao filho).
DONA JOANA: - Não faça isso,”home!” Ele é só um menino. (fica na frente do marido, pra tentar evitar que ele bata em Pedro).
SEU JOÃO: - Não se mete Joana! (empurra a esposa) Você mima demais o moleque!!! Depois vou acertar minhas contas com você!
Pedro sai correndo com medo do pai. Lígia e Joana tentam evitar que S. João bata em Pedro, mas não adianta, pois S. João está furioso com o filho. D. Joana coloca a mão no ouvido da filha, pra que não ouça os gritos de seu irmão. As duas se abraçam com medo de S. João, mas nada podem fazer para ajudar.
CENA 2
Depois de ter batido em Pedro, S. João entra em cena colocando seu cinto de volta nas calça e resmunga:
SEU JOÃO: - Esse moleque precisava dessa lição! Agora vai me respeitar!!!! (depois sai de cena).
Mãe e filha na sala correm para socorrer Pedro (saem de cena). E conversam com ele:
DONA JOANA: - Filho, por que você irritou seu pai daquele jeito?
PEDRO: - Eu já tô cansado mãe! Todo dia é a mesma coisa. Vendo a Sra. sofrer por causa daquele bêbado!!! E quando não vem pra cima de mim, quer bater na Sra. Eu não aguento mais!!! Vou arrumar minhas coisas e sair dessa casa.
LÍGIA: - Pensa direito, Pedro! Você vai se arrepender!!! Onde vai ficar?
PEDRO: - Eu dou um jeito. Me arranjo por aí...Só não quero ficar nessa casa.
DONA JOANA: - Onde vai dormir filho? Não faça isso. Eu converso com seu pai. Ele não vai mais bater em você.
PEDRO: - Não precisa mãe! Eu já tomei minha decisão. Quando arrumar um lugar pra ficar, aviso a vocês. Agora me deixa sozinho! Vou arrumar minhas coisas.
Pedro arruma suas roupas e coloca na mochila. Está decidido a sair de casa. Sua mãe chora com a atitude de Pedro e Lígia tenta consolar a mãe.
CENA 3
Pedro sai de casa sem direção (andando no meio do público), seu único destino é a rua. Ele senta no chão e coloca as mãos na cabeça. Pensa em tudo que viveu naquela casa. Apesar da saudade de sua mãe e da irmã, não quer mais voltar. Depois de alguns minutos de reflexão, Pedro levanta, abre a bolsa e retira os doces que sobraram das vendas que tinha feito. Então resolve vendê-los (* Se levanta e vende doces, interagindo com a plateia, oferecendo a mercadoria aos figurantes pra tornar a cena mais realista*).
OBS.: Na cena das ruas é necessário figurantes, pessoas que passem onde Pedro está.
Ele está vendendo doces, quando de repente aparece Neco correndo desesperado (entra em cena como se estivesse fugindo de alguém) e acaba esbarrando em Pedro. Os dois começam a conversar:
NECO: - Opa! Desculpa aí!!!
PEDRO: - Tudo bem. Mas olha por onde anda! Pra que essa pressa?
NECO: - É que tem uns caras atrás de mim. Não se preocupa, chapa! Tô vazando antes que eles me peguem. (da as costas a Pedro como se fosse embora)
PEDRO: - Ei, espera! É melhor você dar um tempo por aqui. Depois vai embora. Os caras devem estar por perto. Fica aí por enquanto. Como é teu nome?
NECO: - Me chamam de Neco. E o teu?
PEDRO: - Pedro. Que é que cê fez hein cara?
NECO: - Nada! Os caras é que vivem na minha cola, e eu tenho que sair correndo.
PEDRO: - Cê não ta envolvido com polícia, né? Não quero encrenca pro meu lado.
NECO: - Fica frio! Eu moro nas ruas há muito tempo. Conheço bem esses caras... e quer saber, cê não tem cara de quem vive na rua. Que é que cê ta fazendo aqui? Esse não é teu lugar! Volta pra casa meu irmão!!!!..
PEDRO: - Saí de casa por causa do meu pai. Ele batia em mim direto! Tava cansado dessa vida.
NECO: - Sei bem o que é isso...mas minha história é outra. Minha madrasta me expulsou de casa quando soube que usava droga. Nunca mais voltei. Não tenho família. Minha casa agora é a rua.
Pedro percebe que a vida de Neco é mais complicada que a sua. Então resolve ajudá-lo. E a partir daquele dia se tornam amigos.
PEDRO: - Toca aqui cara! Vou te ajudar a sair dessa (cumprimenta Neco).
NECO: - Beleza! Valeu Pedro!!!
Os dois continuam a conversar (diálogo em voz baixa). Depois saem de cena.
CENA 4
Pedro e Neco estão muito amigos. Pedro só pensa em ajudar Neco. E em troca dessa ajuda Neco vai ensinar as manhas das ruas, pra que Pedro consiga sobreviver. (*Nessa parte eles entram em cena comendo pão. Estão famintos!*).
Os amigos sentam no chão para fazer um lanche enquanto isso, chega Fábio, um rapaz que trabalha com menores abandonados.
FÁBIO: - E aí, beleza? (Fala e em seguida estende a mão pra cumprimentar os garotos).
NECO: - E...que é que cê ta fazendo aqui de novo?
FÁBIO: - Eu vim conversar com vocês. Posso me sentar?
NECO: - Fala logo!
PEDRO: - Que é isso Neco, deixa o cara falar!
NECO: - Se for o que eu tô pensando, tô fora! Daqui não saio!!!
FÁBIO: - Calma Neco! Eu tenho um convite pra você e pro seu amigo. Mas deixe que eu me apresente primeiro. Meu nome é Fábio, sou colaborador do projeto Recomeço e trabalho com menores carentes.
PEDRO: - Me chamo Pedro, conheci o Neco hoje.
NECO: - Mas o que tá fazendo aqui! Eu não quero voltar pro abrigo. Meu lugar é na rua! E não vem com esse papo que sou importante, que sente a minha falta...muito menos vem tentar me converter com esse papinho de Bíblia.
FÁBIO: - Eu vim justamente pra tentar levar você de volta. Os outros sempre perguntam por você. Não estou querendo nada! Apenas mostrar que Jesus se importa com você e eu também!.
Enquanto Fábio e Neco ficam conversando (voz baixa) Pedro demonstra interesse em saber a respeito de Jesus e do trabalho social que Fábio realiza. Ele continua tentando convencer Neco e seu amigo a irem com ele para o abrigo, além de ler a Bíblia para eles. Então Pedro diz:
PEDRO: - Como é que faço pra aceitar Jesus?
FÁBIO: - É só repetir essa oração comigo (Fábio e Pedro oram em voz baixa).
Neco fica sem entender o que aconteceu com Pedro. Enquanto observa os dois orando. Quando terminam a oração, ele diz:
NECO: - Pedro vem cá. (chama o amigo para lhe falar em particular e Fábio fica apenas observando de longe.)-Ele conseguiu fazer uma lavagem cerebral em você, cara!
PEDRO: - Que é isso Neco! Eu tô me sentindo outra pessoa!!! Depois que o Fábio orou por mim, me sinto mais leve. E acho que encontrei o caminho...tô até pensando em voltar pra casa e pedir perdão ao meu pai.
NECO: - Cê ta falando sério?! Depois de tudo que o seu pai fez você ainda quer voltar? Realmente Pedro, você pirou. Tô fora!!! Fui! A gente se esbarra por aí (sai de cena).
PEDRO: - Espera aí cara!
FÁBIO: - Ele é assim mesmo. Já tentei levá-lo várias vezes para o abrigo. Mas acabou fugindo porque não conseguia parar de usar droga. Mas eu não vou desistir dele! E você Pedro, vem comigo?
PEDRO: - Eu prometi ao Neco que ia tirar ele dessa.
FÁBIO: - Não se preocupe! Vamos para o abrigo, depois eu vou atrás do Neco.
CENA 5

Fábio e Pedro vão para o abrigo (saem de cena). Dias depois... Fábio chega com uma carta de Lígia. Ele entrega a Pedro e diz:
FÁBIO: - Carta pra você, Pedro! É de uma tal de Lígia, você conhece?
PEDRO: - É minha irmã.
Pedro abre a carta e começa a ler. Lígia escreve em nome de sua mãe.  E fica sabendo da morte de seu pai. Pedro demonstra muita tristeza ao ler  o que sua irmã escreveu. Ao ver a expressão de Pedro, Fábio pergunta:
FÁBIO: - O que aconteceu?
PEDRO: - Meu pai morreu! Eu nem pedi perdão a ele.(abraça Fábio e chora) Tava no hospital e entrou em coma por causa de bebida. 
FÁBIO: - Não fique assim!!! Deus sabe de todas as coisas. Quem sabe ele não tenha conhecido Jesus antes de falecer.
PEDRO: - É, pode ser! Mas de qualquer maneira agora eu preciso ir pra casa. Mas antes vou atrás do Neco. Não vou deixar que ele se perca sem conhecer Jesus.
Pedro e Fábio vão atrás de Neco. E acabam achando o menino dormindo na rua. Pedro então acorda Neco:
PEDRO: - Neco, acorda cara!
NECO: - Hã! Pedro, que é cê tá fazendo aqui?
PEDRO: - Eu vim pra te levar pra morar na minha casa. Mas antes eu queria contar o que aconteceu comigo nos dias que fiquei lá no abrigo. Eu encontrei o que procurava! Jesus mudou minha vida e agora vou contar pra todos a mudança que tô sentindo dentro de mim.
Neco e Pedro conversam sobre Jesus. Fábio está ao lado deles e fica impressionado com o testemunho de Pedro. Neco começa a entender sobre Jesus e diz:
NECO: - Cara, você tem toda razão! Eu preciso de Jesus!!! Quero que faça uma oração por mim.
Pedro fica feliz com a atitude de Neco e ora por ele. Fábio também! Eles saem de cena abraçados e glorificando a Deus pela decisão de Neco.

 

BLOG DA AUTORA Thais Belo Mamede
Estilos: 
Temas: 
Diversos: