A PORTA DO CÉU III

Versão para impressão
Jesus na Porta do Céu

Nesta peça a Porta do Céu ganha uma voz e conversa com os personagens que chegam diante dela para entrar. Mostra-se que não são todos que entrarão no céu. Ajuda a evangelizar e exortar...  Os personagens são:  Porta, Rico, Crente, Nobre, Sábio, Religiosa, Descuidada, Desviada

 

Há no site mais duas peças homônimas A Porta do Céu e também A Porta do Céu II

A PORTA:   Esta porta aqui é da cidade eterna, é por aqui que se vai ao gozo celestial.  A glória sempre eterna da nova Jerusalém, se ver deste portal.   É o reino feliz da bem-aventurança , onde não há pecado, nem existe o mal, o céu é sempre azul, o mar sempre bonança, as ruas são de ouro e jaspes reluzentes  é sempre a mesma fé os corações alcançam.   Ali não haverá aflitos descontentes, ali não entrará nem uma enfermidade, há na árvore da vida a saúde das gentes.   Quantas belezas novas está na cidade! que melodiosos sons os altos céus percorrem! que imenso gozo ali por toda eternidade.  

Oh! quão ditoso são os que a carreira correm e guardam sempre a fé no eterno salvador.   Oh! quão     felizes são os crentes quando morrem, pois vão dá vida ao fim do seu labor, ouvi de Jesus Cristo a voz tão doce e terna, vinde já benditos do Senhor, este caminho vai  para a cidade eterna.  

O RICO:    É bem verdade o que dizes Senhora? Existe para a alma o gozo eterno? Deixa:   me entrar, quero gozar  agora, que já dentro do meu peito trago o inferno.   Nunca tive um dia ao menos de sossego , de paz ou de  alegria.   Nunca os meus dias foram lá serenos ; sempre lutei, vivi em agonia ; enriqueci, acumulei riquezas, mas minha vida foi toda cheia de frustrações, cheia de susto, sem uma hora calma.   A sede do dinheiro me queimava a alma, andei vagando em busca de um tesouro, em ânsia tornou:   se a minha mente escrava.   Eu só queria o dinheiro  eu só amava o ouro.  
Mas rico sou...         se além desse portal há livramento para o cativeiro, posso comprá-lo com o meu metal.   Quero trocá-lo pelo meu dinheiro ; deixa:   me entrar  quero gozar agora, vende:   me a entrada para o gozo celestial.  

A PORTA:   A entrada por aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte.   Este  é o caminho que conduz  a vida Ali é  o reino do pecado e da morte.  

O RICO:   Eu tenho o direito de entrar no céu por  eu ser muito rico  em todo o decorrer do ano eu dava muitas esmolas e nos natais dava brinquedos para as crianças pobres, tenho muito dinheiro e posso comprar tudo o que  eu quiser, por favor diga:   me quanto custa a entrada para o céu eu comprarei agora...         uma fortuna aos vossos pés senhora! Abre:   me o céu, quero fugir do inferno! (joga o dinheiro aos pés da porta )

A PORTA:   Néscio que pretendes comprar o céu a custa de ouro em troca de riquezas, Deus não se vende, a entrada além do véu não se adquire a custa  de despesas.  
( o rico pega o dinheiro e afasta:   se )

( descuidada tenta entrar )

A PORTA:   A entrada por aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte este caminho é o que conduz a vida ali é o reino do pecado e da morte.  

DESCUIDADA:   Mais por que não? Que mal eu tenho feito para assim impedir a minha entrada? Nunca  na terra tive um só defeito apenas, lá vivi despreocupada.   Eu vivi como toda gente vive.   Fui a bailes, teatros e distrações, mas pecado grave nunca tive.   Não matei, não roubei, não me afoguei no oceano das paixões, não falei mal  e não prejudiquei a ninguém na vida.   Oh! deixa:   me passar este portal,. Quero gozar a glória prometida.     

PORTA:   A entrada por aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte, quem jamais cogitou da outra vida apenas sofrerá da eterna morte.    

DESCUIDADA:   Mais Deus que é eterno e compassivo, imensamente complacente não mandará um filho ainda que altivo para  o inferno eternamente.   
 Que pai condenará o filho amado? que pai expulsará o filho? ou que vendo o filho em desgraçado não procure livrá-lo do mal trilho?
   Espero entrar no céu e ser feliz ; de perto quero ouvir o som que vem de lá, pois as escrituras diz que Deus é pai imensamente bom.  

PORTA:   Deus é mais do que bom.   Deus é amor! Mais também é justiça e santidade.   Não pode entrar no céu um pecador manchado ainda pela iniquidade.   Sim, Deus amou  o mundo de uma tal maneira, que deu  seu   próprio filho em holocausto, deixando:   o numa cruz sozinho exausto para remir a  humanidade inteira.   O sangue de Jesus foi derramado para salvar o pecador que porém, quem o rejeita do seu pecado.    Que filho mal e louco invocará da sua mãe o amor para aviltar.   É torpe quem no amor de Deus confia e se desculpa assim para pecar.  

RELIGIOSA:   Na bem-aventurança eu quero entrar, e  quem vai me impedir ao gozo eterno, pois vivi nas igrejas a rezar tal era o horror que me causava o inferno.   Trazia em meu pescoço a santa imagem, o crucifixo da adoração. Frequentei  as igrejas com coragem quando falavam mal da religião.  Acompanhei as procissões nas ruas mil vezes comunguei com reverência e martirizei minhas carnes, pratiquei os atos religiosos conforme me ensinava o sacerdote, desfiz:   me dos prazeres bons da vida, dividi com os pobres os meus dotes.   Compareci a igreja a cada dia, jamais abandonei o meu rosário, cumpri na terra tudo o que devia.   Oh! deixa:   me entrar no eterno santuário.  

PORTA:   A entrada por  aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte.   Cristo é o caminho que conduz a vida.   Formalidades só produzem mortes.   Que alma carmesim será mais alva neve? pela fé, é crer no Senhor Jesus e serás salvo.   A salvação é gratuita a toda gente, pois isto tudo é sacrifício vã diante de Deus

SÁBIO:   Quero entrar por aqui!tenho o direito de passaporte vale  o meu saber.   Eu fui na vida um homem bom e perfeito, o que sou hão de valer.   Minha filosofia, dá:   me acesso.   O que professo é mais profundo que o próprio mar.  


PORTA:   A entrada por aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte, este é o caminho que conduz a vida ali é o reino do pecado e da morte.  

SÁBIO:   Sou doutor e conheço todas as ciências da terra, sei as distâncias calculadas, os pesos dos diversos mundos, conheço várias línguas.     Deus não ia deixar um homem sábio como eu sem entrar no céu pois  foi ele quem deu inteligência ao  sabedoria ao homem que é a sua semelhança...          ( tenta entrar )

PORTA:   Vós não podeis  entrar no gozo eterno apesar da presunção de tal saber, sois talvez um filósofo moderno, grande cientista não há que ver! Conheceis o mais profundo das misteriosas leis universais. Sabes os pesos dos diversos mundos, energia, distâncias calculadas.
    Mas não sabeis que o céu não se consegue à custa de uma tal sabedoria, que a língua que na terra a Cristo nega, terá sequiosa agonia. E não sabeis que as máximas doutrinas são negadas aos sábios doutores; Porém as almas simples e pequeninas, o eterno Deus  mostrou seus resplendores.

SÁBIO:   A ciência então será um vil label; não tem valor a filosofia?

PORTA:   Nada aproveitas para entrar no céu o seu versar em muitas teorias?

(entra o nobre e dirige-se à porta)

PORTA:   A entrada por aqui é proibida  aos que não trazem justo passaporte. Este é o caminho que conduz à vida, ali é o reino do pecado e da morte.

NOBRE:   O senhora não vê pelo meu porte que nasci de uma classe preferida?

PORTA:    A entrada por aqui é proibida aos que não trazem o justo passaporte.

NOBRE:   Mereço um cetro, um trono, uma coroa e tenho privilégios, com certeza. Trago nas  minhas veias  sangue azul e confio nos direitos da nobreza.

PORTA:   Meu pobre amigo. É grande engano teu pensar que a condição do nascimento favorece a entrada para o céu, e que vai livrar-te do eternal tormento. De um mesmo sangue é toda a humanidade, é toda igual perante o eterno Deus, toda ela coberta de maldade. Pela fé em Cristo é que os homens irão para o céu.

(entra a crente e fala, dirigindo-se à porta)

CRENTE:   Este é o caminho que conduz à vida, onde Jesus está além do véu? Já pode entrar uma alma arrependida, um pecador passar aos céus?

PORTA:   A entrada por aqui é proibida aos que não trazem justo passaporte.

CRENTE:   Tenho passagem para a vida eterna, deu-me Jesus em sua triste morte.

PORTA:   Mas que fizeste dos pecados teus? Dos teus negros e tristíssimos pecados?

CRENTE:   Eu tenho direito de entrar por esta porta, não por meus próprios méritos. Mas porque eu cri naquele que é o Senhor do céu. O sangue de Jesus tira o pecado. Eu posso entrar, pois Jesus me purificou com seu precioso sangue derramado na cruz. Não me perguntes mais alguma coisa, a minha vida se reduz, eu cri, eu creio, a minha fé repousa no doce nome do Senhor Jesus.

PORTA:   Oh! Quão ditoso são os que a carreira correm e guardam sempre a fé no eterno Salvador. Oh! Quão ditosos são os crentes quando morrem, pois vão da vida ao fim do seu labor, ouvir de Jesus Cristo a voz tão doce e eterna de gozo: “vinde já benditos do Senhor.” Este portal aqui conduz à glória sempre eterna.

( Entra a desviada correndo )

DESVIADA:   Pare não feche a porta!

PORTA:   Não há mais tempo.  

DESVIADA:   Quero entrar e gozar das  glórias eternas, pois vivi uma grande parte da minha vida na igreja, cumprindo o ide de Jesus.
Cantei no coral da igreja, ensinei na escola dominical, até frequentei os círculos de oração. Participei da comissão de visitas e muito fiz, portanto tenho direito à vida eterna.

PORTA:   Nada adiantou, pobre amiga, o que fizeste no passado, pois não te garante a entrada para o céu, pois a Bíblia ensina que a salvação é para aquele que permaneceu fiel.

DESVIADA:   Não creio que Deus esqueceu do meu trabalho e não levará em conta o tempo que estou afastada. Creio que ele me perdoará.

PORTA:   Nada podes fazer para adquirir o perdão, pois a porta da graça fechada está e com os demais serás lançada no reino do pecado e da morte.

DESVIADA:   Não, não me deixes morrer! Salve-me, Senhor, salva-me!

(Por favor! Deixem-nos entrar)

(Cantam: Agora é tarde demais. A porta já se fechou)

Estilos: 
Diversos: 
nº de personagens: