MARCAS DA CRUZ

Versão para impressão
O drama de uma família. A mãe serva fiel traída e abandonada pelo marido. Dois filhos adolescentes, ela segue nos caminhos do Senhor. Ele, porém, não quer nem ouvir falar em Jesus. Um dia numa briga que o filho se meteu, a irmã dele foi baleada em seu lugar. Sabendo que o tiro era pra  atingir ele e não sua irmã... Arrependimento, culpa, desespero e suplica ao Senhor brotam do seu coração...

O drama de uma família.
A mãe serva fiel traída e abandonada pelo marido.
Dois filhos adolescentes, ela segue nos caminhos do Senhor. Ele, porém, não quer nem ouvir falar em Jesus.
Um dia numa briga que o filho se meteu, a irmã dele foi baleada em seu lugar.
Sabendo que o tiro era pra  atingir ele e não sua irmã... Arrependimento, culpa, desespero e suplica ao Senhor brotam do seu coração...

Personagens:

Isabel: Uma mulher forte, decidida, guerreira. Uma mãe que passou por uma série de dificuldades em seu casamento, após ter sido abandonada pelo marido, que, após traí-la, saiu de casa deixando-a sozinha com dois filhos para cuidar. Porém, nem mesmo com todos esses problemas, ela deixou de servir ao Senhor, criando seus filhos nos caminhos de Deus. Anos mais tarde, seu filho mais velho se desvia, começando aí uma nova batalha em sua vida, lutando para trazê-lo de volta, o que mais tarde acaba acontecendo.

Carlos: Um jovem que é criado por sua mãe. Junto com sua irmã formam uma família feliz, até que se desvia dos caminhos do Senhor, acaba se envolvendo com más companhias, causando um enorme desconforto para a família. Tempos mais tarde, Carlos tem uma profunda experiência com Deus, após colocar a vida da própria irmã em risco. Decide, então, voltar para o Senhor.

Bruna: Uma jovem cristã, sonhadora, porém de personalidade marcante. Defensora de sua mãe nas agressões verbais causadas pelo irmão, tenta, a todo custo, ajudar a convencê-lo do erro que está cometendo. Até que, em determinado momento, decide tomar uma decisão que coloca sua própria vida em risco.

Solistas: Dão o toque musical na apresentação, com a função de levar o público à reflexão.

Obs. A trilha sonora deve ser escolhida pelo grupo, há apenas as indicações dos temas para ajudar a compor o clima.

Cenário: sala de uma casa
ATO 1

Isabel está na sala lendo a Bíblia e olhando as fotos dos filhos ainda criança e põe-se a refletir e lembrar-se do passado quando sua família era completa e feliz, mas que depois de alguns anos ruiu com o abandono de seu marido que, após traí-la sai de casa deixando-a sozinha com 2 filhos pra criar e ainda anos depois vê seu filho desviar-se e a partir daí começa uma série de problemas e conflitos. Seus pensamentos são interrompidos pela chegada do filho.

ISABEL: É como éramos felizes, vocês crianças, não conheciam os perigos da vida, as surpresas que a vida prepara pra nós.
De repente o que era pra ser uma família tão bonita, torna-se uma família feia, destruída.
José, meu amor, você me prometeu no dia do nosso casamento, que jamais me deixaria só, que nunca me trairia, como você pode fazer isso comigo?
Mas apesar de tudo, eu te perdoei e o que me deixa triste é saber que você não está feliz com a escolha que fez.
Carlos meu filho, o que aconteceu com você? Não é mais aquela criança doce e amável, se tornou outra pessoa, negou todos os princípios que durante anos cuidei de te ensinar

Música:______ Fala sobre amor___________________________________

FAIXA:___________

fala emocionada e o filho entra)

CARLOS: Mãe chegou correspondência pra mim?

ISABEL: Não meu filho, não entregaram nada. Ah! Meu filho, hoje realizaremos um culto lindo e a Paula vai cantar e eu sei o quanto você gosta de ouvi-la cantar, então eu pensei que...

CARLOS: Já vem a senhora querendo me puxar para a igreja né? Mas não perca seu precioso tempo, pois já disse que não vou.

ISABEL: Calma meu filho, não precisa se irritar é apenas um convite e nada mais.

CARLOS: Qual é mãe? Eu conheço esses convites e mais uma vez eu vou te dizer: não adianta, eu não vou para a sua igreja. Estou bem assim, tenho os meus amigos, está tudo ok.

ISABEL: Bem? Você tem chegado tarde quando todos dormem, caindo, mal conseguindo ficar de pé e você chama isso de estar bem meu filho? Quantas foram as vezes que você chegou em casa com os olhos roxos, isso então é estar bem? Meu filho, por favor, este caminho que você está trilhando só vai te levar para o buraco...

CARLOS: Chega! (grita) Eu estou cansado de ouvir a senhora me repreender, de me dizer como devo viver, eu já estou bem grandinho, não sou mais aquela criança! E quer saber, não estou afim de ficar aqui escutando a senhora me ensinar as regrinhas de como viver bem, tá!! Pra mim chega dessa conversa.

ISABEL: Meu filho... (chora)

CARLOS: Me deixa!

ATO 2

Entra a irmã assustada com toda aquela discussão.

BRUNA: Que gritaria é essa mãe? Lá do meu quarto eu estava ouvindo.

ISABEL: É seu irmão, minha filha.

BRUNA: Só podia ser o Carlos.

ISABEL: Não o julgue minha filha, pois eles está com os olhos vendados pelo pecado. Temos que dar um desconto. Mas confesso que não sei mais o que fazer, é só puxar o assunto que dá no que deu. Você viu né!

BRUNA: Calma mãe, não fique nervosa. Vamos continuar orando como sempre fizemos. Há maneiras e maneiras de conhecermos a verdade que é Jesus, infelizmente a dele será bem diferente da nossa.

ISABEL: O que mais me entristece é saber que ele já esteve no nosso meio. Somos uma família cristã, conhecemos a Palavra de Deus desde crianças e não consigo entender como ele se desviou, como esqueceu tão rápido tudo aquilo que aprendeu.

BRUNA: É simples mãe, o mundo falou mais alto. Quando se vive longe da presença de Deus, as coisas do mundo se tornam mais “agradáveis” aos olhos e o cair é fácil. Vem, vamos pra cozinha que eu farei um chazinho pra senhora.

ATO 3

Carlos sentado no sofá ouvindo MP4 e Bruna ouve o telefone tocar e vai atender.

FAIXA:__ Áudio de um Rock_________


BRUNA: Carlos, Carlos telefone pra você. Carlos (grita)

CARLOS: O que é hein?

BRUNA: Não está ouvindo eu te chamar?

CARLOS: O que você acha maninha?

BRUNA: Toma telefone pra você.

CARLOS: Quem é?

BRUNA: Como vou saber? Não disse o nome, mas deve ser um dos seus colegas bagunceiros.

CARLOS: Olha como fala hein garota, olha como fala. Pode ir embora, já deu o recado não já? Está dispensada.

BRUNA: Nossa! Acho melhor você ouvir o que nossa mãe diz, ela sabe o que é melhor pra nós, e francamente Carlos, tá na cara que com essa vida que você insiste em levar, não chegará a lugar nenhum exceto para o buraco.
Por favor, meu irmão você precisa de ajuda e nós queremos te ajudar, afinal de contas somos sua família e te amamos.
Vai, desliga esse telefone e vem comigo, nossa mãe está lá dentro orando por você, vamos nos unir a ela.

CARLOS: Pronto, eu mereço. Mais uma se metendo onde não foi chamada!
Oh, pirralha desencana tá, cuide de sua vida e me deixe cuidar da minha, aliás, bem que você podia me dar licença pois preciso atender o telefone, lembra... já deu o recado e os sermões não já?
Então vasa porque o assunto é particular.
BRUNA: Está bem Carlos, mas não precisa ser grosso. Espero que um dia você se arrependa de tudo isso e que haja tempo para isso.

CARLOS: Alô, e aí Mateus!!! Qual é o barato? Minha mãe está lá no quarto com minha irmã, a barra tá limpa pode falar.
O que? O Zé vai abrir um bar? Quando cara? Hoje? Lógico que eu vou e é a que horas? Beleza, tô lá! Não perco por nada desse mundo!

ISABEL: Carlos, com quem ta falando nessa alegria toda?

CARLOS: Com o Mateus.

ISABEL: Mateus? Não é aquele garoto que foi preso semana passada acusado de tentar roubar um carro?

CARLOS: É, mas ele é inocente tá! Foi um engano, é injusta aquela acusação.

ISABEL: E pra onde vocês irão?

CARLOS: Mas que perguntação é essa hein mãe? Não enche tá doido meu.

ISABEL: Eu estou preocupada meu filho, você tem saído praticamente todas as noites e não fala pra onde vai e chega cada vez pior.
E eu não posso falar nada que você se volta contra mim irado.
Eu sou sua mãe e você me deve satisfações.
Eu que te carreguei na minha barriga 9 messes, cuidei de você e da sua irmã sozinha pois seu pai preferiu me trair e ir embora.
A vida não foi fácil pra nós e agora ao me preocupar com o rumo que você está dando pra sua vida, sou tratada desse jeito?

CARLOS: Nossa que drama mãe, a senhora tem que entender que já sou um homem, que tenho condições suficientes de escolher meu próprio caminho, de tomar minhas próprias decisões.
Eu sei o que é bom ou não pra mim.

ISABEL: Tá, e você acha que esse envolvimento com esse cara é uma ótima decisão a ser tomada?
Que esse caminho pra sua vida é o melhor?
Meu filho desde que você e sua irmã eram pequenos, e apesar da falta de seu pai, eu os ensinei o melhor caminho a ser tomado.
Caminho esse que conduz a vida e não a morte.
Esse é o caminho que deve trilhar. Jesus, Jesus é o melhor caminho.

CARLOS: Já vem falar de religião de novo.
Tudo que conversamos gira em torno de religião, não dá pra conversar mais nada com a senhora, pois sempre cai nesse assunto.

ISABEL: É, e porque isso te incomoda tanto, você cresceu ouvindo histórias da Bíblia, ouvindo sobre Jesus, cantando sobre Jesus disse até que quando crescesse queria ser como Jesus, e você acha que Jesus faria o que você faz, falaria as coisas que você fala e frequentaria os lugares que frequenta?
Porque Carlos, é tão difícil pra você falar sobre isso?
Jesus morreu, deu sua própria vida por você, ressuscitou pra que pudesse viver ao lado dele para sempre e você sequer quer falar sobre isso.
Prefere negar do que aceitar esse fato?

CARLOS: Chega mãe com esse falatório.
Segue sua religião e eu sigo a minha cabeça.
Dá licença que eu vou tratar da minha vida, já perdi muito tempo aqui.

ISABEL: Não meu filho, não vou deixar que você vá encontrar esse rapaz.

CARLOS: Mãe sai da frente que eu quero passar.

ISABEL: Não, está dando passos largos para o inferno e não está percebendo, mas você tem uma mãe que te ama e não deixará isso acontecer.

CARLOS: Mãe sai da minha frente!! (grita)

ISABEL: Não, se quiser passar terá que ser por cima de mim. Pensa direito meu filho.

CARLOS: Se é assim que a senhora prefere (ela é empurrada e cai no sofá)

ISABEL: Meu filho não faz isso com você, com sua vida. Meu filho! (chora)

BRUNA: Mãe, o que está acontecendo?
Brigando com o Carlos de novo?
Eu já não falei que não deve ser assim mãe?
O que ele fez?

ISABEL: Ele está cego Bruna. Seu irmão está cego.
Está trocando os sonhos de Deus por uma hora de falsa alegria.
Aqueles amigos não o amam, querem aproveitar dele.
Eu o amo de verdade, Jesus o ama de verdade e ele precisa entender isso antes que seja tarde demais.

BRUNA: Onde ele está? Pra onde ele foi?

ISABEL: Saiu e foi se encontrar com aquele rapaz do telefonema.

BRUNA: Aonde mãe?

ISABEL: Naquele tal bar que vai ser inaugurado, foi o que eu ouvi de longe enquanto ele falava.
(Bruna pensa um pouco e resolve ir atrás do irmão, atordoada, pega sua bolsa)
Aonde você vai minha filha? O que está fazendo?

BRUNA: Vou atrás do Carlos e resolver essa situação de uma vez por todas.
Alguém precisa fazer alguma coisa antes que o pior aconteça.
Essa será a última chance pra ele mãe, e ele têm que tomar uma decisão e será agora. (Bruna sai correndo)

ISABEL: Bruna, filha, aonde você vai?
Não faça isso.
Ah, meu Deus, toma os meu filhos nas suas mãos, cuide deles, não deixe que nada de ruim aconteça.
Senhor tenha misericórdia! Eu já não sei mais o que fazer, estou tentando ser forte, mas essas últimas semanas tem sido tão difícil.
Por que esse menino não me ouve, parece que está cego, surdo, sei lá o quê.
Me ajude Senhor, me ajude a resgatar minha família, pois é tão doloroso pra mim ver meu filho nessa situação.
Tanto que eu lutei pra que eles tivessem uma vida digna, boa educação, princípios firmados na Palavra do Senhor, sinceramente eu não esperava por isso.
Me ajude Senhor!!

(Isabel canta como uma oração)

Música:___Que fala sobre oração ______________________________________

FAIXA:___________

Apagam-se as luzes e depois de alguns segundos, ouve-se um barulho de tiro e o grito de Carlos.

(FAIXA__________)

ATO 4


Horas depois, Carlos chega desesperado, chorando, machucado e chamando por sua mãe que aparece aflita.

ISABEL: O que foi meu filho, o que está acontece... Jesus!
O que é isso?
Onde você estava Carlos, quem te bateu meu filho?
Eu te falei que mais cedo ou mais tarde isso iria acabar acontecendo.

CARLOS: Mãe desculpa, mãe desculpa (chora desesperado)

ISABEL: Por que desculpa? O que foi que você fez meu filho?

CARLOS: A Bruna mãe...

ISABEL: Bruna?
O que aconteceu com ela?
Onde está a Bruna?
O que aconteceu com ela?
Fala.
Cadê ela?
Brunaaa, Brunaaa minha filhaaa.
Ela não está aqui.
Carlos cadê sua irmã, ela foi atrás de você e até agora não voltou.

CARLOS: Ela não está aqui mãe, ela não está aquiiii.

ISABEL: Então onde ela está, fala anda fala.

CARLOS: Ela está no hospital. Ela foi baleada.

ISABEL: O que?
Baleada. Meu Deus!!! (Isabel se senta no sofá)
Baleada?
Como assim?

CARLOS: Ela foi atrás de mim até a inauguração do bar e não sei como, de repente começou uma briga entre o Mateus e um outro cara que eu não conheço e quando eu fui defender o Mateus esse tal cara tirou da cintura um revólver e apontou pra mim, ele queria me matar mãe.

ISABEL: Meu Deus!
E o que a Bruna tem a ver com isso Carlos?

CARLOS: Ela chegou e ao ver aquilo acontecendo entrou na minha frente e recebeu o tiro por mim.
Ela quis me defender e acabou sendo baleada no meu lugar.
Aquela bala era pra mim e foi a Bruna que a recebeu.
Perdão mãe.

ISABEL: E como ela está? Ela...

CARLOS: Não sei, eu não tive coragem de acompanhar a ambulância, fui medroso e me neguei em ir atrás.
Fiquei com medo de ser acusado e preso.
Só deu tempo de ver ela me olhando, seus olhos estavam molhados e pareciam querer dizer algo.
A culpa é minha mãe, a culpa é toda minha, pois eu não devia ter ido naquele lugar, a senhora tentou me impedir, mas eu não a obedeci.

ISABEL: Cadê o telefone, vou ligar para o hospital, e você não saia daqui meu filho pelo amor de Deus. (Isabel corre para o quarto e Carlos fica na sala)

CARLOS: Deus, como isso pôde acontecer com ela.
Comigo tudo bem, mas com ela não.
Ela não merecia aquela bala, não tinha culpa de nada.
Mas ela preferiu me salvar e tomou aquele tiro por mim.
Deus, se o Senhor existe mesmo e se é tão poderoso do jeito que minha mãe fala, salve a minha irmã, salve minha irmã.
Minha mãe precisa dela, eu preciso dela, traz ela de volta.
Responde Deus, responde, o Senhor está me ouvindo?
Eu sei que não valho nada, mas me escuta, salve a minha irmã.
Deus perdão, perdão.
Eu me arrependo de tudo, do mal que eu tenho causado pra minha família.
Perdoa-me Senhor, eu preciso muito do teu perdão.
Eu sei que eu errei demais, mas estou disposto a mudar de vida, se o Senhor salvar minha irmã eu prometo que nunca mais serei o mesmo e vou tomar a decisão de viver toda a minha vida para o Senhor.
Está escutando Deus, salva minha irmã.

Música:_____Sobre arrependimento e Salvação________________________

FAIXA:___________

ISABEL: Carlos, Carlos, o que aconteceu?
O que faz aí no chão?
Liguei para o hospital e disseram que a sua irmã está fora de perigo, a bala atingiu superficialmente e já foi medicada e agora está de repouso, está tudo bem graças à Deus. Mas que cara é essa?

CARLOS: Mãe Ele me ouviu, Ele me ouviu.

ISABEL: Quem te ouviu, meu filho?
Você está bem Carlos?

CARLOS: Ele me ouviu, agora, agora mãe.

ISABEL: Quem meu filho, Carlos estou ficando preocupada com você.

CARLOS: Deus mãe, Deus.
Ele me ouviu e salvou minha irmã.
Eu nunca tinha experimentado isso na minha vida mãe, mas agora aconteceu.
Eu tenho certeza que foi Ele.
Deus respondeu ao meu pedido de socorro, Ele me atendeu e não me abandonou!

ISABEL: Glória a Deus!
Louvado seja Deus. O Senhor é tremendo, obrigada Senhor.

CARLOS: A partir de hoje mãe eu preciso mudar de vida, não aguento mais isso, estou arrependido e quero viver a vida que Deus tem pra mim.
Eu quero esse Deus que salvou minha irmã e pode me salvar também.

ISABEL: Carlos como eu esperei por esse momento meu filho.
Quanto tempo eu orei para que isso acontecesse e Deus foi fiel.
Foi preciso acontecer essa tragédia com sua irmã para que você escutasse a voz de Deus e compreendesse a vontade Dele pra sua vida.
Mas ainda dá tempo meu filho, aceite a Jesus agora, aceite o sacrifício Dele naquela cruz e arrependa- se dos seus pecados e viva uma nova vida que Deus tem pra você.
Quer meu filho?
Você quer?

CARLOS: Quero mãe, eu quero.

ISABEL: Obrigado Senhor pela salvação do meu filho.
Você está curado Carlos, Deus o todo poderoso te curou, o sacrifício que Jesus fez naquela cruz hoje fez sentido na sua vida meu filho, louvado seja Deus, louvado seja Deus!!!
Então meu filho ore comigo e vamos juntos dizer isso para Deus agora. Não vamos perder mais tempo.
(os dois oram por 1 minuto e saem.)

Música:______Fala sobre vitória___________________________________

FAIXA:___________

Ao término da canção acima,
Carlos entra já com novo visual, trazendo seu violão e enquanto espera por sua mãe e irmã , ensaia para o louvor da igreja. Sua mãe e irmã entram, o observa por alguns segundos e os três saem juntos para a igreja

MÚSICA: ___fala sobre nova história, nova trajetória________________________

FAIXA:____________

 

Sinopse e histórico da peça

Essa peça foi escrita, inspirada na mensagem trazida pelo Pr. Marcos Vinícius Salomé no dia 24/01/2010, baseado no texto de João 19.17 e18 , onde nos fez lembrar da morte de Cristo na cruz e refletir sobre essa mesma cruz que deve hoje, ser carregada com ousadia e fidelidade, por cada um de nós contando sempre com a ajuda do senhor. Trata-se da história de uma família Cristã cuja esposa foi abandonada pelo marido e sozinha cuidou de seus 2 filhos. Sempre temente à Deus , os ensinou desde criança os ensinamentos bíblicos, mas com o passar dos anos o filho se desvia do caminho, deixando sua mãe muito angustiada. Contando com as orações e ajuda da filha mais nova, tenta convencer o filho a mudar de vida, todavia os resultados são negativos, até que um dia algo acontece na vida desse jovem que, bastante impressionado, decide voltar para Jesus alegrando o coração de sua mãe e família. Uma história comum, protagonizada por centenas de cristãos e até mesmo por não cristãos, mas como aquela mãe, não desiste nunca do seu filho, intercedendo sempre e esperando o dia em que este voltará para os braços do Pai. Uma história comovente, que na luta de uma mãe pelo resgate do filho que está preso em caminhos errôneos e que precisa urgentemente ser resgatado, nos faz lembrar do tão grande amor de Deus por nós ao enviar seu próprio filho para salvar-nos dos caminhos errôneos que vivíamos, sabendo que precisávamos ser urgentemente resgatados. Uma irmã que ao ver a vida de seu irmão em risco, decide assumir para si a responsabilidade de livrá-lo desse fim, ainda que sabendo do alto preço que pagaria por essa decisão, ou seja, sua própria vida. Remete- nos à Jesus que de igual maneira também decide assumir pra si essa responsabilidade, pagando um preço alto para nos livrar da morte eterna. Enfim, uma história recheada de, angústias e sofrimentos, mas que no fim celebra a vitória a qual tem a interferência sobrenatural de Deus, transformando assim a história trágica de uma família em uma história de profundas transformações e conquistas. Que essa peça te inspire e te faça lembrar do que Deus fez por você e o que Cristo decidiu assumir em seu lugar. Que essa peça marque sua vida, no sentido de rever seus conceitos e posturas em relação ao seu relacionamento com o Senhor. Talvez você não seja como esse jovem que se desviou ou como essa mãe marcada pela vida, mas vale a pena parar e refletir quais são os seus desvios (se é que tem algum) na caminhada com Cristo. Tenho, na prática, valorizado esse enorme sacrifício de Jesus? Como tenho encarado essa ação redentora de Jesus? Faça uma auto-análise, confronte-se e se encontrar algo diferente daquilo que o Senhor espera de você, peça-o que o ajude a ajustar-se dentro de sua vontade para que usufrua de uma vida plena.

Que Deus te abençoe poderosamente, amém!!!

Jeferson Curi é membro da Igreja Batista do Guaritá,
Bairro Vinhosa, Itaperuna - RJ
 

 

Texto encontrado na WEB: Igreja Cristã Evangélica Casa de Oração

Autores: 
Estilos: 
Idades: 
Diversos: