MENINO JESUS

Versão para impressão
Manjedoura

Trecho do evangelho de Lucas sobre o nascimento de Jesus descrito na íntegra.

Dividido para a representação teatral.


NARRADOR: Visto que muitos têm empreendido fazer uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram. Segundo no-los transmitiram os que desde o principio foram testemunhas oculares e ministros da palavra. Também a mim, depois de haver investigado tudo cuidadosamente desde o começo, pareceu-me bem, o excelentíssimo Teófilo, escrever-te uma narração em ordem para que conheças plenamente a verdade das coisas em que fostes instruídos.
Houve nos dias de Herodes, rei da Judeia, um sacerdote chamado Zacarias, da turma de Abias; e sua mulher era descendente de Arão, e chamava-se Isabel. Ambos eram justos diante de Deus, andando irrepreensível em todos os mandamentos e preceitos do senhor, mas não tinham filhos porque Isabel era
estéril, e ambos era avançados em idade.
Ora, estando ele a exercer as funções sacerdotais perante Deus na ordem da sua turma, segundo o costume do sacerdócio, coube lhe por sorte entrar no santuário do Senhor para oferecer o incenso. Apareceu-lhe o anjo do senhor em pé à direita do altar do incenso. E Zacarias, vendo-o ficou perturbado e o temor o assaltou. E o anjo lhe disse:
Cena 1:
ANJO: Não temas Zacarias, porque a tua oração foi ouvida e Isabel, tua mulher, dará à luz a um filho e lhe porás o nome de João; e terás alegrias e regozijo e muitos se alegrarão com o seu nascimento; porque ele será grande diante do senhor, não beberá vinho, nem bebida forte; e será cheio do espírito santo, já desde o ventre de sua mãe.
ZACARIAS: Como terei certeza disso? Pois eu sou velho e minha mulher também está avançada em idade.
ANJO: Eu sou Gabriel que assisto diante de Deus e fui enviado para te falar e te dar estas boas novas e eis que ficarás mudo e não poderás falar até o dia em que estas coisas venham a acontecer, porquanto não crestes nas minhas palavras que a seu tempo hão de cumprir-se.
NARRADOR: O povo estava esperando Zacarias, e se admiravam da sua demora no santuário. Quando saiu, porém, não lhes podia falar, e perceberam que tivera uma visão no santuário. E falava-lhes por acenos, mas permanecia mudo. E terminados os dias do seu ministério, voltou para casa, depois desses dias Isabel, sua mulher, concebeu e por cinco meses ocultou dizendo:
ISABEL: Assim me fez o Senhor nos dias em que atentou para mim, a fim de acabar com o meu opróbrio diante dos homens.
Cena 2
NARRADOR: No sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem, desposada com um varão cujo nome era José da casa de Davi e o nome da virgem era Maria, e entrando o anjo onde ela estava disse:
ANJO: Salve agraciada, o Senhor é contigo. Não temas Maria, pois achaste graças diante de Deus, e eis que conceberá a darás a luz a um filho o qual porás o nome de Jesus. E reinará eternamente sobre a casa de Jacó e o seu reino não terá fim.
MARIA: Como se fará isso, uma vez que não conheço varão?
ANJO: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do altíssimo te cobrirá com uma sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, filho de Deus.
MARIA: Eis aqui a serva do senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra.
 

Cena 3
NARRADOR: Naqueles dias levantou-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou em casa de Zacarias e saudou a Isabel. Ao ouvir Isabel a saudação de Maria saltou a criancinha no seu ventre, e Isabel ficou cheia do espírito Santo, e exclamou em alta voz.
ISABEL: Bendito és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre!
MARIA: a minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito exulta em deus meu Salvador, porque atentou na condição humilde de sua serva, desde agora, pois todas as gerações me chamarão bem aventurada.
(Isabel passa mal e dá a luz a João Batista.)
NARRADOR: Naqueles dias saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo mundo fosse recenseado. E todos iam alistar-se, cada um a sua própria cidade, subiu também José, da Galileia, da cidade de Nazaré, a Judeia, à cidade de Davi. A fim de alistar-se com Maria sua esposa que estava gravida.
(Cenário da hospedagem e nascimento de Jesus.)
NARRADOR: Ora, havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho. E um anjo do senhor apareceu-lhes, e a glória do senhor os cercou de resplendor pelo que se encheram de grande temor. E o o anjo lhes disse:
ANJO: Não temas porquanto vos trago novas de grande alegria que será para todo o povo, é que hoje voz nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo o Senhor. Achareis um menino envolta de faixas, deitado em uma manjedoura.
NARRADOR: Então de repente apareceu junto ao campo, grande multidão da malícia celestial louvando a Deus dizendo:
Anjos: Glória a Deus nas maiores alturas e paz na terra e boa vontade entre
os homens.
(Os anjos saem falando bem alto.)
PASTORES: Vamos já até Belém e vejamos isso que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.
NARRADOR: Foram, pois, a toda pressa, e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. E vendo-o, divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dito, e todos os que ouviram se admiraram do que os pastores lhes diziam, Maria porém, guardava todas estas coisas meditando- as em seu coração. E voltaram os pastores louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora dito.
(Entram todos os componentes e agradecem cantando.)
Datas: 
Temas: 
Diversos: