Pantomima de homenagem as mulheres

Versão para impressão

Pantomima realizada em um encontro de casais, com o intento de homenagear as esposas e namoradas.

Personagens:
Namorado feliz..
Muro
Roseira
Cachorro
Ladrão
Homem da platéia

 

Todos são homens, as únicas coisas que levamos para o palco foi uma armação de ferro que lembrava a frente de uma casinha de cachorro e o rapaz que representava a roseira estava com um tecido verde, todo desfiado sobre o corpo, ele também segurava quatro rosas, uma em uma das mãos e três na outra mão, fazendo-se uma roseira.

Os rostos estão pintados de branco com lábios e sobrancelhas pretas e utilizando chapéus tipo Charles Chaplin, o homem da platéia não está caracterizado, ele é uma surpresa da peça.

 

Música típica de pantomima, retirada da internet (Charles Chaplin), tenho ela gravada se alguém precisar me avise.

 

O primeiro a entrar no palco é a roseira, entra com caminhada típica de mímica, para no meio do palco e fica parado. (estátua)

O segundo a entrar é o muro, entra com alguma coisa na mão para poder se apoiar, pois ficará o tempo todo inclinado para frente, fazendo de suas costas a base superior do muro. (nós utilizamos uma coluna de plástico, tipo coluna do Egito antigo).

Em terceiro lugar entra o cachorro, com grandes orelhas de pano, entra, representa que vai fazer xixi  no muro e se dirige para sua casinha.

Em quarto lugar entra o ladrão, ele entra ansioso, sabe que é um dia especial e que sua namorada está esperando uma rosa dele. Detalhe, todas as rosas são naturais.

Ele fica andando de um lado para o outro, não sabe o que fazer, está nervoso.

Finalmente entra o Namorado feliz, com duas rosas nas mãos, feliz da vida pois tem as flores para sua amada.  Nesse momento o ladrão observa o namorado feliz com as rosas e se desloca, com astúcia, para roubá-las.

O N.F. (namorado feliz) nota que o cadarço de seu sapato está solto, se agacha para amarrá-lo, mas antes põe as suas rosas sobre o homem muro. Se arruma todo, dando tempo para o ladrão se aproximar sorrateiramente e roubar as rosas. Esse as pega e sai correndo para trás da platéia não deixando que o N.F. o veja.

   Quando o N.F. acaba de se ajeitar, vai pegar as rosas novamente, mas nota que elas não estão mais em cima do muro. Procura de um lado e do outro, sem pular para o outro lado do muro. Nesse momento ele olha para a roseira, nota que belas flores têm ali, olha para a platéia e demonstra sua felicidade em poder pegar uma para sua amada. Ele tenta de todas as formas pegar uma rosa, mas infelizmente não consegue pegar nenhuma, pois estão fora de alcance. Então ele tem uma idéia, vai pular por sobre o muro, ele se prepara todo, faz vários gestos como se estivesse se alongando e se preparando para pular. Então finalmente ele se joga para o outro lado. Nisso vem o cachorro feito louco, dá um grande susto no N.F. que se lança para fora do muro novamente. N.F. fica tremendo do outro lado do muro, olha para o cachorro, olha para a roseira, não sabe como resolver o problema.

 Uma nova idéia surge, ele vai e busca ajuda de outra pessoa. (essa pessoa deverá ser a esposa ou namorada do ator-cachorro) N.F. vai, traz ela até ao palco, e tenta convencê-la a entrar no terreno e pegar a rosa para ele. Quando finalmente ele a convence e ela entra mesmo com medo do cachorro. Esse (cachorro) se levanta, pega uma das rosas da roseira e lhe entrega, declarando seu amor por ela. Os dois saem de cena.

 O N.F. fica olhando os dois saírem, olha para o muro, olha para dentro do cercado, olha para a casinha do cachorro e vê que não tem mais cachorro, mesmo assim ele não tem coragem de entrar. Então tem outra idéia, vai chamar outra pessoa para ajudá-lo.  Nesse momento a pessoa escolhida é a esposa ou namorada do homem-muro.  N.F. vai à platéia, pega a moça pela mão e a traz ao palco. Ele a convence a entrar no cercado e pegar uma rosa na roseira. Só que quando ela tenta entrar, o homem-muro se movimenta de uma lado para o outro, não permitindo que ela entre, ela certamente vai se esforçar para entrar, então o muro a permite entrar, mas antes que ela pegue a rosa, o homem-muro se levanta, pega ela pelo braço, vai a roseira e colhe uma rosa para ela, os dois saem de cena.

N.J fica sozinho com a roseira, fica muito feliz e vai apanhar uma rosa para ele. Só que a roseira tem espinhos e ele acaba espetando o dedo, fazendo cara de dor ele tem nova idéia, vai chamar a esposa ou namorada do homem-roseira, ela vem com N.F. ao palco, este pede para que ela apanhe a rosa para ele tendo cuidado para não se espetar. No memento que ela estende a mão para apanhar a rosa, o homem roseira se ajoelha e lhe entrega uma rosa.

 Atenção, o homem roseira tinha quatro rosas nas mãos, entregou três, a sua, uma para o cachorro e uma para o muro. Quando ele se ajoelha para entregar a de sua amada, de propósito ele deixa uma no chão e sai de cena com sua amada.

   N.F. fica todo feliz, pois afinal de contas sobrou uma rosa para ele. Só que um homem da platéia (escolhido anteriormente) sai correndo do meio do pessoal, pega a rosa que está no chão segundos antes do N.F. também pega um chapeuzinho que foi deixado no chão antes de iniciar a apresentação, senta-se no degrau do palco com muita paciência, põe o chapéu na cabeça, olha para a flor e sai para entregar para sua esposa. (no nosso caso esse personagem foi nosso pastor, mas pode ser qualquer pessoa)  N.F, fica pasmo com o que aconteceu e vai se entristecendo, procura uma flor no palco mas não acha mais nada, fica tão triste que cai de joelhos em frente a todos e fica de cabeça baixa, muito triste.

Nesse momento retorna o ladrão, muito feliz, pula de um lado pro outro, está muito feliz porque tem duas flores para sua amada, então ele começa, lentamente a reparar o N.F. triste, ele começa a lembrar de que havia roubado as duas rosas do N.F. sente-se arrependido, faz algumas tentativas de ir pedir perdão para N.F, que não se move. Então ele dá uma batidinha nas costas de N.F, mas este não se move, o ladrão tenta novamente e novamente até que N.F. olha para ele, O ladrão acena perguntando o que houve, N F olha para as flores nas mãos do ladrão e em seguida olha para sua esposa na platéia, dando a entender que ele só queria dar uma flor para ela.

O ladrão lhe pede para se levantar, ele se levanta, o ladrão triste lhe devolve as duas rosas, N. F fica muito feliz, dá uma olhadinha de lado para sua esposa na platéia e se alegra muito. Ladrão vai saindo muito triste em direção à platéia, nesse momento N F nota a tristeza do ladrão e o chama, perguntando o que houve, o ladrão olha para as rosas e para sua amada também, NF nota sua aflição, lhe entrega uma das rosas e os dois ficam felizes e saem para entregar as rosas para suas esposas, no meio do pessoal.

 Todos os homens retornam ao palco para agradecer às pessoas.

 

 

 

 

Datas: 
Estilos: 
Diversos: