HIPERTENSÃO / FAMÍLIA

Versão para impressão

Um casal estressado, e um filho adolescente. O casal trabalha fora, chegam em casa cansados, irritados, a mulher tem que arrumar a casa, ele vai pra televisão... Ele não a ajuda em nada...

 

Cenário: Uma sala e uma cozinha; a cozinha só um balcão com muitas louças e uma mesa redonda, na frente da mesa um sofá com uma televisão e uma mesa de centro (sala) arrumar no Púlpito da igreja.
Obs:
1)Luizinho tem 15 anos
2) O casal entra em cena pelo corredor da igreja
3) Uma cortina impede a visão do cenário(antes da chegada do casal)

 

O casal chega do serviço, juntos, mas discutindo.
ROBERTA: Precisava demorar tanto naquela farmácia, você não sabe que estou muito cansada e queria chegar logo em casa.
FRANCISCO: Tinha muita gente pra ser atendida, amor.
Abrem as cortinas juntos e Roberta xinga o marido.
ROBERTA: Não puxe desse jeito não vê que arrebenta os ganchinhos.
FRANCISCO: Não estou puxando forte.
(O casal entra em casa e está uma bagunça, calçados pelo chão e papeis por todo lado e muita louça na pia pra lavar.
O marido vai direto ligar a televisão e se senta no sofá.
A mulher chega ajuntando os calçados e os papeis do chão e vai direto lavar a louça reclamando e batendo as panelas.)
ROBERTA: Eu pareço uma escrava mesmo, olha a bagunça desta casa, você podia me ajudar um pouco?
Narrador: Lê efésios 4:31. Toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia, e toda a malícia seja tirada de entre vós.
FRANCISCO: Agora vou ver o jornal, porque não mandou o Luizinho fazer alguma coisa.
ROBERTA : Ele só uma criança, não consegue fazer as coisas.
FRANCISCO: Aonde está o Luizinho até agora, ficou o dia todo fora de casa.
ROBERTA: Ele me pediu pra ir na Lan House, e eu deixei.
FRANCISCO: Mas eu não falei pra ele não ir mais lá?
ROBERTA: Mas ele insistiu tanto e eu fiquei com dó e deixei!
Narrador : Prov. 22;06 Instrui ao menino no caminho em que se deve andar; até quando envelhecer não se desviará dele.
Logo chega o Luizinho da rua.
LUIZIHINO: Oi pai, oi mãe.
FRANCISCO: Até agora na rua? Você não vai mais sair, moleque.
LUIZINHO: Há pai.
A esposa arruma a mesa pra janta e chama o marido.
ROBERTA: Vem jantar, amor
O marido pega o prato e senta em frente a televisão.
ROBERTA: Você não vai jantar com a gente
FRANCISCO: Quero comer em paz, sem falação na minha cabeça.
Narrador: Salmo 133. Oh! Quão bom e quão suave é que os irmão vivam em união.
Colossenses 3:19. Vós maridos, amai as vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas.
A mulher come com o filho sozinha na cozinha
Luizinho beija a mãe e vai pra cama
LUIZINHO: Boa Noite mãe, boa noite pai
O marido come e deixa o prato na mesa de centro.
ROBERTA: Você podia, pelo menos, levar o prato na pia.
FRANCISCO: O jornal não acabou ainda, e quer saber, Você está muito chata, vou tomar banho e dormir.
O marido sai e logo entra de roupão e com os cabelos molhados, com um travesseiro e um cobertor de baixo do braço e deita no sofá.
ROBERTA: Você vai dormir aí de novo?
FRANCISCO: Vou sim você está insuportável hoje!
ROBERTA: Então fica aí seu chato, você nunca me entende mesmo!
A mulher vai para o quarto
Narrador:1º pedro 3:7. Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra a mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus coerdeiros da graça da vida; para que não seja impedidas as vossas orações.
Logo ela entra de volta com um roupão.
ROBERTA: Amor, me perdoe. Eu estou um pouco nervosa, nem eu mesma me suporto as vezes, vem pra cama?
FRANCISCO : Me perdoe você, eu não te ajudo em nada e não entendo quando você está nervosa. Vou arrumar uma empregada pra você, pra nós ficarmos mais juntos.
(Se abraçam e vão para o quarto. O quarto seria as portas do fundo da igreja, não precisa sair só ir até a porta e logo começa a cantar o louvor.)
Obs.: A mulher começa cantando a primeira estrofe de mão dada com o marido, enquanto as irmãs da igreja se posicionam e entram cantando da próxima estrofe pra frente.
Louvor:

 

Nunca É Tarde
Eyshila
Composição: Esyhila
Amor, meu grande amor
Não consigo mais ficar um dia
Sem te abraçar
E já não importa quem errou
Eu não vou me defender, nem te acusar
Pra que brigar?
Se a gente se uniu pra ser um
E o nosso interesse é o mesmo
Agradar a Deus
Eu não tenho que lutar contra você
O meu inimigo é outro,
Então eu decidi ceder
Nunca é tarde pra pedir perdão
Nunca é tarde pra reconhecer
Que o erro foi meu
Nunca é tarde pra dormir em paz
E abrir mão da razão
Porque assim, só assim
Deus vai ouvir a nossa oração
Se a gente se uniu pra ser um
E o nosso interesse é o mesmo
Agradar a Deus
Eu não Tenho que lutar contra você
O meu inimigo é outro,
Então eu decidi ceder
Nunca é tarde pra pedir perdão
Nunca é tarde pra reconhecer
Que o erro foi meu
Nunca é tarde pra dormir em paz
E abrir mão da razão
Porque assim, só assim
Deus vai ouvir a nossa oração
 
Diversos: