A ÚLTIMA CHANCE

Versão para impressão
Anjo da morte esperando passar a última chance

Chega o momento derradeiro da vida das pessoas, ninguém está preparado. Os “novos mortos são recebidos pela “Dona Morte” e a Senhora “vida Eterna”, as reações e o desejo de fazer tudo diferente se houvesse uma nova chance. Mas já é tarde.

Pra quem lê este texto ou assiste a peça ainda há tempo de mudar escolhas

ULTIMA CHANCE

(Abrem-se as cortinas. Luzes apagadas, fumaça e refletor no proscênio (cenário 1). Entra a Morte; roupas pretas, maquiagem exagerada e escura, anéis, pulseiras e cordões num estilo gótico. )

 

MORTE: Mais um dia! Mais um dia de vitórias, de ganhos e muita diversão! Ahahahahaha...

 

(Entra Vida Eterna, roupas brancas e leves, sempre com um livro grande e branco nas mãos. )

 

VIDA ETERNA: Você se diverte em cantar vitória antes do tempo?

MORTE: Mas claro. Olhe para eles, para suas miseráveis vidas. Eles te procuram em tudo, mas são orgulhosos demais para admitir. Se apegam a qualquer besteira levados por aquela máxima: “todos os caminhos levam a Deus!”

VIDA ETERNA: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”

MORTE: A frase é boa mas... a minha tem tido mais efeito. Basta ver o coração deles: cheio de maldade, inveja, rancor, avareza, pornografias. E ficam ofendidos se os chamamos de pecadores. Confesso; na intenção, eu perco, mas na prática...

VIDA ETERNA: Se considera uma grande vencedora?

MORTE: Eu sou! (orgulhosa)

VIDA ETERNA: “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo.”

 

(Morte se enfurece em silêncio. Aguardam um tempo calados. )

 

VIDA ETERNA: Aí vem o primeiro.

MORTE: Vamos ver até onde vai a força dos seus versículos.

 

(Saem. Cenário clareia e fica sem fumaça (cenário 2). Entra um homem, paletó e gravata, falando ao celular. )

 

HOMEM: ... Claro que eu vou. Eu ia deixar furo com você, meu amor?... Não, não, sem problema. Ela vai sair com as crianças para um fim de semana com a mãe dela.... É, vamos ser só nós dois.... Vamos sim, isso e muito mais. Até Sexta então. Um beijo, tchau! (desliga)... É, a coisa vai ser boa. (esfregando as mãos maliciosamente, olha o relógio) Caramba! A rapaziada está me esperando no bar! (tenta sair apressadamente mas para abruptamente) Iiih... lá vem o crente. E o pior é que ele já me viu. (disfarça) Ah, oi.... quê? Não, pode deixar que assim que eu puder eu vou na sua igreja. É que nesse fim de semana eu vou viajar com a família. Tá... tá... ok, brigado. Tchau! (despede-se com um falso sorriso que se desfaz assim que o cristão some de vista. Muda seu semblante para raiva) Mala sem alça! Eu ainda vou arrumar um jeito desse cara ser demitido. Esse papo de igreja, Jesus, salvação e não sei mais o quê está enchendo minha paciência. (olha novamente para o relógio e fica aflito. Pega o celular e telefona) Alô. Andrade? Andrade, sou eu, vocês ainda estão no bar?... Mas como assim já está quase em casa?... Todo mundo já foi?... Tá bom, então, fica pra próxima. Tchau! (desliga chateado) O jeito é ir pra casa.

 

(Sai chateado. Entra imediatamente por outro lado como se estivesse chagando em casa. )

 

HOMEM: Oi, querida. (beija a esposa. Tira o paletó e afrouxa a gravata) Ãh?... Ah, o fim de semana na casa da sua mãe?... Sabe o que é, não vai dar.... É eu sei que vocês estavam contando que eu fosse mas é que... bom, eu... eu vou ter que trabalhar.... É, tenho que trabalhar. É uma pena. Mas foi o chefe que pediu e essa pode ser a oportunidade para aquela promoção que tenho esperado tanto.... Ei, pode parar!(nervoso. Vai se alterando cada vez mais) Não começa de ladainha na minha cabeça, não! ... É com esse “maldito” emprego que eu sustento essa casa. Nunca deixei faltar nada, nada!... Que amor, que carinho, que nada! Você fica inventando essas coisas pra me aborrecer. (anda nervoso de um lado para o outro) ... E vê se faz essa criança parar de chorar que já tá me enchendo a paciência. (vira-se repentinamente como se tivessem lhe dito algo que o deixou transtornado. Avança como se fosse dar um tapa mas se detém)... Cala essa boca! Cala a boca!... Eu vou pra rua. Vou pra rua senão faço uma besteira. (sai).

 

 

Cenário 1. Entra o homem, confuso, zonzo, sem o paletó. Para no meio do palco querendo entender onde está. Entram a Morte e a Vida Eterna.

 

MORTE: Olá, meu amigo. (sorridente)

HOMEM: Onde estou? Quem são vocês?

VIDA ETERNA: Você não se lembra de nada?

HOMEM: Eu... eu... me lembro de ter saído de casa, nervoso. (angustia-se) Eu comecei a me sentir mal, uma dor forte no peito, o ar me faltando, então eu caí e... (percebe que está morto) Não... Não!! (desespera-se)

MORTE: Que quê foi? A ideia de estar morto te assusta?

HOMEM: Não pode ser, não pode ser... (repete várias vezes baixinho)

MORTE: Não pode ser? O quê será que não pode ser? Você não se preocupar em se alimentar do jeito certo? Você trabalhar vinte e cinco horas por dia? Você nunca tirar um tempo pra descansar? Não praticar exercícios?... Realmente não pode ser que alguém com uma vida tããããooo saudável tenha um ataque cardíaco.

VIDA ETERNA: Você precisa se acalmar. Se desesperar não vai mudar em nada a sua situação, o que você precisa entender...

HOMEM: (interrompe indignado) Me acalmar??!! Você é maluco?! Eu estou morto. Morto!! E você quer que eu me acalme?!

MORTE: É... bons tempos aquele em que se respeitava uma autoridade.

HOMEM: Do que ela está falando? E afinal de contas, quem são vocês?

MORTE: Eu sou o último beijo, a lágrima solitária, a gota final, o último suspiro... eu sou a Morte! (dramaticamente)

VIDA ETERNA: E eu sou a Vida Eterna.

HOMEM: E o que vai acontecer comigo?

VIDA ETERNA: Agora você será apresentado ao seu veredicto e, depois, encaminhado ao seu destino eterno.

HOMEM: Destino eterno? (apavorado)

MORTE: É... e pra onde você acha que vai?

HOMEM: Quer dizer, céu ou inferno?

MORTE: Finalmente você entendeu.

HOMEM: Pelo amor de Deus! Eu não quero ir para o inferno.

VIDA ETERNA: Infelizmente, não há mais tempo pra essas coisas. O tempo da misericórdia pra você acabou. Você teve tantas oportunidades...

MORTE: ... Mas preferiu continuar com a sua vidinha cômoda de mentiras, enganos, adultérios...

HOMEM: Mas o que isso? Eu não posso ir para o inferno. Eu não era nenhum marginal. Nunca matei ninguém!

MORTE: Mas traia sua esposa com qualquer uma que encontrasse.

HOMEM: Não...

VIDA ETERNA: Negligência seus filhos.

HOMEM: Não...

MORTE: Perdia suas noites na farra.

HOMEM: Por favor...

VIDA ETERNA: Desejou o mal ao seu próximo.

HOMEM: Para...

VIDA ETERNA: E o pior; jogou fora sua última chance.

HOMEM: Última chance...?

MORTE: Lembra daquele seu colega de trabalho, o crente? Você vivia caçoando dele, maltratando, desfeiteando e ele nunca se cansou de te falar da salvação eterna.

HOMEM: Espere, se eu soubesse...

VIDA ETERNA: Agora já é tarde.

 

A Morte cobre o homem com um manto negro e o arrasta para o inferno enquanto ele grita desesperado. Inferno caracteriza-se pela luz vermelha e música tensa.

A Morte retorna.

 

MORTE: Você ainda diz que não sou vencedora?

VIDA ETERNA: Sabe muito bem que esse também é o seu destino.

MORTE: Mas levarei tantos quanto puder. (muita raiva)

VIDA ETERNA: Aí vem o próximo.

 

Cenário 2. Entra uma mulher, vulgarmente produzida, falando alto.

 

MULHER: Meu Deus! Meu Deus! Eu não aguento mais!... Quê que foi, garoto? Me deixa em paz.... Maldita a hora em que fui Ter filhos. É só dor de cabeça. (começa a se arrumar de frente ao espelho. Vira-se rapidamente quando chega alguém) Agora que você chega?... Não vem com essa de boa noite, não. Você está cansado de saber que hoje é o dia em que eu saio com minhas amigas do salão.... Eu não tenho nada a ver com essa sua besteira de igreja, e desde que você virou crente esqueceu que tem mulher.... Eu?! Eu dou um duro danado, tenho que aguentar essas pragas dessas crianças sozinha e você tem a cara de pau de dizer que eu é que te esqueci??!!... (puxa um cigarro mas não acende) Quê?? Nem pensar. Se quiser virar fanático o problema é seu, mas não vou deixar levar meus filhos pra essa igreja.... Ha, ha, ha, era o que me faltava..., Você ainda tem coragem de me convidar pra ir na igreja... Jesus me ama?... me libertar? ... Quer saber? Eu vou me libertar de vocês, isso sim.... Não vou me acalmar porcaria nenhuma. Eu estou por aqui de choro de criança que eu nem pedi pra ter e essa ladainha de crente na minha cabeça. Eu estou de saco cheio!! (sai)

 

Cenário 1. Entra a mulher, confusa. Vida Eterna entra e senta-se. Morte entra e fica andando ao redor da mulher, observando-a.

 

MULHER: Quem é você?

MORTE: Quem você acha que eu sou?

MULHER: Eu sei lá. Onde é que eu estou?

VIDA ETERNA: (levanta-se) Refazendo a pergunta: aonde é que você estava?

MULHER: Em casa.

MORTE: E você se lembra da última coisa que lhe aconteceu?

MULHER: Eu discuti com meu marido e estava indo encontrar umas amigas, quando... quando escorreguei em um dos degraus do prédio...

VIDA ETERNA: Você rolou a escada e morreu.

MULHER: Morri? (apavorando-se)

VIDA ETERNA: Sim, você está morta. Ponha a mão no seu peito. Consegue sentir seu coração bater? (mulher faz negativa) Claro que não, você está morta.

 

Mulher começa a chorar compulsivamente como se estivesse em choque.

 

MORTE: Ahhh, por favor. Pare com isso, tenho o mínimo de dignidade diante da morte.

VIDA ETERNA: (caminha em direção a mulher) Pare de chorar (diz suavemente. Toca em seu ombro e o choro cessa imediatamente).

MULHER: Mas eu não posso morrer. Eu sou muito nova, tenho uma vida inteira pela frente.

MORTE: Não pode morrer? Acorda, basta estar vivo pra morrer. E quanto a ter uma vida pela frente...

VIDA ETERNA: Antes de mais nada, eu sou a Vida Eterna e essa é a Morte. A oportunidade de viver a verdadeira vida você mesma desperdiçou.

MULHER: Desperdicei?

MORTE: Desperdiçou a vida que tinha e a que poderia ter.

MULHER: Como assim?

VIDA ETERNA: Você foi abençoada com filhos lindos, saudáveis, espertos e que apesar de tudo, te amavam muito.

MULHER: Como assim “apesar de tudo”?! Eu sofri muito para criá-los.

VIDA ETERNA: Infelizmente, você os fez sofrer muito mais do que acha que sofreu.

MORTE: Acha mesmo que eles não entendiam, apesar de pequenos, que você os xingava, os evitava quando eles tinham algum problema e até amaldiçoava o dia em que haviam nascido?

MULHER: Mas é que eu...

VIDA ETERNA: “Cuidado para que não desprezem um só destes pequeninos!”

MULHER: O quê você quer dizer com isso?

MORTE: Ele quer dizer que o modo como você tratava os seus filhos é um excelente motivo para eu te levar comigo.

MULHER: Mas eu sofri a vida toda e ainda vou para o inferno?

VIDA ETERNA: O consolador esteve a sua porta até o seu último minuto de vida. Seu sofrimento poderia ter cessado quando você quisesse.

MULHER: Não estou entendendo.

VIDA ETERNA: Seu marido. Ele foi usado o tempo todo para despertá-la e você o chamava de fanático.

MULHER: Não pode ser...

VIDA ETERNA: “Portanto, eu vos digo: todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada aos homens.”

MULHER: Eu não sabia...

MORTE: Tadinha, ela não sabia... (irônica) Você largava seus filhos pra ir nos forrós e pagodes por aí, ficar se prostituindo.

MULHER: Eu nunca me prostituí!

MORTE: Mentirosa! Acha que aqueles decotes, roupas curtas, justas e transparentes, para que todos os homens ficassem olhando, não era uma forma de prostituição?

MULHER: Nunca tive outro homem depois de casada.

MORTE: Mas cobiçava vários. E se não traiu foi por falta de coragem.

MULHER: Por favor, tem misericórdia de mim. (chorosa para Vida Eterna que lhe da as costas)

VIDA ETERNA: Você já teve a sua última chance.

 

Morte a leva para o inferno, como com o homem (Repete-se sempre que pedido). Morte retorna.

 

MORTE: Dois a zero. (rindo) Por quê não desiste? A maioria deles já desistiu de você.

VIDA ETERNA: Nunca! Eu já fiz demais pra desistir agora.

MORTE: Amor, amor, amor...

VIDA ETERNA: Você falando em amor? (ironicamente)

MORTE: Você fazendo piadas?

VIDA ETERNA: Não tenho porque ficar com raiva. A vitória é minha desde a fundação do mundo.

MORTE: Mas eu vou levar minha parte. (raiva)

VIDA ETERNA: A sua parte também já está reservada.

MORTE: Não comece! (tampa os ouvidos)

VIDA ETERNA: “E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a Segunda morte.”

 

(Morte se cala, enfurecida. )

 

VIDA ETERNA: Lá vem o próximo. (saem)

 

Cenário 2. Entra um jovem com uniforme escolar, mochila, ouvindo um walkman. Cantarola uma música e para, abrindo os braços detendo as outras pessoas que estão com ele.

 

JOVEM: Paraí, pessoal!... Iiih , demorô! Vai Ter um baile aqui pertinho esse fim de semana. Já é... É isso aí, vamos todos.... Ahhh, qualé? Deixa de bobeira, irmãozinho. ...Igreja? E isso não tem todo Domingo?... Poxa... Olha, irmãozinho, ninguém vai contar pro teu pastor, não. Ahahahahaha... Não, irmãozinho, que isso? Não fica chateado , a gente só quer que você se divirta, curta a vida... Tá, tá, eu sei. Você já disse umas mil vezes que a vida é Jesus e blá-blá-blá, mas... Quê??!! Ir na igreja esse fim de semana??!! Acho que você não está regulando bem. Nós vamos ao baile esse fim de semana.... Ah, quer saber, tu é um tremendo chato... Não quero saber, não. Eu estou novo e não vou perder minha juventude dentro de uma igreja.... Se manca cara, sai fora! (o irmãozinho sai)... Pô, que papo mais brabo esse de igreja.... Quê? Sua mãe também te enche o saco com essa palhaçada?... A minha não curte essa de igreja, não, mas me enche o saco com umas besteiras. Outro dia ela começou a falar muito e eu perdi a paciência.... Foi, botei moral, não deixei tirar onda comigo, não. Quem manda em mim sou eu.... Aí, vamos assistir aula, não. Vamos pro shopping?... Já é! (vai saindo mas para e se esconde ao ver alguém) Essa não, minha namorada. Se ela me vir saindo vai querer ir junto.... Mas é claro que tem problema, seu idiota. Me diz, como é que eu vou poder dar em cima das gatinhas com a minha mina em cima?... Vamos sair pelo outro lado. (sai pelo lado oposto ao que iria sair).

 

Cenário 1. Entra o jovem, confuso. A Morte entra batendo palmas.

 

MORTE: Brilhante! A ha, ha, ha, ha, ha... bri-lhan-te. Você é perfeito.

JOVEM: Ãh... do que você está falando?

MORTE: Estou falando de você, é claro. Você é perfeito pra mim.

JOVEM: Quem é você?

MORTE: Eu sou a Morte.

JOVEM: É sério?

MORTE: Duvida? Então toque minha pele e me diga o que sente.

 

O jovem toca as costas da mão da Morte e logo se afasta, levando as mãos a boca, muito assustado.

 

MORTE: E então?

JOVEM: É fria... dá uma sensação ruim. Parece que eu começo a esfriar também. Dá um gosto ruim na boca, uma vontade de chorar... (apavorado)

MORTE: É assim que é a morte.

JOVEM: Mas porque eu vou morrer? O quê foi que eu fiz?

 

Entra a Vida Eterna.

 

VIDA ETERNA: Você não vai morrer. Você já está morto.

Jovem se assusta com a Vida Eterna. Procura sempre manter distancia dos dois.

 

JOVEM: Quem é você? É algum espírito? É o diabo?

VIDA ETERNA: Sim, eu sou um Espírito. Mas, diabo? Não, não.

 

Vida Eterna se aproxima do jovem e o toca. O jovem fecha os olhos sentindo um alívio. Vida Eterna se afasta.

 

VIDA ETERNA: É frio?

JOVEM: Não. É quente, é bom, parece colo de mãe. Me senti protegido, amado, feliz, vivo....

VIDA ETERNA: Eu sou a Vida Eterna e acredite quando digo que você já está morto.

JOVEM: Mas... como?

MORTE: Aonde você estava antes de... ãh, como direi... morrer?

JOVEM: Eu... eu estava saindo com meus amigos. A gente estava fazendo a maior bagunça no ônibus, (expressa alegria) Só que no transito houve uma confusão (expressão vai se desfazendo) e comecei a ouvir tiros. Todos mundo se desesperou. Eu tentei sair do ônibus quando... (passa a mão nas costas) senti uma pancada nas costas e... não me lembro.

MORTE: Você morreu. Aquilo que você sentiu foi uma bala perdida. Perdida não, no seu caso, bala encontrada.

JOVEM: E agora, o quê vai acontecer comigo? Eu vou voltar, reencarnar? Vou pra algum purgatório?

MORTE: Reencarnar? Há-há-há! Purgatório? Há-há-há!

VIDA ETERNA: “Ao homem foi ordenado morrer uma só vez, vindo após isso, o juízo.”

JOVEM: Mas todo mundo sempre me falou destas coisas.

VIDA ETERNA: Todo mundo, não. Aquele seu amigo do colégio, o cristão, já te disse alguma vez que você reencarnaria ou iria a algum tipo de prugatório?

JOVEM: Não me lembro.

MORTE: Não lembra por que nunca deu atenção ao que ele dizia.

VIDA ETERNA: “E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo suas obras.”

JOVEM: Julgado?

VIDA ETERNA: Exatamente. E o veredicto pode ser a Morte (aponta) ou a Vida Eterna.

JOVEM: Eu quero a Vida Eterna. (corre para a Vida Eterna)

MORTE: (puxa o jovem jogando-o no chão) Não importa o que você quer agora. Não ouviu? “Segundo as suas obras”. Agora o que está feito, está feito.

 

Vida Eterna olha para o jovem e faz uma negativa afastando-se.

 

MORTE: Então você gostava de uma farra?

JOVEM: Não...

MORTE: Gostava de levar seus amigos pro mau, ou melhor, pro meu caminho.

JOVEM: Espera, eu...

MORTE: Além de tudo era um desobediente, um rebelde.

JOVEM: Não é bem assim...

MORTE: E depois de morto, ainda mente?

JOVEM: Você tem que me ajudar.(em desespero para Vida Eterna)

VIDA ETERNA: Eu tentei te ajudar até seu último instante, mas você não me deu atenção.

MORTE: E além do mais você gostava de colecionar namoradas.

JOVEM: Mas isso não tem nada a ver!

VIDA ETERNA: Nada a ver???!!!!

MORTE: Eu adoro essa frase! (entusiasmada)

JOVEM: Por favor, me dê mais uma chance.

VIDA ETERNA: Você já teve sua última chance.

 

A Morte o leva para o inferno. Após, retorna.

 

MORTE: Todos eles tem a mesma história: vivem suas vidas longe de tudo que é realmente bom; tem a oportunidade de mudança à suas portas o tempo todo, mas eles gostam da vida de podridão que levam. Acham que não fazem nada de mal, que só vai para o inferno quem mata, rouba e todas essas coisas grandiosamente terríveis. Fazem seus “pequenos” pecados as escondidas, longe dos olhos dos homens, ou não. Hoje é tudo tão moralmente justificável. Mas no final, é só mais carne pra boca do leão. (ri)

VIDA ETERNA: É a natureza humana.

MORTE: Então esqueça-os. Deixe que cuido deles.

VIDA ETERNA: Nunca! Eles são como foram feitos para ser, com o mesmo livre arbítrio que te fez escolher seu caminho.

MORTE: Não entendo porque tanto esforço se eles te rejeitam tanto.

VIDA ETERNA: Não entende e nunca vai entender. É preciso ter o amor, como só eu tenho e posso dar, para entender. E não são todos que te seguem; muitos me ouvem, me sentem, me veem. Amo a todos, mas nem todos me amam. Mas a oportunidade de viver a vida eterna, darei a todos.

MORTE: Mas parece que ninguém está muito afim de seguir seu caminho.

VIDA ETERNA: Ainda há tempo.

MORTE: Por falar em tempo, aí vem o próximo.

VIDA ETERNA: O próximo a receber a sua última chance. (saem)

 

Cenário 2. Entra uma mulher com aparência perturbada, cansada. Ela fica uns instantes em pé e logo senta-se.

 

MULHER 2 — Eu não aguento mais... Ás vezes eu penso que minha única solução é morrer.... Ah?? (vira-se rápido, alguém lhe falou) Você ainda está por aqui? Pensei que todo mundo já tinha ido embora. .... Não, eu estou bem, obrigada. Pode ir... Olha eu não estou querendo ser grossa mas eu nem te conheço direito e não estou afim de conversa.... Conversar com Jesus? Você está falando sério?... É, deu pra perceber que você é crente.... Olha eu não estou legal pra ficar ouvindo essas coisas de bíblia... (aborrecida) Tá legal. Você quer mesmo saber? Quer mesmo saber? Pois vou te contar. Eu não aguento mais a minha vida. Eu chego em casa, cansada do trabalho e nem um boa-noite eu recebo. Meus pais dormem brigando e acordam brigando. Meu noivo já é praticamente meu ex-noivo. Aqui no trabalho, tudo que eu faço dá errado e já estou vendo a hora de ser demitida. (começa a chorar)... Porquê? Porquê tudo dá errado pra mim? Porquê Deus me odeia?... Se eu acho que Deus me odeia? Ele só pode me odiar, senão nada disso estaria acontecendo comigo.... Me ama, tá bom (desdenhando)... Como assim você também passa por isso?... Sério?... Mas, mesmo com esses problemas todos, você vive sorrindo, trata todos muito bem... Sabe, eu te invejo. Não consigo me imaginar sendo feliz. Pra mim a morte seria um descanso..(pausa maior) Jesus?... Se Jesus te faz assim, feliz, porquê ele também não me faz feliz?... Me entregar? Como assim?... E ele não pode me fazer feliz assim, como eu sou? Eu preciso mesmo me entregar a Ele para ser feliz?... Não sei...Eu acho que estou nova demais para me prender em igreja.... é você tem razão, também estou nova demais para sofrer desse jeito.... Bom, pelo menos foi bom desabafar um pouco. Mas preciso ir. (levanta-se) Pode deixar que eu vou pensar no que me disse. Tchau. (sai)

 

Cenário 1. Entra a mulher, confusa. Entra a Vida Eterna e fica observando. A Morte entra por trás da mulher e lhe fala ao ouvido.

 

MORTE: Olá, menina!

 

Ela se assusta.

MORTE: Quê foi? Está com medo?

VIDA ETERNA: Você sabe o quê está acontecendo?

MULHER 2 — Não... (amedrontada)

MORTE: Você morreu.

MULHER 2 — Morri??

MORTE: Triste realidade.

MULHER 2 — E que vai acontecer comigo agora?

VIDA ETERNA: Você será julgada de acordo com a vida que teve e encaminhada ao seu destino eterno.

MULHER 2 — Vocês querem dizer que vou ser julgada pra ver se vou para o céu ou para o inferno.

MORTE: Você entende bem rápido as coisas.

VIDA ETERNA: É quase isso. Como já disse, seus atos testemunham por você. O veredicto já está dado, eu somente lhe direi qual é e o porque.

MULHER 2 — E eu imagino que você seja bom e ela ruim.

VIDA ETERNA: Certo! Eu sou a Vida Eterna.

MORTE: E eu sou a Morte. E quanto a ser ruim, depende pra quem você pergunta.

VIDA ETERNA: Não dê ouvidos a ela. Me diga, você se lembra de algo antes de estar aqui?

MULHER 2 — Eu me lembro de estar muito deprimida e um amigo evangélico, do meu trabalho...

MORTE: Amigo evangélico???

MULHER 2 — Sim e ele me falou de Jesus e tudo que ele podia fazer de bom por mim. Aquilo me confortou muito. (enquanto ela vai falando a Morte vai ficando nervosa, agitada e isso vai aumentando de acordo com a narrativa da mulher) Eu ia dirigindo pra casa quando um carro me cortou no cruzamento. Eu tentei desviar e...

VIDA ETERNA: Bateu numa árvore e morreu.

MULHER 2 — Não pode ser, não é justo... (chorando muito)

VIDA ETERNA: Quando você estava no carro, antes de bater, o que você fazia?

MULHER 2 — Eu fiquei pensando em tudo que aquele rapaz me disse e como a minha vida era vazia. Meus momentos de alegria eram ilusões. Eu decidi que se, para ser feliz eu precisava entregar minha vida pra Jesus, então eu entregaria. Eu decidi entregar minha vida pra Jesus e por alguns instantes eu me senti realmente feliz.... (volta a chorar) Isso não é justo... quando eu finalmente descubro como ser feliz, eu morro.

VIDA ETERNA: E pra onde você acha que vai?

MULHER 2 — Para o inferno.... Se aquele rapaz estava certo, vou pro inferno.

VIDA ETERNA: Ele estava certo no que dizia, mas não é pro inferno que você vai.

MULHER 2 — Como??

VIDA ETERNA: Deus ouviu a sua oração dentro daquele carro. Ele recebeu tuas lágrimas e te deu o perdão. E é nisso que está a justiça do senhor. “Bem está, bom e fiel servo, entra no gozo do teu Senhor.” (sorrindo)

 

Morte cai de joelhos, gritando e praguejando. Vida Eterna põe uma coroa sobre a cabeça da mulher, a envolve em um manto branco e a leva para o céu, caracterizado pela luz azul e música suave.

 

MORTE: Ela pecou a vida toda!! Ela tem que ser minha!!! Minha!!

VIDA ETERNA: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça.”

MORTE: Ela estava nas minhas mãos, a vitória era minha.

VIDA ETERNA: “Tragada foi a morte na vitória ...”

MORTE: Não!!

VIDA ETERNA: “...Onde está , ó morte, o teu aguilhão?...”

MORTE: Não!!

VIDA ETERNA: “...Onde está, ó inferno , a tua vitória?”

MORTE: Não!! (num grito mais forte se arrasta para o inferno)

Vida Eterna para o público.

VIDA ETERNA: “Quem tem ouvidos, ouça: o que vencer não receberá o dano da Segunda morte. Será vestido de vestes brancas e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante de seus anjos.” ... Hoje, uma alma se salvou da condenação eterna porque venceu o orgulho, a timidez, o medo. Eu venci a morte por amor ao mundo. Um mundo que ama mais as trevas, um mundo que vive achando que o amanhã é certo. Um mundo que não se prepara para sua última chance.... “Louco. Esta noite te pedirão tua alma. E o que tens preparado, pra quem será?”... (sai)

Fecham-se as cortinas.

FIM

O Ministério Teatral Criart

Não consegui achar o nome de quem me mandou esta peça, favor fazer contato. Grato. Davi

Estilos: 
Diversos: