ÚLTIMOS DIAS

Versão para impressão

Sinopse: Uma família desencontrada com Deus, uns servindo á Deus e outros a sua própria vontade. Quando chega a hora, nada mais há de fazer, senão clamar pela misericórdia de Deus. Ele virá em um momento em que não penseis. Como num abrir e fechar de olhos. Então o mundo será entregue totalmente nas mãos do anticristo.
PENÉLOPE - Jovem compromissada com Deus, recebe revelações apocalípticas.
GERSON - Irmão de Penélope, solteiro, adora andar de moto e curtir a noite.
BARTOLOMEU - Pai de Penélope e Gérson, pastor de uma igreja, vive na gangorra.
MAFALDA - Mãe de Penélope e Gérson e esposa de Bartolomeu, Comprometida com Deus.
CRISTINA - Tia de Penélope e Gérson e irmã de Bartolomeu, não aceita envelhecer.
BACARÁ - Presbítero e assessor do pastor Bartolomeu.

 
CENA 1 - (Música - Luz - Mafalda na sala de sua casa, lendo uma revista)
MAFALDA - Jesus amado! Isso é terrível! (Entra Penélope)
PENÉLOPE - Que foi mãe, a senhora está bem?
MAFAL - Estou minha filha. Olhe as fotos desse terremoto, destruiu muitas vidas, crianças, idosos…
PENEL - E o homem ainda se acha indestrutível.
MAFAL - Na hora em que o homem vê a morte na sua frente, deve se borrar todo de medo.
PENEL - E por que o ser humano não teme a Deus?
MAFAL - Porque acham que essas coisas só acontecem aos outros, mas como sempre estão enganados, Deus pode mandar outros tipos de terremotos em suas vidas.
PENEL - O pastor Cristiano disse que estão deturpando tudo o que podem pra invalidar a palavra de Deus.
MAFAL - Com certeza, o aborto, o casamento homossexual, pobres coitados, não sabem o que fazem e o que os esperam.
PENEL - Mas mãe, Deus não é injusto de saber que muitos estão enganados e serem levados ao inferno sem uma chance.
MAFAL - Sabe que você levantou uma questão importante, porque no meu inicio de caminhada com Cristo…
PENEL - Nova convertida?
MAFAL - Isso mesmo. Eu por estar no primeiro amor, em que tudo é maravilhoso, até as lutas virem, então, nessa época, eu, por ter o sentimento de Cristo, amava a todos, amigos e inimigos, a ponto de me sentir no lugar de Deus e dizer pra mim mesma que não destruiria o ser humano.
PENEL - E como descobriu o contrário?
MAFAL - Filha, Deus quer salvar a todos, mas o ser humano por ser perverso e não reconhecer o sacrifício divino de Cristo na cruz, prefere se entregar nas mãos de Satanás e entristecer o coração de Deus.
PENEL - E por isso, Deus não pode salvá-los.
MAFAL - Isso mesmo minha filha. A bíblia diz que “Deus amou o mundo de Tal maneira, que Deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que Nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna”, E pra fazer isso, só um Deus cheio de amor e de misericórdia.
PENEL - Como o ser humano ainda consegue trair Deus?
MAFAL - Não sei, mas sei que Deus não deixará ninguém, sem ter pelo menos uma chance de se arrepender.
PENEL - E o Gérson mãe, que será dele se Jesus voltar?
MAFAL - Ele é meu filho e o amo, mas está tendo toda a chance do mundo pra se arrepender, depois do arrebatamento, nem nós nos lembraremos e nem sentiremos nada lá no céu, porque lá não haverá sentimentos ruins, só alegria.
PENEL - Nem poderemos pedir pro Senhor salvar nossa família?
MAFAL - Nada. Não nos lembraremos, já pensou em todos que estiverem no céu irem até Cristo pedir pelos seus familiares?
PENEL - E a tia Cristina?
MAFAL - Nem me fale, irmã de seu pai que é pastor, foi criada na igreja, e ainda vai pro mundo? Essa só Jesus pra ter misericórdia.
PENEL - Mãe, eu tive outro sonho daqueles! (Entra Bartolomeu com sacolas) O pai chegou, depois eu te conto.
MAFAL - Chegou com sacolas, já vai reclamar dos preços.
BARTOLOMEU - Tá tudo caro, desse jeito, onde vamos chegar?
MAFAL - Não falei?
PENEL - (Rindo) A senhora não é mole, mãe! (Beija o pai a sai de cena)
BARTO - Esses empresários ladrões e esse governo corrupto, um pior do que o outro, e quando chega a eleição, temos que votar nessas bestas.
MAFAL - Isso tudo é bíblico meu amor, são dias terríveis, e ainda vai piorar.
BARTO - O pior é que eu sei, mas vamos vivendo até o dia do Senhor.
MAFAL - Tem que se decidir e parar de ser conivente, antes que esse dia venha.
BARTO - Com o que ou quem eu sou conivente?
MAFAL - Não vamos falar nisso agora, eu já cansei.
BARTO - Cansou de fofocar, isso sim!
MAFAL - Você é meu esposo, te devo respeito e submissão, mas está errado em algumas coisas concernentes ao ministério pastoral.
BARTO - Falou bonito! Que coisas são essas?
MAFAL - Jesus chamou os escribas e fariseus de hipócritas, eram homens aparentemente espirituais, mas foram repreendidos pelo Senhor.
BARTO - Com quem eu sou conivente?
MAFAL - Com o pastor Roberval, com os políticos que vem até a igreja pedir apoio.
BARTO - Os políticos eu só trato bem, sei que são uns pilantras. Já o pastor, eu estou ajudando, só isso.
MAFAL - Está ajudando? Faz a mesma coisa que ele, entra em projetos sem perguntar se Deus se agrada, e ainda vai atrás de outros pastores desviados que vem pregar aqui na cidade, e ainda diz que é amigo deles.
BARTO - Mas, não são meus amigos?
MAFAL - Que amigo o que! Seja amigo de Jesus e de mais ninguém.
BARTO - Então, eu não posso ter amigos?
MAFAL - Pode e deve, mas me aponte um?
BARTO - Sei lá quem é meu amigo, eu sei que sou.
MAFAL - Não me faça rir, você só se aproxima porque tem algum interesse, cria projetos e outras coisas, mas quando vê que aquela não é a sua praia ou que daquele poço não vai sair água, você se afasta logo e deixa a pessoa na mão.
BARTO - Você não acha que está falando demais, não?
MAFAL - Não! Se deseja ter um verdadeiro amigo, então seja um amigo verdadeiro. Sou sua esposa e sei de sua responsabilidade, mas sei que precisa mudar e ter mais experiências com Deus.
BARTO - O homem é interesseiro, já é de nossa natureza.
MAFAL - Eu sei disso, mas precisamos viver a natureza de Cristo, temos que sentir a mesma preocupação com nosso próximo, como sentimos pelos nossos filhos e pais, ainda mais quem está na frente de um rebanho, precisa ser mais perfeito.
BARTO - Mais do que sou?
MAFAL - Não estou brincando! Você é um ministro de Deus, é o anjo da igreja.
BARTO - Eu ajudo a quem posso, mais que isso, só Deus.
MAFAL - Lembra do Renan?
BARTO - O que tem ele?
MAFAL - Ele é um jovem compromissado com Deus, tem um coração maravilhoso. Você criou um monte de projetos com ele, foram em várias reuniões, anunciou os projetos até pra igreja, que tinha que ser a última a saber, acabou não dando em nada. O Renan esteve desempregado e ficou até sem comida na sua casa…
BARTO - Mas eu quis ajudar com alguns mantimentos.
MAFAL - Eu sei , mas você só ajuda com aquilo que vem até você, sem nenhum esforço, com doações dos irmãos, nunca te vi sacrificar seu bolso pra ajudar alguém.
BARTO - Mas…
MAFAL - Eu já te vi pregar sobre amor, sobre amar nossos inimigos, sobre sacrifícios, mas isso é teoria, na prática não acontece.
BARTO - Mas o que…
MAFAL - O pior é que a maioria dos crentes são assim.
BARTO - A maioria?
MAFAL - Sim a maioria são joios ou lobos, Jesus disse: “Estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que a encontram”.
BARTO - Eu sei que estarei lá.
MAFAL - Jesus está voltando, ou é ou não é, pare de se enganar, seja autentico e ame verdadeiramente o seu próximo. O Renan ficou endividado, com duas contas de luz, duas de água e duas de gás com aviso de corte, ficou sem telefone, com o aluguel pra pagar e cuidando de seus sobrinhos em casa, isso sem falar em calçado e outras coisas mais.
BARTO - Ele não me pediu!
MAFAL - A bíblia diz: “Se sabemos o bem que devemos fazer e não fazemos, pecamos”. A bíblia não diz pra pedirmos, diz pra comunicarmos aos santos as nossas necessidades, pedir só a Deus. O Renan comunicou a vários irmãos, mas nenhum se manifestou, inclusive você. Faltou amor.
BARTO - Eu não tinha!
MAFAL - Todos dizem a mesma coisa, não tenho, não posso, parecem um bando de mortos de fome. Se eu não tenho, vou ver quem tem ou quem pode ajudar, precisamos sentir a dor dos irmãos.
BARTO - Da próxima vez…
MAFAL - Se tiver uma próxima vez, porque Deus é na vida do Renan e não deixou ele envergonhado, antes supriu suas necessidades.
BARTO - E por que você sabendo disso, não ajudou?
MAFAL - Eu com certeza teria ajudado, mas só fiquei sabendo essa semana, através de uma irmã que recebeu uma revelação de Deus e se preocupou com ele.
BARTO - Eu tento dar o meu melhor, mas sou homem e homem falha.
MAFAL - Não pregue mais sobre aquilo que não vive, tem outros temas na bíblia. Deus nos julgará pelo que somos e pelas nossas ações.
BARTO - Hoje você me pegou pra Cristo, né?
MAFAL - Não, porque ninguém pode ser como Cristo, eu só quero o melhor pra você.
BARTO - Tá bom, vou tentar melhorar.
MAFAL - Faça isso pensando somente em você, a salvação é individual. (Pausa)
BARTO - Você foi ao médico?
MAFAL - Hoje eu resolvi não ir e fiz um jejum para o Senhor me curar, se for assim a Sua vontade.
BARTO - Claro que é a vontade Dele, Ele já levou sobre si as nossas enfermidades.
MAFAL - Pare de pregar só prosperidade material e curas, Deus é soberano e faz do jeito que quiser.
BARTO - Eu prego o que vem no meu coração.
MAFAL - A boca fala do que o coração está cheio.
BARTO - Eu oro antes e sou inspirado por Deus a pregar esses temas.
MAFAL - Espero que seja mesmo, pois toda a prosperidade material ficará aqui na terra. Hoje a maioria só prega sobre isso.
BARTO - Eu vou tomar um banho, preciso ir mais cedo pra igreja receber o pastor Marco Euriano.
MAFAL - Meu Deus!
BARTO - Ele me ligou e pediu pra pregar hoje.
MAFAL - Pregar? Tem certeza?
BARTO - Vou dizer o que a um homem desse?
MAFAL - Diga não! O seu problema é que tem medo do amanhã.
BARTO - Ele é um pregador internacional.
MAFAL - O diabo também. O que um homem desse vai acrescentar a igreja? Seus gritos? Os irmãos saem de casa na esperança de ouvir uma palavra de Deus, Bartolomeu.
BARTO - Chega! Não quero ouvir mais uma palavra sobre a igreja e meu ministério, tá ouvindo?
MAFAL - Como quiser.
BARTO - Vou tomar meu banho antes que Jesus volte, só assim vou limpo pro céu.
MAFAL - (À parte) Muitos estão se limpando somente com essa água. (Música - Sai de cena - B.O)

NARRAÇÃO - Mafalda, uma autêntica serva do Deus altíssimo, não tinha nada que temesse falar ao seu marido. Ela estava enferma de um câncer, sofria calada e se mantinha fiel aos propósitos de Deus. O Bartolomeu, continuava com a conivência e recebia homens de carácter duvidoso em seu gabinete pastoral.
 
CENA 2 - (Luz - Bartolomeu recebe o vereador Játomo Nota)

BARTOLOMEU - Meu estimado amigo e vereador Játomo Nota!
JÁTOMO NOTA - Meu pastor e conselheiro Bartolomeu!
BARTO - Eu não seria tanto assim, conselheiro é muita coisa, sou apenas um servo e servo só serve.
JÁTOMO - Me serve de conselheiro, e muitas vitórias eu credito a seus conselhos.
BARTO - Que bom, que bom…
JÁTOMO - Estou pra me eleger e preciso de seu apoio, com vigor, porque eu me candidatarei a deputado e quero que venha como vereador no meu partido.
BARTO - Eu?
JÁTOMO - E por que não? É muito conhecido aqui no bairro, tem carisma e poderá melhorar seu ministério com as verbas que virão.
BARTO - Verbas?
JÁTOMO - Verbas de gabinete, de apoio de empresários, de seu próprio salário que será muito bom.
BARTO - Quanto, mais ou menos?
JÁTOMO - Uma grana preta! Um bom salário, que agora não vem ao caso, precisa ganhar primeiro, então topa?
BARTO - Eu, eu, eu não sei…
JÁTOMO - Já topou! Sinto isso. Eu não quero ter que chamar o pastor Rinhares.
BARTO - Aquele ali só gosta de mordomia, adora congressos, festas, e junto com o Jalalaia, só pregam para os ricos.
JÁTOMO - Ficaram famosos e se acham intocáveis.
BARTO - Isso mesmo.
JÁTOMO - Mas Deus não está na direção?
BARTO - Com toda a certeza!
JÁTOMO - Então, vamos fechar esse acordo?
BARTO - Eu, gostaria muito, o problema é a igreja aceitar.
JÁTOMO - Peça uma licença, afinal, será pra ajudar a própria igreja.
BARTO - Eu tenho um chamado pra pastorear e não posso fugir a isso.
JÁTOMO - Mas outros também tem e aceitaram, hoje temos até bispos deputados.
BARTO - Talvez você não compreenda o que seja uma chamada, é muito sério ser chamado por Deus, requer renuncia, dedicação e compromisso eterno.
JÁTOMO - E por isso não pode assumir outros compromissos?
BARTO - Eu vou aceitar porque o mundo mudou e se ele mudou, talvez Deus me perdoe, e me use como um vereador compromissado com o povo. (Pausa) O que foi?
JÁTOMO - Eu estava aqui buscando palavras pra te convencer e de repente você resolveu aceitar com uma rapidez que eu nem acreditei.
BARTO - Tenho medo de dar errado, mas preciso de dinheiro pra ajudar a igreja…
JÁTOMO - Deus entende. Ele verá o seu esforço e aprovará.
BARTO - Então, como ficamos?
JÁTOMO - Vou trazer a papelada do partido pra sua filiação, depois disso, deixa comigo, vai dar tudo certo.
BARTO - Vou ter alguma ajuda financeira antes?
JÁTOMO - Vou conversar com o presidente do partido e verei o que posso fazer. De agora em diante, já comece a falar pros membros da igreja sobre a nossa candidatura, para que eles comecem a fixar nossos nomes em suas mentes.
BARTO - Pode deixar que isso eu vou fazendo aos poucos.
JÁTOMO - Entro em contato contigo ainda essa semana, fica com Deus. (Sai de cena)
BARTO - (Entra o Presbítero Bacará) Me traga um copo de água
BACARÁ - O que o vereador queria?
BARTO - Ele há muito tempo que está de olho em mim pra vida pública, por eu ser carismático, honesto, de boa aparência, enfim, um bom soldado pro seu partido.
BACARÁ - Vai se candidatar pastor?
BARTO - Serei o próximo vereador do partido democrata, ou um dos vereadores.
BACARÁ - Meu Deus! Esse partido não é de Deus, eles tem até politico homossexual, um tal de Caçado. E esse nome Demo, é no mínimo estranho.
BARTO - Demo vem de democracia, livre expressão.
BACARÁ - Ainda bem, eu pensei em demônio.
BARTO - Não fica muito longe disso não. To brincando!
BACARÁ - E onde tem essa tal democracia que eu não vejo?
BARTO - É verdade. Principalmente em nosso País. Você será meu assessor daqui pra frente.
BACARÁ - Eu pastor? Mas eu preciso orar a Deus e vê se Ele concorda.
BARTO - Então, faça isso, porque o meu problema é outro e mora lá em casa. (Música - B.O)

NARRAÇÃO - A falta de temor, faz com que o homem veja Deus como um colega qualquer, em que pode pecar, mentir, sem dar a mínima para seus mandamentos, e sair ileso. Fazer a coisa certa, as vezes nos trás alguns transtornos, pois o mundo vive no pecado e nada, aparentemente lhes acontecem, mas quando fazemos o que é agradável aos olhos de Deus, sabemos que nada pode impedir a nossa caminhada rumo a vitória que Ele já nos deu através de seu Filho amado.

CENA 3 - (Luz - Bartolomeu chegando em casa conversa com seu filho e sua irmã)

BARTOLOMEU - Cristina, onde está o Gérson?
CRISTINA - No quarto dele.
BARTO - A Mafalda já saiu pra levar a Penélope no curso?
CRISTI NA - Tem dez minutos.
BARTO - Tudo bem, tenho que falar algo sem as duas estarem presente. Vá chamar o Gérson
CRIS - (Gritando) Gérson!!
BARTO - Se fosse pra gritar eu mesmo teria ido.
CRIS - Relaxa. (Entra Gérson)
GERSON - Quem berrou?
CRIS - Olha o respeito menino!
GERSON - Se isso não é um berro, então o que será?
BARTO - Vamos parar de papo furado e prestem atenção.
GERSON - Diga lá coroa!
BARTO - Gérson, você já está na idade de ser mais responsável, não é mais nenhum garotinho, precisa tomar juízo e ter responsabilidades.
GERSON - Se for pra ouvir sermão eu tô fora.
BARTO - Espere e escute. Eu quero que os dois venham trabalhar comigo.
GERSON - Bebeu?
BARTO - Calma!
CRIS - Também tô fora.
GERSON - Eu não quero nada que venha da igreja.
CRIS - Também não!
BARTO - Não tem nada haver com a igreja, é uma outra coisa… É política.
GERSON - Como assim?
BARTO - Sou o próximo vereador dos democratas.
CRIS - Verdade maninho?
GERSON - Já virou maninho. E como foi isso?
BARTO - Já conto. Eu preciso saber se me apoiarão e se estão comigo nessa?
CRIS - Mas é claro! Preciso fazer uma compras.
GERSON - Já tia?
CRIS - Preciso renovar meu guarda roupa, está tão pobrezinho.
BARTO - Isso é pra depois. O presbítero Bacará será meu assessor…
CRIS - Bacará Barto?
BARTO - Eu preciso de alguém que não me conteste, que faça o que eu mando e ele é perfeito. Será um bom ajudante. Agora, eu tenho um grande problema e preciso muito da ajuda de vocês.
GERSON/CRIS - (Falam juntos) A Mãe! A Mafalda
BARTO - Exatamente! Mas não é só a Mafalda, a Penélope também.
CRIS - As duas estão fanáticas!
GERSON - Eu tô mantendo distância, se paro perto, já vem falar de religião.
BARTO - O Gérson nunca foi de frequentar a igreja, mas você Cristina, foi criada no evangelho e sabe do que acontecerá quando Jesus voltar.
CRIS - O problema é se Ele vai voltar mesmo, pois se Ele voltar, se cuide também meu irmão.
BARTO - Ele com certeza voltará, mas cada um dará conta a Deus de si próprio.
CRIS - Concordo. Agora vamos ao que interessa, diga-nos como conseguiu essa vaga de vereador.
GERSON - É velho, diga lá, e como vai ficar a igreja com essa história?
BARTO - Isso eu resolvo depois. (Música) Hoje o vereador Játomo Nota esteve no meu gabinete…
GERSON - Como é o nome?
CRIS - É japonês?
BARTO - Deixa eu falar… (A Música aumenta - B.O)

NARRAÇÃO - A bíblia diz “quem é sujo, suja se mais e quem é limpo, limpa-se mais. A conivência é um pecado tão grave, como a quem o pratica. Tentamos driblar a vontade de Deus, usando subterfúgios para praticá-los sem sermos contaminados. Quando Adão pecou no jardim do Éden, ele jogou a culpa em sua mulher e disse pra Deus: “Foi a mulher que tu me deu”, como se ele não tivesse culpa nenhuma. Para Deus, não existe pecadinho e sim pecado. Ele nos julgará por tudo o que praticarmos, se plantarmos rosas, colheremos um jardim de rosas, mas se plantarmos espinhos, colheremos um jardim de espinhos.
 
 
CENA 4 - (Luz - Penélope com Bartolomeu, seu pai)

BARTOLOMEU - Filha, eu preciso falar com você!
PENÉLOPE - Eu estou indo à casa da Suzana.
BARTO - Pode ir filha, é só um minutinho do seu tempo.
PENEL - Tudo bem, pai.
BARTO - Antes de qualquer coisa, quero que entenda, que estou orando e sei que Deus aprovará essa minha decisão.
PENEL - Mas o que foi que aconteceu?
BARTO - Não aconteceu nada, vai acontecer, mas é para o bem de todos nós… Eu, a muito tempo, tenho recebido muitos convites…(Música aumenta por um tempo e baixa a seguir)
PENEL - E a igreja, como receberá essa notícia?
BARTO - Eu já comuniquei a cúpula, e a maioria dos pastores me apoiaram, agora preciso de sua aprovação e de sua mãe, que não será fácil.
PENEL - Pai, eu te amo, mas não vejo Deus aprovando essa sua resolução.
BARTO - Por que você acha isso? Eu não posso almejar algo maior em minha vida e de minha família?
PENEL - Pai, Deus te chamou para pregar a sua palavra, para evangelizar os cativos, para libertá-los das mãos do inimigo e não se meter nessa podridão que é o mundo desses políticos.
BARTO - Você está pior que sua mãe.
PENEL - Pai, se existe algo mais sublime nesse mundo e mais prazeroso, é o de pregar a palavra de Deus e se há um título ou cargo mais honroso é o de ser servo do Deus altíssimo. O senhor é ministro de Deus aqui na terra, não há nada mais importante pra Deus que isso, não queira ser rebaixado, não deixe que o diabo te iluda e te mostre o contrário, foi Deus quem te chamou e não o homem.
BARTO - Eu já dei a minha palavra ao partido e já me filiei, não tenho como voltar atrás.
PENEL - Não tem, ou não quer?
BARTO - Eu vejo nisso uma oportunidade de conseguir tudo o que sempre desejamos, quem sabe não é isso que Deus quer pra nós?
PENEL - Quem tem chamada pra pregar, não pode se contaminar, eu não creio nesses homens que largam o púlpito pra se meter nesse meio, onde a corrupção predomina.
Salmo 1, “Não se detêm no caminho dos pecadores e nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Cai fora pai, antes que o inimigo te derrube.
BARTO - Obrigado filha, mas vou em frente, pois como homem, eu já dei a minha palavra, e tenho que cumpri-la.
PENEL - O senhor também deu a sua palavra a Deus quando foi ordenado a pastor…
BARTO - Preciso ir minha filha.
PENEL - O poder corrompe, destrói, ilude, ele faz pensar que somos imbatíveis e quando vem a destruição, nada há mais que fazer.
BARTO - Mas fará as coisas mais simples pra nós.
PENEL - Pai, eu tenho tido sonhos apocalípticos e Deus tem me mostrado como será o dia da sua vinda, o sofrimento e desespero dos que ficarem…
BARTO - A promessa de Deus é real, mas não vai acontecer agora, talvez na próxima geração.
PENEL - Pai, olhe para os sinais. Já pensou que poderá perder tudo que o ama?
BARTO - Como assim?
PENEL - O senhor entra e sai dessa casa como se fosse um fantasma, não procura a mãe…
BARTO - Sua mãe reclama de barriga cheia.
PENEL - Já parou pra pensar na saúde dela?
BARTO - Ela está bem e confiamos em Deus, por que diz isso, aconteceu algo?
PENEL - A mãe não diz nada, mas sei que ela está enferma, e que é grave.
BARTO - Depois eu converso com ela e se for preciso a levo pra fazer uns exames.
PENEL - Pai, põe na balança e pese o que o senhor mais ama nesse mundo, pra depois não vir culpar Deus, os dias são maus e a vinda de Jesus está muito perto.
BARTO - Eu sei disso filha.
PENEL - Eu te amo pai, cuide-se, o senhor é a autoridade máxima aqui em casa, e se a autoridade está oscilando, a família padece. (Música - Abraçam-se)
BARTO - Eu preciso ir filha.
PENEL - Pai, que o Senhor te abençoe e te guarde.
BARTO - Obrigado filha. (Sai de cena - B.O)

NARRAÇÃO - O tempo passou, Bartolomeu cada dia mais dedicado a política, o estado de saúde da Mafalda piorava, terremotos e catástrofes aconteciam em várias partes do mundo, anunciando a vinda do Senhor. A fome pelo poder, cegava Bartolomeu que vivia dia e noite fazendo campanha política, sem se importar com os sinais e nem com a sua família.

CENA 5 - (Luz - Mafalda, Penélope, Gérson e Cristina)

PENÉLOPE - Mãe, toma esse remédio.
MAFALDA - (Fraca e tossindo) Eu não quero minha filha.
CRISTINA - Se eu fosse você, eu iria ao médico.
GERSON - O que a senhora tem que fica escondendo?
MAFAL - Não tenho nada. Qualquer doença é nada pro Senhor.
GERSON - Vai nessa! A hora que bater as botas, vai se lamentar.
MAFAL - Quem se lamenta é quem fica e não quem vai com o Senhor.
GERSON - Já vem ela com esse papo de crente.
MAFAL - Que papo você gostaria que eu tivesse? Sobre novela, ou de politica como o seu pai?
CRIS - A Penélope te contou?
PENEL - Cuidado com o julgamento tia.
MAFAL - Por acaso o Bartolomeu consegue esconder algo de alguém?
CRIS - Isso é verdade.
MAFAL - Ele dá tiro no próprio pé.
GERSON - Deixa o pai fazer o que quiser, a vida é dele, ele não ta roubando, ta querendo o melhor pra todos nós.
MAFAL - Não me inclua nisso! Ele ta querendo o melhor pra ele e não pra nós, não se iluda meu filho.
GERSON - A senhora fala demais.
PENEL - Respeite a mãe Gérson!
GERSON - Não respeito não! Fica falando mal do pai.
MAFAL - Desculpe a minha franqueza, mas ele precisa de vocês, mais do que a mim. São vocês quem cuidarão dele e nesse dia seus olhos serão abertos.
CRIS - As profecias da Mafalda! Já estamos cansados delas.
MAFAL - Por pouco tempo Cris, por pouco tempo…
PENEL - Mãe, não se canse com eles. Vamos lá pro quarto, venha, eu te ajudo. (Saem de cena)
GERSON - O que a mãe tem?
CRIS - Sei lá! Não diz nada pra ninguém.
GERSON - Ta muito esquisita, abatida, não sei não.
CRIS - O que acha que deve ser?
GERSON - Nada muito bom, algo de grave.
CRIS - Não devemos nos preocupar, afinal, Deus não cura?
GERSON - Acho que sim, pelo menos é o que passa na TV.
CRIS - Bem, vou dobrar os panfletos do seu pai e colocá-los nos envelopes.
GERSON - Vamos nessa, que o pai é o cara da vez. (Rindo)
CRIS - É isso ai! (Saem de cena - Música - B.O)

NARRAÇÃO - Enoque andou com Deus e Deus o tomou para si. Existem pessoas que são tão fiéis a Deus que o próprio Senhor vem e o leva para si. Existem pessoas que adoram a Deus como se o visse face a face. Quando Deus se alegra, ou Ele acrescenta seus dias ou Ele recolhe para junto de si. Deus se agradou da vida e coragem da Mafalda, de sua luta e sofrimento e a tomou para si. A tristeza se hospedou na casa de Bartolomeu que alem disso, perdeu a eleição.

CENA 6 - (Luz - Bartolomeu triste e abatido com Penélope)

PENELOPE - Pai, vamos almoçar.
BARTOLOMEU - Estou sem fome.
PENEL - Pai, a mãe estava sofrendo, ela com certeza está melhor agora.
BARTO - É que veio tudo de uma só vez .
PENEL - A mãe te amava muito.
BARTO - Eu sei filha.
PENEL - A mãe…
BARTO - Não sei como perdi essa eleição. (Penélope se decepciona) Se pelo menos eu ganhasse, seria como um refúgio.
PENEL - Entendo. (Toca o telefone)
BARTO - Deixa que eu atendo. Alô! Como está? Agora é deputado Játomo Nota. Infelizmente eu perdi. Como assim? Fiquei como primeiro suplente? Que noticia boa é essa que está me dando? Pelo menos uma notícia boa, é, infelizmente ela se foi, mas a vida é assim mesmo, fazer o que? Quer me encontrar agora? Confraterni… (Penélope sai triste sem ele ver) quer dizer, reunião? Vou já, vou falar com minha filha e já estou indo, até já! (Desliga) Filha, eu… (Música - B.O)
 
NARRAÇÃO - (Som - suspense) Então, Deus lá de seu trono, se levanta e diz ao filho: “Filho, chegou a hora, vá buscar a sua noiva! Chega de sofrimento e angustia de meu povo, vá, e traga-os para perto de mim, traga os puros de coração, aqueles que verdadeiramente me amam, traga os escolhidos, para que se cumpra a promessa feita por ti. Então, a trombeta soou lá da glória e se ouviram todos os moradores da terra e temeram. Naquele momento acontecia o arrebatamento da igreja.
 
 
CENA 7 - (Luz - Gérson revoltado, vendo o anuncio na TV na sala)

GERSON - Isso é uma palhaçada! Cada um faz de sua vida o que quiser. (Entra Cristina desesperada)
CRISTINA - Você já soube? Meu Deus!
GERSON - Meu Deus o que? Ficamos livres dessa história de religião e poderemos viver em paz.
CRIS - Meu Deus, aconteceu mesmo!
GERSON - Para com isso Cris!
CRIS - Gérson, acorda! Você não entende, aconteceu o arrebatamento.
GERSON - E dai, eu com isso?
CRIS - Nós ficamos. Eu não estou acreditando…
GERSON - To nem ai!
CRIS - Você não entende, não entende, e agora Jesus, o que será de mim?
GERSON - Ih, tá pancada! Eu vou sair e ver onde anda o coroa… (Entra Bartolomeu desesperado) Já ia te procurar.
BARTOLOMEU - Vocês já sabem?
CRIS - O que vamos fazer Barto?
BARTO - Não sei, a minha vontade é de chorar e me lamentar como fez Pedro quando negou Jesus.
GERSON - Ainda vão continuar com esse papo de religião?
CRIS - Fica quieto Gérson!
GERSON - Vocês enlouqueceram!
BARTO - Enlouquecemos! Dessa vez você tem toda razão, enlouquecemos por abandonarmos a nossa fé, Naquele que morreu por nós, que nos ofereceu a vida eterna e rejeitamos por nada.
GERSON - E a politica é nada?
BARTO - Quem está falando de politica debochado? Estou falando de vida e morte.
GERSON - Peraí, eu não estou entendendo…
BARTO - Agora, com a subida do Espírito Santo do planeta terra, o anticristo aparecerá e dominará o mundo com sua falsa doutrina e falsas promessas de paz, por três anos e meio ele enganará a quase todos, mas a partir desse tempo, Deus de sua glória, mandará pragas, doenças terríveis, catástrofes em grande escala, por mais três anos e meio, então, a face do inimigo será revelada.
GERSON - E o que eu tenho com isso? A briga é deles e eles que se entendam.
BARTO - Cresça Gérson! Agora sua vida corre perigo de morte e sofrimento eterno!
GERSON - Eterno?
BARTO - Eterno. Pra sempre! (Música aumenta e abaixa) Precisamos nos manter calmos e criar estratégias de sobrevivência.
GERSON - O que pretendem fazer?
BARTO - Precisaremos nos esconder em um lugar seguro com bastante alimento, água, enfim, tudo.
GERSON - Mas, por que temos que nos esconder?
BARTO - Porque seremos perseguidos pelo novo governo mundial , pra que neguemos ao Senhor e recebamos a marca do anticristo.
GERSON - E se eu aceitar a marca?
BARTO - Se aceitar, estará negando Jesus e seu sacrifício na cruz do calvário e decretando sua condenação ao fogo eterno.
CRIS - (Desesperada) Meu Deus, eu não quero morrer!
BARTO - Nós vamos morar no céu Cris, eu, você e o Gérson
GERSON - E se eu não quiser a marca?
BARTO - Será preso e executado conforme a vontade deles.
CRIS - Bartolomeu, se eles me pegarem eu não vou conseguir…
GERSON - Nem eu! Eu não quero morrer!
BARTO - Não temos saída, teremos que nos esconder e tentar viver assim por sete longos anos. (Batem a porta com força)
CRIS - Quem será?
GERSON - Não abra!
BARTO - Vamos ficar em silêncio e esperar que vão embora.
CRIS - Meu Deus, me perdoa, me perdoa… (Música aumenta - B.O)
NARRAÇÃO - Que possamos crer mais no Senhor e na promessa de sua vinda, o arrebatamento está próximo e será de alegria e gozo para poucos, mas de pesadelo e terror para muitos. O homem tem uma vida inteira para aceitar ou rejeitar ao Deus altíssimo, uma vida inteira para amá-lo ou adiá-lo. O Senhor é justo e fará justiça a todos os moradores da terra e nunca poderemos dizer que não tivemos uma chance, pois o Senhor é fiel para cumpriu tudo o que prometeu aqueles que creram em seu maravilhoso nome.

Ministério Profissional Atores de Cristo - Brasil - Portugal

FIM.
Escrito em Setúbal - PT - Por Nan Breves entre 13 de Fevereiro a 03 de Março de 2010
Todos os Direitos Reservados@

 

NAN BREVES

 

Autores: 
Estilos: 
Diversos: