A ELOQUÊNCIA DA JUSTIÇA

Versão para impressão

A ELOQUÊNCIA DA JUSTIÇA

A história bíblica das duas mães que disputavam a criança.

 

A sábia intervenção salomônica

 

História clássica na qual Salomão manda cortar a criança no meio, e dar uma parte pra cada uma das supostas mães.

NARRADOR: Num trono de marfim, de púrpura vestido, por doutores da lei e escribas assistido, na gloria de seu reino, o sábio Salomão julgava com poder, sua grande nação.
(Enquanto o narrador ocultamente fala, abre-se o palco e aparece o rei Salomão, sentado no seu trono e ricamente vestido. Cercado de doutores da lei e de militares, todos vestidos segundo o costume da
época.)
NARRADOR: As suas decisões no governo do povo, as leis fundamentais de um direito mais mais novo, a eloquência sem par dos provérbios ditados, os editos reais, tão bem apropriados, e os cantos de amor repletos de poesia e os conselhos de amigos, e a alta filosofia, da justiça com que dava as suas sentenças, e o esplendor do seu reino, e as riquezas imensas, enchiam de prestigio e fama universal. O reino de Israel,soberano sem igual. Sabedoras do que o rei julgava com justiça, um dia, duas mães que se achavam em liça, por causa de um menino, ao sábio foram levadas. A difícil questão que fazia supor, que ambas tinham direito a mesma pretensão, pois cada qual possuía idêntica razão...
(Enquanto o narrador fala esta ultima estrofe, duas mulheres vem entrando e uma delas trazendo nos braços um bebê, dirigem-se para a frente do trono do rei e enquanto caminham em direção ao trono, as duas devem estar gesticulando com se estivesses discutindo entre si.)
Narrado: uma delas falou:
1ª MULHER: Senhor, esta mulher mora comigo, Então numa noite qualquer, ele teve um filhinho, alguns dias depois, tive um filho também, dormíamos com os dois na mesma cama e a noite o seu filho morreu, por que ela sobre o mesmo exausta, adormeceu. Mas quando despertou e viu o sucedido, ao seu lado deitou o meu filho adormecido. E comigo deixou o seu filho morto: Em pranto, fiquei a lastimar... Examinando, entretanto, o cadáver, notei que era o seu filho, ao passo que o meu, Senhor, dormia em seus braços...
NARRADOR: Mas a outra protestou
2ª MULHER: Este aqui é o meu filho, o dela é o que morreu.
REI: Não seja isso o empecilho. Soldado!
Soldado - Pronto Senhor!
REI: Trazei-me em demora um facão bem afiado!
(o soldado sai e volta imediatamente trazendo um facão bem afiado)
REI: Divida o menino ao meio e de uma metade para cada uma das mães!...
NARRADOR: E com pervercidade uma falou:
2a.Mulher - Pois bem não será nem meu nem teu. Tomai, dividi-o Senhor!
(entrega o bebe ao soldado)
NARRADOR: E a corte estremecia (nesta hora os circunstantes do rei se estremece fazendo gestos de apavorados).
1ª MULHER: não o mateis Senhor. Serei mais infeliz. Vendo o morto que olhando-o, assim cheio de vida, nos braços de outra mãe, mesmo desta homicida. É perversa mulher, por isso, dai-lo a ela... Não o mateis...
NARRADOR: É extraordinária e bela, prostra-se ante o rei, num pranto convulsivo; Mas no íntimo, feliz, por ver seu vivo... (enquanto o narrado fala essas palavras a primeira mulher vai caindo de
joelhos, em pranto perante o rei.)
REI: (Erguendo-se do trono, calmo e sereno, o rei estende o braço ao gladiador e ordenou).
Não o mateis! Mas dai-o a esta mulher que chora e geme, pois com certeza essa é a verdadeira mãe, que sublimando a dor de sua alma ofereceu a sagração do amor!...
(O soldado entrega a primeira mulher a criança e a peça termina, com todos saindo.)
 

 Fonte site  IDPA

Estilos: 
Diversos: