EU MORRI!!

Versão para impressão

EU MORRI!!! “Este teatro é um monologo da nossa vida espiritual, cada vez que deixamos de acreditar em Deus e nos seus dons vamos perdendo a intimidade, aqui representada pelas velas.”
O personagem começa grato a Deus pelo trabalho, e pelo sucesso alcançado. Aos poucos vai deixando a gratidão, a confiança e a esperança de lado, abandonando o Senhor.
Cenário: Fundo preto, 7 velas acesas sobre uma mesa ao fundo do cenário, uma mesa de escritório com cadeira e de preferência um computador na mesa.

Inicio da peça: as velas deverão estar acesas ao fundo do cenário, todas as luzes apagadas somente a luz das velas, quando o personagem entrar em cena acender as luzes.
Primeiro ato:
Entra em cena um homem bem vestido e feliz.
HOMEM: Nossa tenho que correr para o trabalho, já estou atrasado!
(Ele para e pensa fala em voz alta)
HOMEM: Quem diria eu atrasado para meu trabalho, a algum tempo atrás eu não tinha nada nem comida na mesa, e hoje graças a Deus só a Ele mesmo eu tenho meu próprio negócio!
(olha para cima)
HOMEM: É Deus, o Senhor me surpreende!
(olha no relógio)
HOMEM: Bem vou nessa tenho muito trabalho hoje.
(Anda até a mesa)
HOMEM: Nem sei por onde começar... minha mesa está uma bagunça hehehhe , bom né antes vou agradecer a Deus!
(Dobra os joelhos atrás da mesa e ora agradecendo a Deus pelo seu trabalho. Em seguida levanta senta-se e liga o computador, em sua mesa há um envelope vermelho que lhe chama atenção)
HOMEM: Nossa que envelope é esse? Será algum convite? Bem ao menos está escrito meu nome aqui, acho que é pra mim.
(abre o envelope)
HOMEM: Não, não pode ser, mas estava tudo certo eu tenho certeza! Vou resolver isso agora mesmo.
(começa a digitar no computador, em seguida recebe um email)
HOMEM: Chegou a resposta. Eu tenho certeza que estou certo, afinal sou uma benção não posso e sei que não errei.
(Bravo)
HOMEM: Eu não acredito, eu errei, mas como? Não posso ter me enganado assim. Deus por quê? A culpa é sua eu sempre oro pedindo sua direção, mas pelo jeito não me escuta olha só o que aconteceu! Estou sujeito a perder tudo!
(Levanta de sua cadeira e vai saindo, quando ele estiver chegando perto das velas apagam-se as luzes e ele apaga uma das velas.
Entra novamente em cena, no centro do palco há uma cadeira. Ele entra com presa e com cara amarrada.)
HOMEM: Cheguei, demorei mas to aqui, afinal o que estou fazendo aqui?
(Levanta as mãos em adoração e vai baixando aos poucos)
HOMEM: Tenho um baita problema pra resolver. Bom mas hoje não vou cumprimentar ninguém nessa igreja, e que venham perguntar se está tudo bem pra ver só.
(Abre a Bíblia da uma folhada)
HOMEM: Eu ir pra frente há, há, há. Eu não, se Deus quiser ele me escuta aqui mesmo! Ahh, até que em fim acabou, vou sair ligeiro não quero papo com ninguém hoje.
(Apagam-se as luzes ele paga mais uma vela e sai.)
(Entra em cena, cabeça baixa, olheira triste, e vai para sua mesa que não há mais papel algum.)
HOMEM: Nossa estou sem de trabalho hoje...
(olha para mesa)
HOMEM: Um dia eu tinha trabalhos a fazer, como era bom aquele tempo que eu chegava com vontade com desejo de trabalhar e tudo estava aqui e agora só tem pó!
Como era bom esse tempo, as pessoas vinham me procurar, e eu conseguia amenizar seus problemas alguns até resolvia e elas saiam felizes daqui.
Mas por que tem que ser assim? O que foi que fiz para merecer isso? Eu fazia tudo certo ia na igreja buscava Deus tudo!! E agora Ele virou as costas para mim, no momento em que mais preciso! Espero conseguir dar a volta por cima logo, minhas forças estão se acabando! Vou para casa não tenho nada para fazer aqui mesmo.
(Levanta, apagam-se as luzes ele apaga mais uma vela e sai.
Continuam as luzes apagadas, o personagem volta ao palco com uma capa toda suja de mendigo e se arrastando no chão pois está paralitico.)
HOMEM: Alguém ai tem uma esmolinha pra dar? Uma prato de comida?
(Acendo as luzes ele se arrasta ate o centro do palco, luz fraca somente no personagem.)
HOMEM: Por favor preciso comer, faz 3 dias que não como nada! Alguém tenha compaixão, uma esmolinha por favor, qualquer centavinho não quero muito não, só o suficiente para comer!
(Coloca as mãos na cabeça e chora.)
HOMEM: Fiquem quetos!! Vocês pensam que eu gosto de estar aqui pedindo esmolas? Vocês acham que é fácil minha vida? Olha só minhas pernas nem elas me obedecem mais! Eu, eu perdi tudo o que tinha, e vim parar aqui, eu sei não tem mais saída para minha vida a não ser, a não ser a morte! Só ela pode me tirar daqui desse sofrimento ! não tenho mais motivos para viver mesmo!
(Pega uma faca e vai cortar o pulso, ele para e olha bem para a faca e para seu pulso, neste momento alguém todo de preto apaga as outras velas que ainda estão acesas. Chorando ele grita)
HOMEM: Deus!!! Deus! Onde estás?? Parem! Parem!! Um dia eu tinha intimidade com Deus, um dia eu comia na sua mesa hoje estou aqui e nem migalhas consigo! Os problemas foram crescendo e eu não consegui mais me assentar a mesa Dele. Tudo aconteceu comigo, eu podia caminhar, correr.. mas agora não saio do chão! A minha vida acabou, não tem mais sentido, não existe mais luz para mim!
AONDE ESTÁ VOCÊ DEUS???
(Apagam-se as luzes, o homem continua chorando e chamando por Deus. Enquanto isso um anjo ascende as velas novamente, uma a uma. Após as velas serem acesas toca a música “Que amor é esse Clamor pelas nações”.
O anjo vai dançando e pega nas mãos do homem e o levanta, em seguida tira a capa de mendigo, outros anjos entram e colocam uma capa branca sobre ele.
Todos saem de cena, as luzes se apagam, ficando apenas as velas .
Fica a critério do ministério de teatro para o este final aproveitarem para ministrar uma palavra, a final o homem de nossa história tinha perdido sua intimidade com Deus, sua vida espiritual já estava paralitica Mateus 9: 1-8.
 
Autores: 
Estilos: 
Diversos: