Técnicas Teatrais

Aqui teremos o conteúdo para ajudar na preparação dos grupos e dos atores.

Neste começo apenas o resgate do material que estava na antiga verção do site. A idéia é ampliar, muito, os recursos que tínhamos lá.

COLABORE!!!!

A TRILHA SONORA

Percursionistas:

Uma ou mais pessoas que ficam encarregadas de fazer o barulho certo na hora certa.

Esta considero a melhor opção: Envolvimento de pessoas; Criatividade; Direitos autorais; Beleza do resultado final...

 

Tecladista:

Com uma boa combinação entre o operador e o sintetizador, o som fica bem legal.

Talvez a mais fácil(entre as legais), há bastante tecladista entre os Cristãos.

Som Mecânico:

Pegar material free neste site http://www.findsounds.com/ fazer a montagem... Para fazer a busca colocar o termo buscado em inglês.

Atualmente há uma página em português FINDSOUNNDS  que leva direto para uma lista de sons assim.
NATUREZA:  água, cachoeira, caverna, chuva, floresta, furacão,incêndio, raio, riacho, selva, tempestade, terremoto, trovão, vento
VEÌCULOS:  ambulância, automóvel, avião, balsa,caminhão, carro de polícia, colisão, espaçonave, helicóptero, submarino, tanque, trem, voo rasante...

Boa opção para gargalhadas, tiros, trovões... (efeitos sonoros, não a trilha como um todo)
Também são alternativas: Vinil adquirido em loja de discos usados; Gravação em K7(antigo né)...

Estes próximos menos recomendados, PIRATARIA, infelizmente muita gente usa e ainda diz que é pra servir ao SENHOR
Locação de um filme que tenha clima semelhante, copiar a trilha...
Programas como emule e torrent, onde é possível baixar de tudo
Usar conversor pra mp3 em um vídeo do youtube.

PS: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão. Finalizando este artigo, na dúvida se colocava ou não a forma ilegal de obter uma trilha sonora, me ocorreu Lucas 19 : 40.
Finalizo então com um pedido aos elencos e músicos. Calem a boca dos piratas e pedras, façam a vossa parte.

AFINAL QUAL É A DIFERENÇA DO TEATRO SECULAR PARA O TEATRO CRISTÃO

TEATRO é vida, é colocar vida por meio das falas e gestos de expressões emocionais. É saber passar vida para quem assiste.
Fazer Teatro Cristão, é saber passar que por meio desta linguagem, Deus pode sim, falar, libertar, curar e salvar vidas, sim alcançar Vidas. É ter Deus como o nosso Diretor e o Espírito Santo como a nossa Inspiração.
Teatro faz parte do Evangelismo, é saber que temos esta responsabilidade com Deus, com o Próximo e com Nós mesmos.
- com Deus porque seu Dom foi dado por Ele, e você tem a responsabilidade de cumprir
- com o Próximo porque é o próximo que deve ser o seu Alvo, é ele quem você deve alcançar
- com Nós mesmo porque devemos ter uma vida consagrada dia-a-dia para com Deus
Teatro Cristão é saber que a partir do momento que entramos em cena, Deus está agindo através de você, e que sua vida está sendo usada como um instrumento nas mãos de Deus, esta deve ser a nossa seriedade para com Deus, ter uma vida apresentada diante do Altar para que Deus possa nos usar sem restrição.
Seja qual for o Ministério que Deus tem para cada um, o alvo sempre deverá ser Alcançar o Próximo, e com o Teatro Cristão não seria diferente.
Teatro Cristão é para Alcançar Vidas com a Arte, e levá-las para conhecer o Amor de Deus, por isso somos CHAMADOS PARA FORA.
Que Deus te abençoe grandemente
Ficar a frente de qualquer trabalho não é fácil, no início há muitas dúvidas, dificuldades, e como ter certeza que o seu trabalho está ou irá crescer e como fazê-lo permanecer?
Esta é uma das perguntas mais frequentes no meio do Teatro Cristão. Fico feliz em saber que há tantos grupos de teatros nascendo, Deus tem levantado servos a cada dia para a sua Obra, mas poucos são os que levam isto até o fim e não desistem no meio do caminho.
Não será um trabalho fácil, mas será extremamente recompensador, não pelo homem, mas por Deus, é o Nome dEle que deverá ser exaltado.
Seu grupo deve estar firmado como uma rocha, orem para que a sua estrutura seja firme, não orem apenas individualmente, mas juntos, como irmãos em Cristo devemos ter comunhão, e comunhão se faz com união, amizade, amor, reúnem-se não apenas para ensaios, mas para orações, para uma palavra, é aqui que seu grupo se fortalecerá.
Você deve ser benção, pessoas abençoadas, para isto saiba escolher as pessoas, Deus fará com que as pessoas certas permaneçam. Você que está a frente do grupo, tem uma responsabilidade maior que os demais, é em você que eles se espelham, você é o reflexo, se a sua Vida espiritual não estiver bem, o seu grupo também não irá bem, lembre-se que não podemos dar algo que não temos, por isso sejam Bênçãos, para que vocês possam transmitir benção aos que assistem.
A imagem de Cristo deve estar estampada em nossos rostos, mas isto só é possível se tivermos uma Vida com Ele.
Muitas vezes será necessário falar firme com o grupo, são pessoas que estão na sua mão. Procure aprender mais sobre o teatro, sejam em estudos ou técnicas, conhecimento nunca é demais. O seu grupo terá a tendência de crescer, não seja você a pessoa que impedirá isto, estacionando-os no tempo.
Lutas, tribulações, problemas, dificuldades existirão, você não pode deixar que isto te abale, como um verdadeiro guerreiro e soldado levante sua espada, a vitória já é sua, você é um servo e instrumento nas mãos de Deus, é Ele quem deve estar a frente como Diretor e o Espírito Santo como o seu Inspirador.

Autores: 

APOSTILA PARA TEATRO DE BONECOS

INTRODUÇÃO

Teatro de Bonecos - Teatro Cristão A presente apostila que aqui se encontra, foi preparada para você que quer ingressar neste fantástico mundo do teatro de bonecos.
Acredito que aqueles que colocarem em prática as regras basilares da manipulação estará dando margem ao ato de criar, experimentar, avaliar e recriar suas ideias e concepções no trabalho com teatro de bonecos, ao invés de deixá-las somente no papel.
Além do boneco ser uma peça para entretenimento, eles tem um grande potencial de expressão no auxílio da educação da criança e na divulgação da Palavra de Deus. Agora só depende de você, boa leitura...

 

Esta apostila está na WEB, em PDF.

Aqui no site Teatro Cristão ela está dividida por assunto.

A criação da apostila é de Bruno Soares

As partes podem ser aproveitadas, também, para outras formas de teatro.

Durante esta semana serão publicadas as demais partes desta apostila.

Autores: 

A MANIPULAÇÃO passo a passo

A MANIPULAÇÃO - Teatro Cristão A MANIPULAÇÃO

 

Antes de começarmos a manipular o boneco em si, o ator bonequeiro precisa conhecer primeiramente o movimento das mãos, a articulação dos pulsos, braços e dedos. Enfim, trabalhar e estudar movimentos sem o uso do boneco.

PRIMEIRO PASSO - Movimentando com os dedos

Movimente cada dedo das mãos.
Movimente para frente, para trás e para os lados. Feito isso, faça com que aja interação entre os dedos. Pegue tinta guache ou de
tecido [ diversas cores] e pinte os dedos de cada cor em forma de carinha [ não é necessário ter detalhes, olhos, boca, etc.

SEGUNDO PASSO - Manipulando objetos

Pegue objetos que não sejam fáceis de quebrar e comece a contar uma história. Você pode desenvolver a história pegando lápis e canetas que são objetos fáceis de se manusear.
Trabalhe outros tipos de objetos, de diversas formas e tamanhos...

TERCEIRO PASSO - Manipulando figuras

Pegue figuras de revistas, jornais, revistas e recorte-os. Feito isso comece a trabalhar a manipulação e improvisar diálogos...

QUARTO PASSO - Manipulando fantoches de mão

Os fantoches de mão são os mais fáceis de manusear para o manipulador iniciante... * Como fazer um boneco de mão, usando uma meia...

QUINTO PASSO - Manipulando Bonecos

a - A cabeça do boneco deve ser mantida levemente inclinada para que a platéia possa ver os olhos do boneco.
b - No ato de falar, os movimentos dos dedos...

 

Autores: 

PRIMEIRO PASSO - Movimentando com os dedos

Primeiro Passo - Movimentando com os dedos

 

MANIPULAÇÃO DEDOS - Teatro Cristão Movimente cada dedo das mãos.
Movimente para frente, para trás e para os lados. Feito isso, faça com que aja interação entre os dedos. Pegue tinta guache ou de
tecido [ diversas cores] e pinte os dedos de cada cor em forma de carinha [ não é necessário ter detalhes, olhos, boca, etc.

Agora comece trabalhando com pequenos diálogos com os dedos, por exemplo, o indicador e o polegar;

INDICADOR: VERMELHO: Bom dia senhor amarelo. Está um belo dia hoje não?

POLEGAR : AMARELO: Bom dia senhor vermelho o dia está maravilhoso.

Trabalhe com diálogos simples e objetivos, para ter uma noção.
De características a cada personagem e um tipo de voz diferente para cada um.
Agora vamos fazer uma variação. Tomemos copinhos, destes descartáveis tipo de servir café.
Pegue caneta hidrocor desenhe vários rostinhos;

Coloque o copinho nos dedos e trabalhe manipulação;

Prenda os copinhos com fita dupla face nos dedos.

Faça o mesmo exercício básico, crie diálogos, situações, coloque música de fundo para desenvolver ritmo aos dedos.

 

Durante esta semana serão publicadas as demais partes desta apostila.

Autores: 

QUARTO PASSO - Manipulando fantoches de mão

FANTOCHE DE MEIA - Teatro CristãoOs fantoches de mão são os mais fáceis de manusear para o manipulador iniciante, pois todos os movimentos resultam da forma como o manipulador movimenta o boneco.

Antes de você usar o fantoche, trabalhe primeiramente os movimentos das mãos, dos pulsos e dos dedos.
Comece com uma simples pantomima.
Dominando os movimentos básicos, passe para os mais avançado.
Para você observar melhor a sua manipulação, coloque a sua frente um espelho quando você tiver segurança com os movimentos básicos passe a manipular o boneco em si.

* A maioria dos manipuladores gosta de fazer seus bonecos.

FANTOVHE DE MÃO - Teatro Cristão* Como fazer um boneco de mão, usando uma meia

1 meia
2 botões formam os olhos, ou olhos comprados em lojas de artesanato
2 pedaços pequenos de feltro formam as orelhas, ou eva, ou...
Um corte e um tecido podem formar a boca...

 

 

 

 

 

 

* Pesquisa extra na web

Autores: 

QUINTO PASSO - Manipulando Bonecos

QUINTO PASSO - Manipulando bonecos - Teatro Cristão Fantoches são bonecos daqueles tipos sem boca, em que as cabeças são feitas de bolas de isopor ou papel marche, em alguns lugares e no meio teatral eles são conhecidos como mamulengos.
Esse tipo de boneco é mais conhecido como fantoche, já bonecos definimos estes que são do estilo da televisão ( Cocoricó, TV Colosso, TVE, Muppets, Vila Sésamo, Boneca garrafinha, etc.), por
suas bocas serem móveis.
Usualmente o movimento possível para esse tipo de boneco é o abrir e o fechar da boca, vamos estudar alguns exemplos para tornar esse movimento mais eficaz.
a - A cabeça do boneco deve ser mantida levemente inclinada para que a platéia possa ver os olhos do boneco.
b - No ato de falar, os movimentos dos dedos e dos pulsos do manipulador devem coincidir com as, palavras do diálogo.
c - Sempre que começar um diálogo termine-o com boca fechada.
d - Ao fazer o boneco dialogar movimente o pulso para ambos os lados para dar movimento ao boneco enquanto este fala.
e - Comece com a própria voz a trabalhar cada consoante do alfabeto. É necessário domina-las primeiro depois partir para os diálogos.
EX:
ALFABETO = PRONÚNCIA
A = a
B = Be
C = Ce
D = De
E = e
F = Éfe
G = Ge
10
H = Agá
I = i
J = Jota
K = Cá
L = Éle
M = Eme
N = Ene
O = O
P = Pe
Q = Que
R = Erre
S = Esse
T = Te
U = u
V = Ve
W = Dabliu
X = Xis
y = Ipsulom
Z = Zê
f- Pratique com o boneco recitando frases simples e poemas infantis.
Por Exemplo:
"Eu vou pra a casa."
"Minha boneca é de pano."
"Meu jardim é florido."
Cante cantigas de roda somente com a sua voz.
Consiga efeitos diferentes variando a velocidade e o quanto você abrirá a boca do boneco.
O boneco pode fazer movimento de "sim" ou "não", pratique sempre os movimentos básicos diante de um espelho.
Utilize também CD's com músicas infantis para treinar dubla e aprimorar a manipulação e a voz.

 

Autores: 

SEGUNDO PASSO - Manipulando objetos

Segundo Passo - Manipulando objetos

Segundo Passo - Teatro CristãoPegue objetos que não sejam fáceis de quebrar e comece a contar uma história.

Você pode desenvolver a história pegando lápis e canetas que são objetos fáceis de se manusear.
Trabalhe outros tipos de objetos, de diversas formas e tamanhos.
Crie movimentos com os objetos. Jeito de andar, de correr, tipo de voz, jeito de falar.

(*) "Exemplos com objetos:
    pela forma e a cor, uma ameixa poderia ser um coração - Um pegador de massa uma ave de rapina;
    pelo movimento, um furador de papel poderia ser um sapo;
    pela função, um martelo poderia ser um personagem rude e violento;
    pela semântica, um pregador de roupas poderia ser um pregador religioso."

(*)  O objeto em si só passa a ser algo além de si mesmo, quando se lhe sobrepõe uma segunda ideia, diferente de si que crie, com ele uma relação. E isto pode se dar a partir da linguagem – o texto do ator –, de sons, de músicas ou do movimento que a ele se aplica.
No Teatro de Objetos, o jogo da manipulação descola-se da ideia de virtuosismo e pode tanto lembrar brincadeiras de criança ou fantasias alucinadas, quanto simples ilustrações de uma narrativa.

 

* Pesquisa extra na web

 

Durante esta semana serão publicadas as demais partes desta apostila.

Autores: 

TERCEIRO PASSO - Manipulando figuras

PASSO   - Manipulação de figurasPegue figuras de revistas, jornais, revistas e recorte-os. Feito isso comece a trabalhar a manipulação e improvisar diálogos, como foi demonstrado nos passos anteriores.
Essas figuras servem para trabalhar a criatividade e caracterização de um determinado personagem.
Por exemplo:
Pessoas da política, artistas, animais, crianças, jovens, velhos, etc.
Enfim você estará criando uma galeria de personagens.
Obs.:
Podem ser usados os personagens bíblicos de flanelografos;
Pode-se dar movimentos por manipulação direta(pegando a figura), por varetas (ex. Palito de churrasquinho), por fios(tipo marionetes)...
Deve-se dar voz, criar diálogos;
Dar vida às figuras, contar histórias por meio delas.

 

 

Durante esta semana serão publicadas as demais partes desta apostila.

Autores: 

DICÇÃO

DICÇÃO -Teatro Cristão O Bruno preparou este material para dicção do"porta-voz" do boneco.
Mas estes mesmos exercícios servem para o ator, professor, vendedor...

Veja também:

Para trabalhar textos com falas, ter domínio da dicção é fundamental para trabalhar a personagem .Quanto melhor desenvoltura você terá na sua interpretação. Comece com estes exercícios:
BA BE BI BO BU
LA LE LI LO LU
DA DE DI DO DU
PSA PSE PSI PSO PSU
PRA PRE PRI PRO PRU
VRA VRE VRI VRO VRU
BLA BLE BLI BLO BLU
SAPATOPRÁ SAPATOPRÉ...
CADEIRAPLÁ CADEIRAPLÉ..
JANELAFRÁ JANELAFRÉ...
Repita três vezes seguidas estas palavras:
a- TESSALONICENSSES
b- PARALELEPÍPEDO
c- OTORRINOLARINGOLOGISTA
d- MISSANTROPO
e- ARTAXERXES
C- TRAVA-LÍNGUA
Exercícios de trava-língua pode parecer brincadeira de criança, mas é um ótimo exercício para melhorar a dicção e a projeção vocal. Repita cada palavra articulando bem as mesmas, depois
repita-as falando rápido por três vezes. Segue algumas sugestões abaixo:
DIGA RÁPIDO, SEM TROPEÇAR NA LETRA E SEM ERRAR A PALAVRA :
MARIA MOLE É MOLENGA
SE NÃO É MOLENGA,
NÃO É MARIA MOLE.
É COISA MALEMOLENTE, NEM MALA, NEM MOLA
NEM MARIA, NEM MOLE.
O DESINQUIVICAVACADOR
DAS CARAVELARIAS
DESINQUIVICAVACARIA
AS CAVIDADES QUE DEVERIAM SER
DESINQUIVICAVADA
A SÁBIA NÃO SABIA
QUE O SÁBIO SABIA
QUE O SÁBIA SABIA.
O DOCE PERGUNTOU PRO DOCE
QUAL É O DOCE MAIS DOCE
QUE O DOCE DE BATATA DOCE.

Durante esta semana serão publicadas as demais partes desta apostila.

Autores: 
Diversos: 

MANIPULAÇÃO DE FANTOCHES

FANTOCHES - Teatro Cristão O boneco é um objeto inanimado até que o manipulador lhe dá vida. Essa vida é expressa pelo modo como o manipulador manipula o seu boneco. Essa é a maneira a se considerar em dar
vida a um boneco.

Para primeiro dominar a técnica de manipulação de bonecos, é necessário que o ator conheça os movimento de suas mãos antes de começar a trabalhar com o boneco em si. Conhecer o movimento de cada dedo, movimentar o pulso e criar ritmos em cada movimento. Feito isso o ator-manipulador estará adquirindo percepção e domínio do movimento das mãos, educando-as para adquirir o máximo de sincronismo e naturalidade quando estiver interpretando com o fantoche.

Podemos observar que as nossas mãos estão em constante movimento ( Juntamente com os braços e o corpo ), com elas também nos comunicamos através de gestos, ora demonstrando algo, ora expressando um sentimento. Antes de começarmos a trabalhar a parte da manipulação, vamos primeiro trabalhar o corpo e a voz, conhecer a postura correta de se manipular um boneco.

Para isso começaremos com exercícios básicos de aquecimento físico, alongamento e relaxamento para o corpo e braços.

1. Mantenha-se em pé, coluna reta com os braços paralelo ao corpo.
2. Respire e solte o ar por duas vezes.
3. Passe o braço direito por cima da cabeça e segure o rosto do lado esquerdo e puxe inclinando a cabeça para o direito. Faça o mesmo procedimento com o braço esquerdo passando-o por cima da cabeça e segure o rosto do lado direito e puxe inclinando a
cabeça para a esquerda.
4. Movimente a cabeça para cima e para baixo, para os lados.
5. Relaxe a cabeça e agora gire os ombros 8 vezes para frente e para trás.
6. Relaxe os ombros e agora gire os braços oito vezes para frente e para trás.
7. Estique os braços para frente alongando-os e solte relaxando, repita quatro vezes.
8. Coloque os braços ao lado do corpo e apertando-os ao sovaco, tente fazer o movimento como se tivesse batendo asas, mas somente do cotovelo até as mãos, faça com rapidez e depois solte e relaxe, repita por quatro vezes.
9. Inspire e expire. Agora respire ofegante e lentamente usando sempre o diafragma.
10. Faça um aquecimento de coluna.
Primeiro desça a cabeça; depois o peito ; barriga ; cintura; quadris; coxa; enrolando o corpo até o chão. Permaneça por um momento, conte até cinco vá desenrolando o corpo subindo por último a cabeça. Repita o movimento por três vezes.
11- Trabalhe os pés. Fazendo movimento para cima e para baixo. Agora faça movimento em círculo por cinco vezes, para dentro e para fora. Faça o mesmo exercício só que agora com os joelhos.
12- Respire e repita o exercício 9.
13- Estique os braços para frente com as mãos abertas como se fosse um sinal de pare.

Autores: 

UM BREVE HISTÓRICO DO TEATRO DE BONECOS

Teatro de dedos - Teatro CristãoO teatro de bonecos teve sua origem na mais remota antiguidade.
Acredita-se que os primitivos encantavam-se com suas sombras movendo-se nas paredes, nessa época as mães teriam desenvolvido o TEATRO DE DEDOS, projetando, com as mãos sombras diversas nas paredes para distrair os filhos.
Com o passar do tempo, os homens começaram a modelar bonecos de barro, sem movimentos a princípio. Mais tarde conseguiram articular a cabeça e os membros dos bonecos, para, a seguir fazer representações com eles.

Na Índia, China e Jawa, também eram realizados teatro de bonecos. Os Egípcios ensinavam espetáculos sagrados nos quais
a divindade falava e era representada por uma figura articulada.
Na Grécia antiga os bonecos articulados tinham, além da importância cultural, conotações religiosas. O Império romano assimilou da cultura grega o teatro de bonecos, que rapidamente
se espalhou pela Europa.

Na idade média, os bonecos eram utilizados nas doutrinações religiosas e apresentadas em feiras populares. Houve um período em que os integrantes desses grupos de teatro foram muito
perseguidos porque representavam personagens que faziam críticas as autoridades religiosas.

Na Itália, o boneco mais conhecido foi o MACEUS, que antecedeu o POLICHINELO. Na Turquia havia o KARAGÓZ, na Grécia, as ATALANAS, na Alemanha, o KASPER, na Rússia, o PRETUSKA, em Jawa, o WAYANG, na Espanha, o CRISTÓVAM, na Inglaterra, o PUNCH,
na França, o GUINHOL, no Brasil, o MAMULENGO.

Todos esses bonecos, de poucos recursos técnicos mas com grande possibilidades expressivas, possuem algo em comum: A irreverência, a espontaneidade, a não submissão ao estabelecido, a comicidade e por vezes, a crueldade. Na América os fantoches foram trazidos pelos colonizadores.

MARIONETES - Teatro Cristão Entretanto, os nativos já confeccionavam bonecos articulados, que imitavam movimentos de homens e animais. Depois da primeira guerra, as marionetes foram difundidas pelo mundo introduzidas nas escolas, principalmente na Checoslováquia e nos Estados
Unidos.
No Brasil, os bonecos começaram a ser utilizados em representações no século XVI. No tempo dos vice-reis eram muito apreciados. Foi no nordeste que o teatro de bonecos apareceu com destaque, principalmente em Pernambuco, onde até hoje é tradição. É o teatro MAMULENGO, rico em situações cômicas e satíricas.
A muito tempo grupos vem se esforçando para desenvolver o teatro de bonecos no Brasil, mas só a partir de meados do século passado os resultados começaram a aparecer. Nos últimos anos, o teatro de bonecos tomou grande impulso em nosso País, com o aperfeiçoamento da atuação dos grupos. Esses grupos além de apresentarem seus trabalhos, desenvolve oficinas do gênero e festivais de teatro de animação, tendo como apoio e reconhecimento como forma de cultura e arte por parte da secretarias de cultura e cooperativas de teatro.

Autores: 
Diversos: 

BANDO DE DESANIMADOS

 Eclesiastes 9:10 Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças...

UNIDADE DO GRUPO - ENGRENAGEM I

LIMPEZA DO GRUPO

UNIDADE DO GRUPO

Grupo desanimado?
Vamos começar com um bom diagnóstico:
O comprometimento dos integrantes do grupo com o SENHOR da obra, está sólido?
O deficit de comprometimento é percebido em relação a responsabilidades com horário?
Com atividades propostas durante os ensaios?
Em relação as atividades "extra-encontro"?
Durante o tempo de trabalho do grupo há muita dispersão?
Panelinhas se formam?
Em outras atividades, estas mesmas pessoas demonstram interesse?
Alguém já abandonou o grupo?
 

Grupo de teatro é espaço para pessoas engajadas(Locais para passeios são parques, praças, cinema...), o local do ensaio é um ambiente de trabalho.

 

Se quiser relatar alguma dificuldade, necessidade após aplicar estas atividades E-MAIL-me

 

UNIDADE DO GRUPO - ENGRENAGEM I

(Exercício teatral)A engrenagem é uma combinação de pessoas, que se ligam entre si, gerando um movimento sincronizado.

Repete a primeira parte.
Oração(esta nem precisava estar escrita aqui).
1)Formar um círculo, mãos dadas, fechar os olhos, respirar fundo 3 a 5 vezes.
Soltar as mãos(ainda de olhos fechados), virar para fora do círculo e espreguiçar(espreguiçar com vontade emitindo ruídos).
(Olhos fechados ainda) Mais 3 a 5 respirações profundas.
2) Abrir os olhos e iniciar caminhada lenta e aleatória pelo espaço.
(aos poucos serão introduzidas instruções para serem acrescidas à caminhada)
Na palma congela, na segunda palma retoma a caminhada.
O grupo deve observar a ocupação do espaço( no momento que congelar convidar o grupo pra prestar atenção para como estava a distribuição do pessoal naquele momento).

ENGRENAGEM I
O círculo formado, uma pessoa vai para o centro, e dá início a um movimento(que deve ser simples e repetitivo).

Todos observam, o segundo vai para o centro, cria outro movimento que encaixe/combine com o primeiro(Seguem os dois repetindo seus movimentos, sem alterá-los).

Todos observam, mais um vai para o centro, cria outro movimento que encaixe/combine e assim vai até que TODOS façam parte de uma única engrenagem.

Obs. 1: Caso de grupos muito grandes pode-se dividir em dois;
Obs. 2: Cada participante, além do movimento pode emitir um som;
Obs. 3: Pode-se estimular que o encaixe das peças na engrenagem ocorra abrangendo 3 alturas(próximo ao solo, nível médio e bem no alto).
Obs. 4: Esta atividade além de estímulo a criatividade, exige colaboração de todos, contribuindo para a unidade.

Após a montagem de algumas engrenagens forma-se o círculo novamente, todos sentam-se no chão, TODOS respondem as duas perguntas: O que mais curtiu? Qual a maior dificuldade?

 

 

Se quiser relatar alguma dificuldade, necessidade após aplicar estas atividades E-MAIL-me

 

 

UNIDADE DO GRUPO - ENGRENAGEM II

(Exercício teatral)A engrenagem II [Engrenagem sonora]é uma combinação de pessoas, que se ligam entre si, gerando um som sincronizado.

UNIDADE DO GRUPO - ENGRENAGEM I
LIMPEZA DO GRUPO
UNIDADE DO GRUPO
Repete a primeira parte.
Oração(esta nem precisava estar escrita aqui).
1)Formar um círculo, mãos dadas, fechar os olhos, respirar fundo 3 a 5 vezes.
Soltar as mãos(ainda de olhos fechados), virar para fora do círculo e espreguiçar(espreguiçar com vontade emitindo ruídos).
(Olhos fechados ainda) Mais 3 a 5 respirações profundas.
2) Abrir os olhos e iniciar caminhada lenta e aleatória pelo espaço.
(aos poucos serão introduzidas instruções para serem acrescidas à caminhada)
Na palma congela, na segunda palma retoma a caminhada.
O grupo deve observar a ocupação do espaço( no momento que congelar convidar o grupo pra prestar atenção para como estava a distribuição do pessoal naquele momento).
3)“Lenço Risonho”: Um lenço, ou uma folha de papel é lançada para cima, enquanto ela permanece no ar todos gargalham, no instante que a folha toca no solo, congela(esta brincadeira se repete algumas vezes).
4)ENGRENAGEM SONORA: Círculo formado, em pé, um vai ao centro e começa a produzir um som cadenciado(ex.: tum... tum... tum... tum... tum... tum... tum... [este som deve ser repetido até o final da atividade no mesmo ritmo];
4a) Este se posiciona em frente a algum colega, fica repetindo o som em frente dele até que este comece a participar do som(ex.: tss... tsss tss..., ficando então, tum tss..tum tss..tum tss..)
4b) Quando o segundo participante se encacha no ritmo, quem começou vai para a frente de outro participante(cada participante, após iniciar, não para mais), quando o terceiro coloca o seu som na engrenagem, quem começou parte para o próximo.
* Assim vai até que todo o grupo esteja emitindo um som único.
* Quem começou “rege” para que todos aumentem o volume, e fiquem bem ligados para o instante que a sinalização para um final sincronizado.
* Outra pessoa inicia nova rodada da construção da engrenagem sonora.
* Esta atividade pode ser usada muitas vezes, ela ajuda na construção de uma unidade, tem um sentido de colaboração, contribui para desenvolver objetividade, criatividade... exige a participação de todos.
Obs.: Quem dá início deve colocar um som bem simples para que o grupo possa ir construindo o som aos poucos.
 

 

Se quiser relatar alguma dificuldade, necessidade após aplicar estas atividades E-MAIL-me

 

LIMPEZA DO GRUPO

João 15:1 e 2 Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor. Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta...

É necessário uma limpeza para permanecer trabalhando só com quem está afim.

O grupo de teatro DEVE ser composto de pessoas comprometidas com o Senhor da obra e/ou com o ministério teatral.
João 6:67 Perguntou então Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos?(Sei que o contexto não é o mesmo, mas a presença de desinteressados prejudica todo o grupo).

Grupo de teatro é espaço para pessoas engajadas(Locais para passeios são parques, praças, cinema, museus...).
Se algum pai manda o filho pro grupo, contra a vontade do filho, me disponho para falar com os pais, e eu mesmo sugerir outras atividades para o filho(mesmo que tenha que ser assistir TV) mas que pare de atrapalhar os interessados.
Após propor uma limpeza, estando só com os COMPROMETIDOS, fica mais fácil trabalhar.
Se o problema é o relacionamento com Senhor, o caso deve ser encaminhado aos líderes espirituais...

 

 

 

Se quiser relatar alguma dificuldade, necessidade... E-MAIL-me

 

UNIDADE DO GRUPO

Algumas atividades para dar início ao encontro.
[Para esta sequencia de atividades é necessário apenas um espaço, que deve ser marcado antecipadamente]

Oração(esta nem precisava estar escrita aqui).

 

1)Formar um círculo, mãos dadas, fechar os olhos, respirar fundo 3 a 5 vezes.
 

Soltar as mãos(ainda de olhos fechados), virar para fora do círculo e espreguiçar(espreguiçar com vontade emitindo ruídos).

(Olhos fechados ainda) Mais 3 a 5 respirações profundas.

 

2) Abrir os olhos e iniciar caminhada lenta e aleatória pelo espaço.

(aos poucos serão introduzidas instruções para serem acrescidas à caminhada)

 

Na palma congela, na segunda palma retoma a caminhada.
O grupo deve observar a ocupação do espaço( no momento que congelar convidar o grupo pra prestar atenção para como estava a distribuição do pessoal naquele momento).

 

3)Continua a caminhada, continua a atenção na ocupação do espaço e são acrecidas CARETAS.
Toda vez que passa por um colega faz uma careta(alegre, triste, irada, ridícula...)
(deixar um tempo com esta atividade, que normalmente vira uma bagunça...)

4)Fim das caretas, continuidade das caminhadas(atenção no espaço ocupado).

Caminhada lenta como se estivesse passeando na beira da praia.

Com paradas como se estivesse olhando vitrines(sem falar com os demais).

Apressado, indo pra escola, e está atrasado.

Passeando, curtindo uma leve brisa

Encontra um jardim enorme, repleto de flores, colhe uma flor e entrega para outra pessoa do grupo(tudo sem fala) da um abraço...

5)Forma-se o círculo novamente, todos sentam-se no chão, TODOS respondem as duas perguntas: O que mais curtiu? Qual a maior dificuldade?

 

 

Se quiser relatar alguma dificuldade, necessidade após aplicar estas atividades E-MAIL-me

 

BASES TEATRAIS

Bases Teatrais - Teatro Cristão Tradução de um material chileno de apoio a iniciação de um grupo de teatro.
São dicas muito úteis que merecem ser avaliadas e ampliadas.
Cada um dos itens deste material pode e deve ser expandido.
Diretrizes para começar a trabalhar com um grupo de teatro
Estas são ideias de como você pode iniciar o seu trabalho.

 

1. Fazer um anúncio público dentro de sua igreja anunciando que vai começar a trabalhar com um grupo de teatro.
a. Importante definir a idades dos membros (de acordo com o tipo de de trabalho)

 


2. Faça uma reunião inicial onde definirás coisas como:
a. Nome do grupo
b. Metas para atender
c. Objetivos a serem alcançados
d. Requisitos para permanecer (Manual comportamento interno)
e. Criar um grupo de trabalho interno com áreas definidas
f. Etc. ..

3. Eu recomendo que você inclua na sua liderança coisas como:
a. Dinâmica de integração em cada reunião (3* Estas podem ser divididas em: Técnicas e espirituais.)
b. Oportunidades para o grupo criar os scripts(peças teatrais)
c. Convivência de grupo
d. Etc. ..

4. Referente ao 3* , eu aconselho você a começar a estudar teatro secular e cristão, de modo que você pode ensinar o seu grupo algumas coisas nestas oficinas, bem como sintonizar o seu relacionamento com Deus para reuniões espirituais têm um Uma boa preparação antes de apresentações gerais.

 

5. Dicas diversas:
5a. Não dê retarde a entrega dos scripts, isso não é para apressar seus atores, mas pra evitar aprender textos na correria.
5b. Não faça poucos ensaios. Se há falta de tempo, não poderia fazer o mínimo (3) eu recomendo que você não faça.
5c. Preocupar com detalhes "externos", muito importantes como:
I. Cenografia
II. Maquiagem
III. Roupa
IV. Efeitos especiais
V. Técnicas


5d. Preocupar com detalhes "internos" como muito importante:
I. Caracterização
II. Externalização de sentimentos
III. Linguagem corporal e oral
IV. Etc. ..

6. Realize exercícios de relaxamento antes de cada apresentação
7. Mantenha o grupo em oração antes de entrar no palco
8. E, finalmente, (eu sempre faço isso) parabenize cada ator após as apresentações (deixe as correções para mais tarde).
9. Experimente temáticas inovadoras, não se limite no pai, típico bêbado, o filho que sai de casa, etc ... o teatro é muito rico em conteúdo ... pesquise os detalhes da vida.
10. Se jogue e não freie sua criatividade.
MAS NUNCA ** Nunca se esqueça de pedir a direção de Deus... Ele não perde nenhum detalhe.
Espero que esses pontos possam ajudá-lo em seu belo trabalho.

Mando muita força e coragem ... Saudações do Chile.

Andrés Ordens Alejandro Santibanez

Fonte WEB Para Lideres

MANUAL DO COMPORTAMENTO INTERNO

 

MANUAL DO COMPORTAMENTO INTERNO

MANUALA pedido. Selecionei alguns problemas e algumas regras pra ajudar o grupo a andar melhor, são sugestões que podem ser ampliadas. Quando houver problema novo, reúne o grupo e combina como resolver.

O autor de Bases Teatrais cita um manual, que teria as regras para o bom funcionamento do grupo.

Eu gosto de trabalhar com a participação de todos na elaboração deste manual, as ideias abaixo na sua maioria, foram parte da “Cooperativa Teatral Beraca”.

 

Partindo do princípio que o grupo de teatro trabalha pra fazer o Evangelho de Cristo conhecido através da arte de representação, fomos coletando sugestões.

 

OS ATRASOS

1) O que faremos com a pessoa que chegar atrasada? (Ela estará prejudicando todo o grupo...) (Segue uma sugestão que deve ser avaliada pelo grupo e incrementada)

 

1 a) Na primeira vez que alguém chegar atrasado deverá pedir desculpas a todo o grupo. O grupo todo sentado, o oficineiro diz: O Fulano chegou atrasado hoje, como nós somos um grupo ele prejudicou a todos, o respeito com o compromisso que todos os outros tiveram foi desprezado. Agora o Fulano vai nos contar o motivo, pedir desculpas. Deve também prometer empenho pra que não ocorra novamente. Após a promessa de empenho TODOS abraçam o atrasado, agora desculpado. Segue a oficina com atividade integrativa.

 

1 b) (Se o motivo for realmente justo, não envolveu negligência do ator, na reincidência pode ser a mesma “penalidade”)

 

1 c) O mesmo falta novamente, forma-se um círculo e o oficineiro fala: O Fulano atrasado de novo, como ele prejudicou a todos, desprezou o compromisso com todos. Agora o Fulano vai contar pra cada um o motivo, pedir desculpas individualmente(pega na mão, abraça... pede desculpas mesmo), e ao final vai dizer-nos se vai se empenhar ou não vai ter condições de acompanhar o grupo nesta temporada.

 

FALTAS (Creio que nas faltas pode ter procedimento semelhante aos atrasos, em ambos pode-se estudar um abrandamento quando o grupo for avisado antecipadamente)

 

CONVERSAS PARALELAS, é dever de todos coibir as conversas paralelas. Num grupo que havia muito este problema criei uma dinâmica que era:

1) Oração inicial da oficina;

2) Caminhada ocupando o espaço(palco, ou outro espaço delimitado onde seria feito o trabalho)

3) Fofocas (3 minutos), tempo que o grupo ficava no espaço falando entre si

4) Caminhada ocupando o espaço, durante a caminhada são lançadas propostas, saltitar, sorrir, fazer o movimento do drible ao cruzar por outro ator....

 

Pode-se também criar penalidades aos faladores(estas penalidades devem ser escolhidas pelo grupo nos primeiros encontro. Inclusive deixar de fora de uma das atividades programadas para o dia.

 

Opinião pessoal sobre requisitos pra permanecer: envolvimento, compromisso, participação...

Não creio que para o Teatro Cristão tenha que ter concurso de melhores atores(os que se acham melhores, muitas vezes, são os que dão mais problema). Veja que papel cada um pode fazer. Se formos montar a história do nascimento de Jesus, eu não ficaria bem na manjedoura, não ficaria bem como os anjos que cantam(sou desafinado). Ficaria melhor como José que era carpinteiro(como num acidente perdi a ponta de um dedo, e muitos carpinteiros sofrem acidentes...)

 

 

Sairão do grupo aqueles que não se comprometem, faltam muito, preferem ver TV, games...

 

Diversos: 

Cintia Scola

MANTENDO A VOZ SAUDÁVEL E PODEROSA!

 

Muita hidratação!!! água pouca é bobagem...em locais com ar condicionado, carregue sua garrafinha de água!!
Se estiver dodói, evite cantar.
 

Evite falar em ambientes muito ruidozos...isso te obrigaria a falar num volume de voz acima do habitual....e é realmente péssimo pra saúde vocal!

Articule muito bem as palavras!!!

Sempre aqueça a voz!!!

Faça bocejos depois de usar muito sua voz!!

Respeite seus limites vocais!!! Cante sempre nos tons favoráveis a você.

Não seja auto didata!!! Procure um profissional da voz para ajudá-lo a desenvolver seu potencial vocal corretamente!!

Se perceber que está ficando rouco sempre que faz muito uso da voz, procure um especialista (Otorrino e Fono) para avaliar suas pregas
vocais!!

Eu volto depois com mais dicas pra você manter sua saúde vocal!!!

 

Fonte, o site da Professora de Técnica vocal

Cíntia Scola

Autores: 

MELHORANDO A PERFORMANCE VOCAL

MELHORANDO A PERFORMANCE VOCAL -DICA 1
Se você controla o ar...controla sua voz.
Comece aprimorando sua respiração profunda, ou abdominal.
Deitado de costas numa superfície plana, coloque um livro sobre o abdomem e procure levantar o livro com a inspiração e abaixar o livro com a expiração.
Quando sentir que está dominando esse movimento, trabalhe então sua respiração abdominal em pé.
 
MELHORANDO A PERFORMANCE VOCAL -DICA 1
Agora que você já domina o exercício da "dica 1", vamos em frente!!
Com as mãos sobre suas costelas ( logo abaixo do tórax, nas laterais) inspire pelo nariz como se estivesse levando o ar para suas costas...
Você vai sentir suas costelas se abrindo...
Agora expire o ar com a boca aberta e vai sentir suas costelas se fechando.
Você acaba de praticar uma respiração inter costal!!! Parabéns!!!
Treine bastante...quanto mais suas costelas se abrirem melhor!!!
 
Dicas de Cintia Scola, do site Canto Cintia Scola Técnica Vocal

UMA INTRODUÇÃO AO APÔIO DIAFRAGMÁTICO

Darei aqui uma dica bem simples pra todo mundo poder treinar em casa.
Uma simples
frase:lá....dó#...MI....dó#...lá.
Faça uma inspiração dissociada (abdominal + intercostal).
Então inicie o vocalize com voz suave, sem forçar nada!!
Podem usar as vibrações línguais(rrrrrr) ou labiais (brbrbrrrrrrbbbrrrr) como letra.
Quando você emitir a nota MI..bem no meio da frase...aplique uma CONTRAÇÃO ABDOMINAL como se fosse encostar sua barriga nas costas (contração MÁXIMA).Pode manter o abdomem contraído até o final da frase.
Aumente meio tom...e comece tudo novamente.
Vá subindo de meio em meio tom, até o agudo que você alcança com conforto...e então, vá descendo novamente, até o grave que alcança com conforto também.
Não precisa iniciar o vocalize na nota LÁ..se esta for muito grave pra você...Inicie de onde for confortável, ok!!
Você estará apoiando a nota mais aguda da frase...para não emiti-la com o apôio errado da garganta e sim, com o apôio do diafragma.
Estou simplificando ao máximo, que é pra todo mundo entender e conseguir fazer isso com segurança em casa sozinho, ok!!
Um beijão pra todos!!E excelentes treinos!!!!!

Dicas de Cintia Scola, do site Canto Cintia Scola Técnica Vocal

Dinâmicas

Dinâmica: Medo de Desafios

Material: caixa, chocolate e aparelho de som (rádio ou CD).
Procedimento:
    Encha a caixa com jornal para que não se perceba o que tem dentro. Coloque no fundo o chocolate e um bilhete: COMA O CHOCOLATE! Pede-se a turma que faça um círculo. O coordenador segura a caixa e explica o seguinte pra turma: _Estão vendo esta caixa? Dentro dela existe uma ordem a ser cumprida, vamos brincar de batata quente com ela, e aquele que ficar com a caixa terá que cumprir a tarefa sem reclamar. Independente do que seja... ninguém vai poder ajudar, o desafio deve ser cumprido apenas por quem ficar com a caixa (é importante assustar a turma para que eles sintam medo da caixa, dizendo que pode ser uma tarefa extremamente difícil ou vergonhosa).
   Começa a brincadeira, com a música ligada, devem ir passando a caixa de um para o outro. Quando a música for interrompida (o coordenador deve estar de costas para o grupo para não ver com quem está a caixa) aquele que ficou com a caixa terá que cumprir a tarefa...é importante que o coordenador faça comentários do tipo: Você está preparado? Se não tiver coragem... Depois de muito suspense quando finalmente o jovem abre a caixa encontra a gostosa surpresa. (O jovem não pode repartir o presente com ninguém).
Objetivos:
   O objetivo desta brincadeira é mostrar como somos covardes diante de situações que possam representar perigo ou vergonha. Devemos aprender que em Deus podemos superar todos os desafios que são colocados a nossa frente, por mais que pareça tudo tão desesperador, o final pode ser uma feliz notícia.

 
Dinâmica: do 1, 2, 3
 

 
Objetivo: Quebra-gelo
Procedimento:
    1º momento: Formam-se duplas e então solicite para que os dois comecem a contar de um a três, ora um começa, ora o outro. Fica Fácil.
    2º momento: Solicite que ao invés de falar o número 1, batam palma, os outros números devem ser pronunciados normalmente.
    3º momento: Solicite que ao invés de falar o número 2, que batam com as duas mãos na barriga, o número 3 deve ser pronunciado normalmente. Começa a complicar.
    4º momento: Solicite que ao invés de falar o número 3, que deem uma "reboladinha".
A situação fica bem divertida
 
 
Dinâmica do Amor

Objetivo: Moral: Devemos desejar aos outros o que queremos para nós mesmos.
Procedimento:
    Para início de ano Ler o texto ou contar a história do "Coração partido" - Certo homem estava para ganhar o concurso do coração mais bonito. Seu coração era lindo, sem nenhuma ruga, sem nenhum estrago. Até que apareceu um velho e disse que seu coração era o mais bonito pois nele havia. Houve vários comentários do tipo: "Como seu coração é o mais bonito, com tantas marcas?" O bom velhinho, então explicou que por isso mesmo seu coração era lindo. Aquelas marcas representavam sua vivência, as pessoas que ele amou e que o amaram. Finalmente todos concordaram, o coração do moço, apesar de lisinho, não tinha a experiência do velho." Após contar o texto distribuir um recorte de coração (chamex dobrado ao meio e cortado em forma de coração), revistas, cola e tesoura. Os participantes deverão procurar figuras que poderiam estar dentro do coração de cada um. Fazer a colagem e apresentar ao grupo. Depois cada um vai receber um coração menor e será instruído que dentro dele deverá escrever o que quer para o seu coração. Ou o que quer que seu coração esteja cheio.. O meu coração está cheio de... No final o instrutor deverá conduzir o grupo a trocar os corações, entregar o seu coração a outro. Fazer a troca de cartões com uma música apropriada, tipo: Coração de Estudante.

 

Dinâmica: “Convivendo com Máscaras”

 

 
Objetivo: Proporcionar o exercício da auto e heteropercepção.
Material: Cartolina colorida, tintas, colas, tesouras, papéis diversos e coloridos, palitos de churrasco, CD com a música quem é você (Chico Buarque)
Procedimento:
1. Com a música de fundo cada participante é convidado a construir uma máscara com os materiais disponíveis na sala, que fale dele no momento atual.
2. A partir da sua máscara confeccionada, afixá-la no palito de churrasco para que cada um se apresente falando de si através da mascara.
3. Organizar em subgrupos para que cada participante escolha: A máscara com que mais se identifica; A máscara com que não se identifica; A máscara que gostaria de usar.
4. Após concluir a atividade em subgrupo, todos deverão colocar suas máscaras e fazer um mini teatro improvisado.
5. Formar um círculo para que cada participante escolha um dos integrantes do grupo para lhe dizer o que vê atrás de sua máscara...
6. Abrir para discussões no grupo

 

Autores: 

EU QUERO ESCREVER UM ROTEIRO

EU QUERO ESCREVER UMA PEÇA;

Tu podes me dar umas dicas?

Tem algum segredo?

Eu já tenho um monte de idéias, como eu começo?

Eu sei que depois de começar vai...

E essa vai ser uma peça com unção!

Essas frases recebo por e-mail, msn, me falam antes ou depois de um culto, uma peça, tem quem repete a mais de 3 anos...
Resolvi então tentar dar uma força, parte do texto foi preparado para o site Arena de Cristo, por ocasião de um concurso.
Agora amplio aqui.

 

ANTES DE COMEÇAR

PRA COMEÇAR: Comunhão com o Senhor, busca de orientação, direção, sabedoria... Esta parte é entre tu e ELE.

AQUI, vou falar mais sobre a relação tua com a obra que queres criar. Para isto vais precisar de paciência, persistência, dedicação, empenho, resignação...

FAÇA ANOTAÇÕES: Cada ideia que tiveres, anote. Anote tudo, cenas, detalhes, adereços, personagens... Neste momento o material torna-se grande e confuso, mas faz parte da criação (diria até que é o começo do trabalho).

PERSONAGENS: O autor precisa ter uma visão bem ampla de cada personagem, muito maior do que é falado ou mostrado em cena (isto é útil para a elaboração do texto, para a direção da peça e para o ator que vai interpretar).

ESTRUTURA, RITMO E CLIMA: A peça teatral envolve os espectadores em uma história, mas para isso ela precisa estar bem estruturada. Observe se o ritmo é crescente ou decrescente, a velocidade que ele terá, veja se o clima que será proporcionado é o ideal.

Quem estiver assistindo terá qual sensação?

O quê, dentro da peça estimulará os sentimentos do público?

Qual o momento de mudar o clima?

Qual a forma de fazê-lo?

Pra onde vai?

O público está preparado para esta mudança?

É melhor pegá-lo de surpreza?

Lembra que falei em paciência, persistência... para ajustar o ritmo pode ser necessário eliminar uma cena, criar outra e ainda adaptar uma terceira. Mantenha-se firme.

AONDE ENTRA A UNÇÃO?

Unção onde? Texto, autor ou o elenco?

TEXTO? - Crie um texto ungido, contrate um elenco que não tenha experiência com o Senhor e patrocine um evangelismo (NÃO, a obra é do Senhor, pra ser feita por nós - ou as pedras terão que clamar?).
AUTOR? – Um autor ungido criou uma boa peça, que caiu nas mãos de um elenco relapso (ASSIM NÃO! O Senhor quer que demos o melhor).
O ELENCO? – O elenco é ungido, mas para que é mesmo essa unção? Para o teatro? É necessário que busquemos ao senhor continuamente; unção, inspiração, bênçãos...
Mas e a técnica? - Um texto teatral apresenta uma estrutura, climas, conflitos, personagens, cenários, ritmos... Quando Deus te der uma inspiração, não sejas NEGLIGENTE!

CRIAR A PERSONAGEM

PERSONAGENS: O autor precisa ter uma visão bem ampla de cada personagem, muito maior do que é falado ou mostrado em cena (isto é útil para a elaboração do texto, para a direção da peça e para o ator que vai interpretar).

Características sociais, emocionais e físicas.

1. Quem é?
1a) Onde nasceu, como era a família?
1b) como era o relacionamento com os seus?
1c) Tamanho, peso, alguma deficiência?
2. Como ela vive?
2a) Trabalha? Estuda? Onde e como mora?
2b) Alegre ou triste? Ambicioso, esnobe ou modesto.
2c) Saúde?
3. Qual o envolvimento dela com o tema(assunto)?
3a) É um tema pelo qual ela é apaixonada?
3b) É um tema que ela tenta evitar?
3c) Ela é indiferente ao tema
4. Como ela se posiciona?
4a)Tenta impor suas opiniões?
4b)É briguenta, barraqueira?
4c)Tranquila e persistente?
4d)Fica remoendo mas não se expõe?

Estas perguntas ajudam a formar a personagem.

 

Esta abordagem terá continuidade(aguardem).

EVITE ERROS

1) Erros de português:
1a) Grafia de palavras(mendingo, deusde );
1b) Os significados das palavras (mais: é o contrário de menos / mas: dá uma ideia de oposição);
1c) Concordância entre os elementos do texto(a questão não tem nada "haver" com você / para "mim" fazer);
1d)Pontuação(é necessário ponto final, parágrafo, vírgula... dividindo e ajudando a organizar as ideias);
 

EXERCÍCIOS DE IMPROVISAÇÃO (Humor)

POETA/TRADUTOR

(2 ATORES)

Esta peça é interpretada diretamente para o público. Um dos atores recita um poema original, uma fala de cada vez, em "gromelot", mas como se estivesse falando a língua de um país estrangeiro específico. O outro ator, dividindo o palco com o poeta, traduz cada fala para o público. O tradutor deve também falar com o sotaque, adequado do país se assim desejar. Enquanto alternam a fala, a tradução deve refletir a interpretação dramática do poeta, o qual, por sua vez, deve recomeçar a história do ponto onde o tradutor para. Este exercício traz para os participantes o benefício de audição e do trabalho para construir o poema.

Antes de começar, pegue uma sugestão de uma Primeira fala para um poema original. Se você tem habilidade em sotaques, pode também pedir uma sugestão de um país estrangeiro. Se não, escolha um sotaque com o qual esteja familiarizado. O tradutor pode escolher um local para recitação do poema e começar a apresentação apresentando-se a si mesmo e ao poeta.

LEGENDAS

(4 ATORES)

Este é similar ao do Poeta/Tradutor mas envolve 4 atores. Dois deles interpretam personagens de um filme em língua estrangeira (falando em gíria). Os outros dois, mantendo-se à distancia do palco, fornecem legendas verbais que traduzem o filme para o português diante do público. Aqui, ouvir é de suma importância, já que ajuda a criar uma história impedir que as pessoas falem uma da outra. Tenha em mente que cada fala em gíria deve ser traduzida 'antes dor fala seguinte ser interpretada.

DUBLAGEM

(4 ATORES)

Este exercício tem a mesma organização das Legendas, só que desta vez os personagens no palco simplesmente movem os lábios para simular que estão falando. Os atores que estão fora do palco fornecem as vozes, atuando para sincronizar o diálogo com o movimento das bocas dos colegas. Os atores que atuam no palco podem orientar os dubladores colaborando com atividades físicas o expressões faciais apontando diálogos adequados ou "apropriadamente" inadequados.

RESTAURANTE ESTRANGEIRO

(3 OU 4 ATORES)

Esta cena é designada para permitir que os atores exercitem seus sotaques e utilizem palavras e diálogos próprios daquele sotaque. O cenário é um restaurante no qual é servido algum tipo de comida típica. Os fregueses podem ser brasileiros, mas a equipe do restaurante é composta de pessoas de origem étnica selecionada. Os membros da equipe podem ser garçons, cozinheiros ou mártires. Se os atores forem hábeis em falar dialetos, deixe que o público escolha o tipo de restaurante. Esta cena leva em conta a prática em interpretar personagens, a utilização de entradas e saídas e o uso de dialetos.

CENA DUPLA

(4 ATORES)

O palco é dividido em 2 áreas de modo que 2 cenas possam acontecer ao mesmo tempo. As 2 cenas devem estar relacionadas uma à outra e devem alternar-se na tomada de foco. Um exemplo deste arranjo é um baile de estudantes de ginásio. A área do palco é dividida em um banheiro masculino de um lado e um banheiro feminino do outro. No dos homens, dois rapazes conversam sobre seus encontros enquanto no outro banheiro, as garotas falam sobre os rapazes. Embora os atores e o público ouçam realmente o que está sendo dito em ambos os banheiros, os personagens não ouvem. O humor vem do uso da informação que, supostamente, você não ouve para influenciar o que você diz. Pode-se comentar o que está sendo dito na outra cena sem realmente admitir que ouviu.

MARCA DE ESTILO

(2 A 5 ATORES E APONTADOR)

Neste exercício, é seguramente útil estar familiarizado com o teatro propriamente dito, com os dramaturgos e suas obras e com os estilos teatrais. O líder do grupo experimental ou um membro da platéia sugere um problema familiar pequeno e rotineiro tal como decidir de quem é a vez de levar o lixo para fora. Comece a representar a cena até que o apontador congele a ação a fim de anunciar um estilo teatral ou o nome de um dramaturgo, tais como melodramas, Kabuki, Commedia dell'arte, Arthur Miller, Ionesco ou Shakespeare. Continue a representar a cena nesse estilo ou do modo como um determinado dramaturgo a teria escrito (Nelson Rodrigues, por exemplo. N.E.). Ao prosseguir com a ação no estilo desse dramaturgo, procure evitar o uso de diálogos reais contidos em uma de suas peças ou mesmo a incorporação de um dos seus enredos. Ao invés, tente captar o sabor e o estilo de sua escrita e adaptá-lo ao enredo que está sendo desenvolvido em sua cena. Você pode compilar uma lista de estilos teatrais e dramaturgos antes da cena ou virar-se para as pessoas da platéia cada vez que disser "congele!", pedindo a elas que dêem uma sugestão. Todo o exercício deve ser feito pelo mesmo grupo de atores, sendo que alguns deles podem fazer entradas e saídas quando forem adequadas ao enredo.

QUEM SOU EU?

(EXERCÍCIO DE GRUPO)

Um dos participantes deixa o ambiente e, ao voltar, deve adivinhar que pessoa famosa os outros decidiram que ele é. O exercício é feito em forma de cena, mas o improvisador que deixou a sala não sabe que personagem está interpretando. Nessa hora, aparecem as dicas sobre como os outros se referem a ele na cena. Evidentemente, eles não podem dizer o nome dele ou fazer qualquer referência direta sobre quem ele é. Se aquele que tenta adivinhar, tiver idéia sobre que pessoa ele é, começar a adotar o modo de agir característico daquela pessoa e dizer as mesmas coisas que ela diria. Se ficar evidente que está enganado, ele deve atuar como espectador e ouvir um, pouco mais até ter outra idéia sobre quem pode ser. Continue sempre em forma de uma cena. Evite fazer perguntas como "Eu derrubei uma cerejeira?" ou "Sou eu George Washington?" (ou similares racionais). Comece com ou um ou dois atores e com aquele que tenta adivinhar. Outros podem entrar em cena se tiverem idéias para pistas, mas devem sair logo que tiverem cumprido seu propósito, de modo a não haver muitas pessoas no palco. Ao mesmo tempo, este exercício é bom para desenvolver a representação de um personagem.

O PROVÉRBIO SOU EU (EXERCÍCIO EM GRUPO)

Eu sei que o nome não faz sentido, mas é isso o que eu tenho ouvido durante anos. Sendo uma variação do exercício Quem Sou Eu? O Provérbio Sou Eu desafia o ator a adivinhar e usar uma expressão comum ou aforismo, como "A grama do vizinho é sempre mais verde", que os outros escolheram enquanto ele saiu do ambiente. Interpretado em forma de cena, o local deve refletir o significado da expressão. Por exemplo, se a expressão for "A grama do vizinho...", a cena deve ser sobre inveja (ou ciúme). As pistas devem vir através do tema clã cena de modo a levar o ator que adivinha a dizer a expressão naturalmente no contexto do que está acontecendo à sua volta. Inicie a cena com outro ator além daquele que está adivinhando, para que depois outros possam entrar e sair e dar pistas subseqüentes. A cena termina quando o ator que está adivinhando utiliza a expressão como parte de seu diálogo.

FALA OCULTA

(2 ATORES)

Cada ator do grupo pega um pedaço de papel no qual escreve uma fala simples do diálogo, jogando-a depois dentro de um chapéu. Antes de iniciar a cena, um dos atores pega uma das falas que está no chapéu, devendo incorporá-la à mesma. Ele deve construir o enredo da cena de modo que a fala do diálogo se encaixe na história sem emendas. De fato, deve ser difícil para o público adivinhar qual era a fala oculta de diálogo. O outro ator, mesmo não sabendo o conteúdo da fala oculta, deve atuar em conjunto com o colega a fim de criar a história na direção para a qual ele a estiver conduzindo. Para tomar este exercício mais desafiador, mande ambos os atores pegarem um pedaço de papel e atuarem juntos no sentido de ajudar um ao outro a emitir discretamente suas falas.

CENA PARA TITULO DE CANÇÃO

(2 A 4 ATORES)

Dividam-se em grupos de 2 a 4 atores. Cada grupo escolhe uma canção bem conhecida e cria uma cena que reflita o significado de seu título. Evite usar o título ao pé da letra. Use-o como um tema para a cena. Por exemplo, se o título for "I left My Heart in San Francisco", a cena deve ser sobre alguém que esteja vivendo uma relação a longa distância ao invés de ser sobre um doador de órgãos.(*) Os demais membros dos grupos pode adivinhar cada título quando a cena estiver concluída.

(*)Optamos por manter o exemplo em inglês "Deixei meu Coração em São Francisco" - apenas por uma questão de fidelidade ao texto.

ALTER EGO

(4 ATORES)

Neste exercício, que tem estrutura semelhante ao das Legendas, 2 atores estão no palco enquanto 2 outros permanecem fora dele. Os primeiros criam uma cena juntos, mas após cada fala do diálogo, a voz de um dos atores que está fora do palco diz simultaneamente o que o personagem está realmente pensando. Aqui, dar e receber é um elemento integral, como o é a capacidade de ouvir. A mesma técnica utilizada no exercício da Cena Dupla se faz neste. Os atores no palco, sabedores do que seus alter egos estão dizendo, podem utilizar a informação para influenciar o modo como seus personagens comportam-se e reagem um ao outro.

UMA PALAVRA DE CADA VEZ

(2 ATORES)

Este exercício mostra a quantidade de informações que uma só palavra pode conter. Uma vez que um personagem proferiu uma determinada palavra, não poderá fazê-lo de novo até que o outro personagem tenha falado. A cena prossegue com l palavra de cada vez. É um exercício de economia de diálogos. Um erro comum dos improvisadores é a tendência que eles têm de falar demais em uma cena, dizendo mais coisas do que é necessário. É também uma lição para que se utilizem ações em uma cena ao invés de confiar que o diálogo a conduza. A cena pode basear-se em uma premissa simples dada pelo diretor do grupo ou pelo público.

UMA FRASE DE CADA VEZ

(2 ATORES)

Esta cena tem as mesmas regras e arranjo do exercício anterior, só que os atores podem usar apenas 1 frase de cada vez. Para não frustrar o propósito deste exercício, alterne as falas de modo que os atores não possam proferir duas frases ao mesmo tempo.

SEM PERGUNTAS

(2 ATORES)

Esta é uma cena na qual tomam parte 2 pessoas, tendo como única restrição a não formulação de perguntas. O propósito é fazer com que os atores se acostumem a acrescentar informações, a expandir a cena e a fazer suposições, ao invés de lançar sobre os ombros do outro ator o fardo de expandir a cena fazendo-lhe perguntas. A cena pode basear-se numa premissa simples dada pelo diretor do grupo ou pelo público.

TRANSFORMAÇÃO

(2 ATORES)

Este exercício é de difícil realização e difícil explicação. É mais ou menos como realizar seis deixas consecutivas com os mesmos 2 atores sem congelar a ação. Escolha ocupações de abertura e de conclusão para ambos os atores. Eles começam a cena, cada um desempenhando sua ocupação inicial. Então, é a medida que a cena prossegue, eles se transformarão através de uma série de papéis ou ocupações diferentes até a conclusão da cena, quando os atores chegarem às suas ocupações de conclusão. As transições podem ser indicadas através de mudanças corporais ou vocais. Por exemplo, um dos atores pode ser um entregador de pizzas segurando com as duas mãos uma pizza de tamanho grande. Ele pode então transformar aquela posição corporal tomando-se um médico e estendendo as mãos como se elas tivessem sido escovadas. Nesse caso, o outro ator pode, de imediato, tornar-se um enfermeiro e começar a ajustar luvas de borracha nas mãos.

Este é um exercício feito para um ator seguir o outro. Quando um deles faz uma transição para um novo personagem ou ocupação, o outro vem depois e se torna um personagem semelhante. Não existe um enredo contínuo. Qualquer um dos atores pode mudar de personagem ou ocupação em qualquer tempo combinado. Portanto, ambos devem estar flexíveis e prontos para mudanças bruscas. Faça um total de cinco ou seis mudanças.

CENA DE COMEÇO TARDIO

(2 ATORES)

2 atores sobem ao palco sem idéias preconcebidas - sem locais nem personagem e com as mentes em branco. Então, sem pressa, deixam que a cena se desenvolva. Se os minutos passaram sem nenhum diálogo, tudo bem. Por fim, um dos atores se sentirá como que estando em algum lugar por alguma razão e começa a relatar esta informação ao outro ator. Esse outro ator deve então se adaptar de acordo, e juntos criam a cena. Este exercício encoraja os atores a sentirem-se à vontade para participar da cena de maneira totalmente aberta, a fim de ver o que pode vir a acontecer. Isso também os ajuda a serem capazes de se ajustar a qualquer informação que se desenvolva.

RASHOMON (3 ATORES)

Neste exercício, a mesma cena básica é repetida 3 vezes consecutivas, uma vez a partir do ponto de vista de cada personagem. Em cada variação, um dos personagens é a figura dominante enquanto os outros interpretam papéis secundários na cena. Baseado no filme Rashomon, de Akira Kurosawa, aborda como diferentes personagens vêem o mesmo acontecimento.

PEÇA OPCIONAL (VOCÊ DECIDE) (2 ATORES E UM APONTADOR)

Uma sugestão de um relacionamento entre 2 atores é aproveitada. Uma vez que esse relacionamento e uma locação tenham sido estabelecidos, o apontador "congela" a ação periodicamente a fim de fazer perguntas específicas aos espectadores sobre o que eles gostariam que acontecesse depois. Os atores então integram cada idéia nova no sentido de expandir a ação da cena. Por exemplo, se o relacionamento é entre professor e aluno e a cena se desenvolve na sala de aula após as horas regulares na escola, o apontador poderá perguntar, "Por que o professor manteve o aluno na escola depois da hora?" ou "Este aluno tem um segredo; qual é?" Continue até que a cena se esgote.

LANÇANDO UMA IDÉIA

(3 OU 4 ATORES)

Este exercício é para criar uma idéia em conjunto. O elenco da cena é algum tipo de equipe criativa, como um grupo de executivos de vendas, desenhistas de automóveis ou produtores de filmes. Eles têm que criar um tipo de produto e construir uma campanha de publicidade em torno dele. Não deve haver negação, já que cada ator acrescenta coisas novas às idéias dos outros.

COMPOR UMA CANÇÃO

(1 OU MAIS ATORES E 1 MÚSICO)

Improvise uma canção, baseada num estilo musical e num título original ou numa primeira fala dada pelo público ou pelo diretor do grupo. O cantor e o músico devem trabalhar em conjunto, acompanhando um ao outro a fim de criar uma melodia e uma estrutura para a canção. Para se adquirir habilidade neste exercício, é necessário muita prática.

AUDIÇÃO

(4 OU 5 ATORES, INCLUINDO UM DIRETOR)

Escolha uma situação teatral que requeira uma audição. Pode ser para um musical ou uma peça. Pode ser também por uma companhia teatral local, para uma produção na Broadway, ou mesmo para escolha do elenco de uma novela. Um dos atores é designado como diretor e fica responsável pela preparação do ambiente para o público. Cada um que faz a audição se apresenta, fornece suas credenciais e apresenta algum tipo de audição para o papel ao qual ele se adéqua. Os que fazem a audição podem executar um monólogo, cantar uma canção, dançar ou bancar o bobo - qualquer coisa que demonstre seu talento. Quer o personagem seja realmente talentoso ou não, ele sempre deve dar a máximo de si ao fazer a audição.

LIVRO DE RITMOS

(3 OU 4 ATORES E 1 MAESTRO)

Neste exercício cada ator escolhe um escritor bem conhecido e, quando apontado pelo maestro, conta uma história no estilo daquele escritor. Lembre-se de não repetir nem sobrepor-se ao diálogo do ator que falou antes. A platéia ou diretor do grupo pode sugerir uma primeira fala original para começar. Para tornar o exercício mais desafiador, deixe que a platéia sugira quais os escritores a serem utilizados.

 

(Extraído de Improv Comedy, Samuel Freneh ed., CA. 1991. Traduzido por Jorge Mauricio de Abreu. Colaboração do Curso de Tradução do Departamento de Letras da PUC-Rio). In Cadernos de Teatro nº 135 (out. nov. dez. de 1993) p. 07 a 12.

Autores: 

APAGAMENTO MOMENTÂNEO DAS LUZES

(2 ATORES E UM APONTADOR)
Este exercício consiste de uma série de mini-cenas. Cada cena começa no escuro com 2 atores que não têm nenhuma idéia preconcebida de quem são ou onde estão. O apontador anuncia uma locação - tal como uma loja de móveis, um playground ou uma academia de ginástica - e as luzes se acendem no palco. Tão rápido quanto possível, os dois atores devem estabelecer quem são e o que está acontecendo entre eles. Termine a cena obscurecendo parcialmente as luzes em um minuto, esteja ela concluída ou não. Cada grupo de dois atores pode fazer três cenas consecutivas.

AUDIÇÃO

(4 OU 5 ATORES, INCLUINDO UM DIRETOR)
Escolha uma situação teatral que requeira uma audição. Pode ser para um musical ou uma peça. Pode ser também por uma companhia teatral local, para uma produção na Broadway, ou mesmo para escolha do elenco de uma novela. Um dos atores é designado como diretor e fica responsável pela preparação do ambiente para o público. Cada um que faz a audição se apresenta, fornece suas credenciais e apresenta algum tipo de audição para o papel ao qual ele se adéqua. Os que fazem a audição podem executar um monólogo, cantar uma canção, dançar ou bancar o bobo - qualquer coisa que demonstre seu talento. Quer o personagem seja realmente talentoso ou não, ele sempre deve dar a máximo de si ao fazer a audição.

LIVRO DE CENAS TEATRAIS

(2 ATORES)
Este exercício requer um livro de cenas de peças, tal como Great Scenes From The World Theater. Um ator lê o diálogo de um personagem, tirado de uma cena de uma peça. O outro ator improvisa o diálogo para combinar com a mesma, criando assim uma cena inteiramente nova. Uma profissão é escolhida para o improvisador a fim de que o mesmo tenha um personagem para interpretar. Enquanto o ator com o texto começa a se apresentar no palco, o ator da improvisação entra e diz a primeira fala. Por exemplo, se a profissão é a de médico, a primeira fala pode ser "Estou com os resultados do seu raio X". O leitor lê então a primeira fala do diálogo de um dos personagens da peça. Em seguida, o trabalho de improvisador é justificar a relação que aquela fala tem com a cena (embora provavelmente nada tenha a ver com o raio X) respondendo no papel de médico. O improvisador nunca deve fazer perguntas ao leitor, já que uma resposta, muito provavelmente, não estará no texto. Os 2 atores continuam a dialogar enquanto o improvisador continua a explicar todas as falas que lhe são atiradas. Se um discurso longo aparece no texto, o ator que está lendo pode usar apenas a primeira frase da fala. Este é um exercício importante para treinar a capacidade de ouvir e a flexibilidade em uma cena.

LIVRO DE RITMOS

(3 OU 4 ATORES E 1 MAESTRO)
Neste exercício cada ator escolhe um escritor bem conhecido e, quando apontado pelo maestro, conta uma história no estilo daquele escritor. Lembre-se de não repetir nem sobrepor-se ao diálogo do ator que falou antes. A platéia ou diretor do grupo pode sugerir uma primeira fala original para começar. Para tornar o exercício mais desafiador, deixe que a platéia sugira quais os escritores a serem utilizados.

ORDEM OCULTA

(2 ATORES)
Escolha um local simples, tal como uma reunião de negócios ou um compromisso social de algum tipo. Um dos personagens deve então ser designado para ordens ocultas, isto é, é seu objetivo fazer com que a outra pessoa faça algo. Essa meta deve ser alcançada com tanta sutileza quanto possível de modo que o resto do grupo tenha dificuldade em adivinhar qual era a ordem oculta no final da cena. Não precisa ser nada muito complicado. Também não é necessário que a meta seja alcançada para que a cena seja um sucesso. Só o fato de você estar tentando fazer com que a outra pessoa faça algo sem explicitá-lo dará a você uma perspectiva diferente de como você se comporta em cena. Alguns possíveis exemplos de ordens ocultas: fazer com que a pessoa abra uma janela, fazer com que ela lhe ofereça o seu lugar, fazer com que ela lhe ofereça dinheiro.

PRIMEIRA FALA/ÚLTIMA FALA

(2 ATORES)
Antes da cena começar, escolha duas falas de diálogo. Uma é a primeira fala da cena, a outra é a última. As falas, aparentemente, não devem estar relacionadas uma à outra. O ator que interpreta a primeira fala deve, mais tarde, assumir a responsabilidade de ajudar o outro ator a chegar à última fala. Este é um exercício para construir uma cena em conjunto, bem como para aprender a reconhecer para onde o outro improvisador vai e ajudá-lo a chegar lá.

TROCA DE EMOÇÕES

(2 ATORES E 2 APONTADORES)
Este é, pessoalmente, um dos meus exercícios de improvisação preferido. Aparentemente, funciona melhor quando nele estão envolvidos 2 estranhos que partilham alguma experiência comum, tal como lavar roupa, tomar uma bebida em um bar ou passar um dia agradável no parque.
Dois atores (vamos chamá-los de apontadores), um para cada ator no palco, obtêm primeiro uma lista de emoções ou estados mentais da platéia (ex: medo, confusão, animação, paranóia, ingenuidade) e um local para iniciar a cena. Uma vez estabelecido o local e iniciado o relacionamento entre os dois personagens, os apontadores começam a controlá-los e a seu relacionamento anunciando as emoções da lista, mudando as emoções dos personagens no palco, uma de cada vez. A função do apontador é operar em seu respectivo ator uma mudança emocional adequada de forma a dar continuidade ao enredo da cena.
Neste exercício, ouvir é de suma importância, tanto da parte dos atores do palco quanto dos apontadores. Aqui, o humor provém da habilidade do ator em mudar sua emoção ao mesmo tempo que mantém o fluxo da cena. Os apontadores devem revezar-se ao fazer as mudanças a fim de dar tempo para que cada ator apresente sua nova emoção. Tenha consciência de que não é necessário falar imediatamente após a mudança de emoções. Uma emoção pode ser retratada com a mesma eficiência através do comportamento físico até o momento certo para a fala.

ILUMINAÇÃO

Estamos preparando um material básico sobre a iluminação

BASES DE ILUMINAÇÃO

Geral Frontal Batida Geral Frontal Cruzada Geral Frontal Mista Geral de Contra Batida Colorida Geral Composta Batida

Geral Frontal Batida

Geral Frontal Cruzada

Geral Frontal Mista

Geral de Contra Batida Colorida

Geral Composta Batida

Produz linhas de expressão uniformes e aproxima os atores e elementos de cena do público, porém tira um pouco da profundidade de palco e algumas nuances das expressões faciais.

Aumenta a profundidade do palco e evidencia as linhas de expressão. Para que o ator pareça mais próximo do público, porém, ele precisa estar na boca de cena (procênio).

 

Dá volume a cenografia sem grande perda das linhas de expressão do ator. Mais indicada para espetáculos sem mudança de planos cenográficos, pois as luzes que compõem a geral  trabalham juntas.

As bases de luz em contra são indicadas para dar mais brilho as cenas, enchendo o palco de luz e atenuando as sombras duras das luzes frontais. Podem ser coloridas, dando atmosfera de noite, entardecer, ou sensações emocionais até. Podem ser brancas, emprestando uma linha brilhante em recorte em volta dos atores, eliminando as sombras projetadas dos spots frontais. Precisa-se tomar cuidado para não "vazar" luz para a platéia, ferindo os olhos principalmente de quem está nas primeiras fileiras

As luzes frontais na direita e esquerda, podem ser usadas separadamente, iluminando "meio palco", ou parte dele, possibilitando recortes de planos cênicos. Também podem ser usadas em resistência para evidenciar uma cena, enquanto outra aguarda progressão dramática.

 

Caso seja necessária mudanças de planos cenográficos (lado direito, esquerdo), em alguns casos, será necessária uma segunda base de luz geral, nem sempre disponível.

Quando se trabalha com mais de uma geral, é recomendável que sejam previamente programadas no máster, afim de poder acendê-las em um único botão, se possível, inclusive, programando bases com focos e composições mais complexas, evitando "riscar" a luz durante a apresentação.

 

O ângulo dos spots ligth acima, em relação ao palco, geralmente é de 45°. Porém, isto vai depender do pé diretor do teatro, da distância entre o procênio e a barra de iluminação, e dos ajustes para cada situação, a fim de iluminar as cenas de um determinado espetáculo.

 

Imagem Principal: 

LABORATÓRIO DE REPRESENTAÇÃO

Uma série de exercícios para serem feitos pelos grupos de teatro. Normalmente a primeira parte dos encontros.

Estes exercícios são usadas como preparo ao ensaiar  a peça, construindo um clima favorável, e desenvolver uma melhor representação

1º MIMICA

Sentados em circulo, em silencio total, o primeiro participante criará com as mãos um objeto, ou animalzinho, que será passado ao componente mais próximo, que ao receber o presente observando bem do que se trata, transformando-o em uma outra coisa qualquer, passando adiante e assim sucessivamente.
As criações serão recebidas em todo seu aspecto, ou seja: peso, consistência, cheiro, etc.
Depois de todos terem feito o exercício, cada um devera responder o que recebeu de seu colega.
Objetivo: Entre outros tornar ágeis as mãos para que em uma representação que exija o uso de um copo por exemplo, a personagem poderá mostra-lo de modo invisível tornando a cena bem mais criativa.
2º EXERCICIO DE ROSTO
A) Puxar os lábios fortemente para baixo, como se desejasse tocar o queixo, e passar rapidamente a puxa-los para cima como tocando a testa. Em seguida para os lados como a tocar as orelhas. - 3x
B) Inflar fortemente as bochechas, e soltar o ar em seguida lentamente. - 3x
C) Movimentar como os músculos do rosto a região dos olhos para cima, para baixo e depois para os lados. - 2x
D) Abrir o máximo a boca e fecha-la rapidamente. - 2x
Objetivo: treinar os movimentos dos músculos faciais que são de grande importância na composição de uma personagem
3º EXPRESSÕES DRAMÁTICAS
Expressar como o rosto e o corpo (quando necessário) sentimentos como alegria, tristeza, medo, pavor, ira, orgulho, cinismo, desanimo, desprezo, etc.
Objetivo: Facilitar o desembaraço do componente do grupo, para os papéis dramáticos.
4º ESPELHO
Cada componente do grupo escolherá um parceiro, onde um será o espelho e o outro o comando. O espelho deverá repetir os gestos e movimentos do comando como: pentear-se, pular, expressar caretas, abaixar, etc. simultaneamente. Depois o espelho passará a ser comando e o comando espelho.
Objetivo: Adquirir o engrossamento do grupo nas cenas.
5º EXPRESSÃO VOCAL
Repetir rápida e lentamente, alto e baixo, frases como:
O tamborineiro tamborilava em seu tamborim.
O doce falou pro doce que o doce mais doce é o doce da batata doce.
O vestidinho de bolinha da lucinha era bonitinho e sem preço.
Em um pote há uma aranha e uma rã, nem a rã arranha a aranha, nem a aranha arranha a rã.
Será dado um texto a cada participante pra treino da leitura.
Objetivo: Melhora da Dicção
6º EXPRESSÃO CORPORAL
Espalhados na sala os participantes deverão representar situações como: andar sobre o fogo, nadar, dirigir, no escuro infestado de serpentes, na chuva, na guerra, numa floresta, jogando bola, transformando-se em objetos como: caneta, bola, troféu, cadeira, mesa, bicicleta, etc.
Objetivo: Exercitar a expressão corporal, e capacitar o grupo as encenações futuras.
7º FALAS AUTOMATICAS
Muitos escritores famosos utilizaram a escrita automática, isto é, escreviam o que lhes viesse a mente sem estabelecer freios para as palavras Ex. Guimarães Rosa, Clarice Lispector entre outros.
No exercício de dois em dois participantes, um de costas para o outro, darão sequências a uma determinada historia mesmo que não haja sentido algum, depois todos circulando a sala deverão falar ao mesmo tempo tudo o que estão pensando, sem preocupações.
Objetivo: Eliminar as tensões, e descobrir a criatividade.
8º BICHO-DA-SEDA
Em pés, e em silencio, os participantes terão a sensação de serem bichos-da-seda e com movimentos suaves, deverão retirar de em torno do corpo, finíssimos fios e tece-los sobre si.
Objetivo: Concentração, Liberar os movimentos corporais, e relaxar os nervos.
9º BALÃO DE GÁS
Ainda em silencio, erguer os braços o máximo possível, ficando nas pontas dos pés como querer tocar o teto com as pontas dos dedos, e de repente abaixar-se distendendo-se até tocar com as mãos no chão como se fosse um balão de ar.
Objetivo: concentração.

10º CORRIDA EM CAMERA LENTA
Realizando uma corrida em que o vencedor será quem chegar por ultimo. Os passos deverão ser longos porem lentos.
Objetivo: conhecimento dos limites do espaço cênico e do próprio corpo.
11º ESTATUAS
Os participantes farão diversos tipos de expressão corporal enquanto será dado sinais para que virem estatuas num determinado momento em que forem surpreendidos .
Objetivo: conhecimento da técnica do estático, muito utilizado nas dramatizações.
12º SOTAQUES
Cada participante deverá falar com um tipo de sotaque, Ex. Nordestino, guacho, mineiro, carioca, português, espanhol, etc.
Objetivo: Preparação para futuros papeis em que seja necessário um sotaque especifico.
13º SEM COMUNICAÇÃO
O grupo imaginará que está em um outro mundo, numa outra época ( como pré historia) e não sabem como se comunicarem entre si, descobrindo modos de estabelecer a comunicação.
Objetivo: Liberar a Criatividade.
14º RELAXAMENTO
Técnica utilizada nos ensaios e nos momentos antecedentes da encenação,
Todos estarão sentados confortavelmente, em absoluto silencio, numa sala pouco iluminada e com um som ambiente, serão seguidos os movimentos indicados pelo líder.
a) Todos deverão sentir os dedos e as plantas dos pés, relaxando-se ao máximo. Respirar profunda e suavemente.
b) Afrouxar os músculos das pernas e joelhos.
c) Fazer o mesmo com o abdome, imaginando ainda que uma grande suavidade envolve os órgãos digestivos.
d) O mesmo com o tórax, os ombros, e a nuca mais demoradamente.
e) Amolecer os braços as palmas das mãos e os dedos.
f) Relaxar o couro cabeludo, e tirar do rosto qualquer ruga de preocupação
g) Imaginar um lugar lindo e tranquilo, como um amanhecer no campo.
h) Pedir a todos que bocejem e se espreguicem lentamente como gatos.
Objetivo: Eliminar as tensões, e adquirir concentração.
15º IMPROVISAÇÃO
Os participantes se dividiram em pequenos grupos, onde cada grupo ira representar uma improvisação do dia como: família, escolas, trabalho, etc. no final será avaliado as atuações de cada grupo.
Objetivo: Exercitar a criatividade do grupo.

 


Material de um site que não está mais na web Ministério PALAVRA de Teatro - IBMUC

Imagem Principal: 

MAQUIAGEM

Quando você está em um palco as coisas parecem "diminuir", suavizar e abaixar o tom. Isso porque com a distância mais as luzes fortes em cima da pessoa faz a make parecer mais suave do que realmente é.

Por isso você que é ator (atriz) deve ter essa regra em mente sempre que for se apresentar.

 

ATENÇÃO! Quem souber, e puder fornecer + dicas entrem em contato. davipoa@gmail.com

 

MAKE PARA TEATRO

 

MAKE DE PALHAÇO

 

MAQUIAGEM DE PANTOMIMA

 

CONHECENDO O ROSTO - Maquiagem

 

COMO CARACTERIZAR IDADES DIFERENTES

 

COMO CARACTERIZAR IDADES DIFERENTES

Maquiagem de teatro - como caracterizar idades diferentes?

 

Cuidados a serem tomados:

- Lembre-se que em teatro (ou num projeto com crianças) você pode exagerar algumas características para facilitar o entendimento da plateia. Mas, cuidado para não cair no ridículo e para não ofender as pessoas.

- Qualquer maquiagem ou pintura que as crianças forem usar tem que ser atóxica e hipoalergênica (antialérgica) e tem que ser autorizada pelos pais ou responsáveis

- Roupas usadas ou de segunda mão são um ótimo recurso, mas é sempre bom lavá-las antes das crianças usarem e verificar que não tenham pulgas ou traças.

- As crianças devem manter roupa de baixo e uma camiseta (e talvez um short) por baixo da roupa de teatro para evitar o contato direto com a pele.

 

O que fazer:

1. Observe pessoas na sua comunidade de cada idade que você quer representar; veja quais as características mais marcantes e se vocês conseguem imitar os jeitos e maneirismos.

 

2. Converse com as crianças sobre as características observadas, e deixe elas ajudarem no processo de construir os personagens na medida do possível. Também é bom conversar com as crianças que nem todo mundo é igual e as características usadas para cada idade do personagem são uma generalização, para ajudar a perceber a passagem do tempo.

 

3. Existem tintas para pintura de rosto e pele em geral usadas para pintar animais como pequenas borboletas nas faces das crianças. Procure lojas de material para festas ou teatro a tinta ou maquiagem adequada e também livros ou revistas que ensinem passo a passo como usá-las. Com estas tintas você pode desenhar rugas, olheiras, bigodes e barbas quando necessário.

 

4. Faça pequenos ajustes na roupa: comece com uma túnica simples de mangas compridas ou uma camiseta; uma cor para cada personagem

Obs.: Manter a cor do começo ao fim ajuda a plateia a perceber quem é quem na história (ainda mais se cada idade vai ser interpretada por um ator/criança diferente); a mesma túnica usada do começo ao fim, acrescentando peças por cima também ajuda com custos e com a imagem de passagem do tempo.

# para identificar a criança você pode usar um pouco de pasta d'água como as crianças vão a praia; ou deixar o personagem levar um brinquedo nas mãos. As crianças também podem usar uma camiseta de tamanho grande o que as fará parecerem menores.

# para o adolescente: um lenço estampado sobre os ombros ou amarrado na cabeça; ou um boné virado para trás; carregando livros escolares, usando fones de ouvido...

# para o adulto, coloque uma peça de roupa extra: um casaco sem mangas que vá sobre a túnica ou um avental de carpinteiro. Um paletó, jaleco ou uniforme profissional.

# para terminar como idoso, acrescente um casaco mais quente: um pedaço de pelúcia imitando pele de animais ou um de lã em tricô; levando uma bengala. Você pode conseguir uma peruca branca ou colocar um pouco de talco nos cabelos das crianças para ficar grisalho - peça autorização aos pais primeiro!

 

Por exemplo: No caso de um carpinteiro:

A criança pode trazer um martelo de plástico colorido, de brinquedo.

O adolescente um martelo de madeira, de aprendiz;

O adulto um martelo real mais um pequeno cinto de ferramentas.

Já o idoso pode trazer um objeto de madeira terminado, como uma caixa ou cadeira.

Para Moisés, ele pode trazer como criança um cesto de palha; como adolescente um rolo de papel, representando a escola egípcia; como adulto ele pode vestir sandálias e trazer um cajado e como idoso carregar a tábua dos 10 Mandamentos.

 

5. Treine posturas e jeitos de caminhar:

a) engatinhando ou passos exitantes para um bebê

b) saltos e corridas abruptas para criança

c) aquele passo característico meio gingado, um ombro mais alto que o outro para o adolescente

d) passo decidido, pisando firme, apressado e determinado para o adulto; postura ereta

e) o idoso andando meio encurvado e devagar.

 

Publicado em 2005

O site onde encontramos este material não está mais disponível, infelizmente

CONHECENDO O ROSTO - Maquiagem

O ROSTO

Antes de colocarmos a mão na massa, e começarmos a entrar no universo da maquiagem, mas propriamente, temos que conhecer cada região do nosso rosto e algumas terminologias.

[Estas dicas da maquiagem não são específicas pro teatro, mas é importante que quem vai fazer a maquiagem teatral as conheça]

1. Contorno do couro cabeludo

2. Centro da testa

3. Têmporas

4. Arco natural das sobrancelhas

5. Margem das sobrancelhas

6. Pé da sobrancelha

7. Ponta da sobrancelha

8. Pálpebra superior

9. Côncavo

10. Base dos cílios superiores

11. Linha interna dos cílios superiores

12. Base dos cílios inferiores

13. Linha interna dos cílios inferiores

14. Canto interno do olho

15. Canto externo do olho

16. Zona de encontro dos cílios

17. pálpebra inferior

18. Região abaixo dos olhos

19. Base do nariz

20. Linha frontal do nariz

21. Lateral do nariz

22. Ponta do nariz

23. Aba do nariz

24. Sulco do nariz

25. Maça/Bochecha

26. Topo da maça

27. Centro da maça

28. Cova da maça

29. Covinha abaixo do nariz

30. Contorno dos lábios

31. Canto da boca

32. Centro da boca

33. Covinha abaixo da boca

34. Topo do queixo

35. Ponta do queixo

36. Mandíbula

37. Linha que divide mandíbula e pescoço

38. Covinha da ponta do queixo

 

- ZONA T = testa + nariz + queixo

- ZONA CRUZ = testa + nariz + topo da maça + topo do queixo

 

* Esquema (Radiografia do rosto) retirado do Livro do Duda Molinos, p. 46 e 47.

Material pesquisado e preparado por Mônica Felix Make-up

Imagem Principal: 

MAKE DE PALHAÇO

Palhaço

A maquiagem artística está presente no teatro, nas festas infantis e nos palhaços!!!

Para muita gente que está começando (ou atores que não são muito craques na make) é importante saber que tipo de recurso existe para seu rosto ficar mais colorido!

Há no site várias peças  que têm palhaços como personagens!

Na make de caracterização existem tipos de produtos a serem utilizados:

- PANCAKE: Possui várias cores diferentes (preto, azul, branco, marrom, amarelo…) e você deve aplicar usando água. Passa com esponja fofa úmida ou com pincel kabuki molhado.

Com a esponja o acabamento é pouco mais complicado pois pode manchar e ficar difícil de corrigir. Quem tem mão boa e delicada para make consegue “depositando” o produto no rosto, sem esfregar muito. Se você ficar esfregando muito terá manchas no ato assim como se você molhar demais a esponja.

Com o pincel kabuki as coisas ficam pouco mais fáceis. Deve começar do topo da testa para baixo. Pegue bastante produto (esfregando o pincel) antes de passar no rosto, ok?

* Para quem transpira muito, ou fará apresentações ao ar livre, o pancake não é uma boa opção porque mancha em contato com a água.

- MAQUIAGEM DE PALHAÇO: É um produto específico feito para esse tipo de make. Sua base é de óleo por isso é o mais indicado para quem transpira (algumas marcas já são à prova d’água). Passa com esponja de látex e dependendo da consistência até com os dedos delicadamente. O conceito de não esfregar muito vale também nesse caso.

Existem várias cores e principalmente o branco para fazer aquele rosto pintadão! Depois aplique um pouco de pó translúcido solto (de preferência um matificante tipo o BLOT da MAC) com pincelzão para fixar melhor.

Para fazer a make você pode “pintar e bordar” com lápis de olho preto (ou outras cores), pigmentos, aqua color, batom longa fixação, delineadores e sombras pastosas. Com pancake rola também sombras em pó aplicadas com pincel fofo, pigmentos, iluminadores…

Pode usar *mixing medium para intensificar as cores das sombras e aumentar a durabilidade.

* Passar um spray fixador depois da make é bacana para segurar mais tempo (como o da Kryolan).

Aqui no Brasil você compra nas marcas *Catharine Hill (que é famosa por esses tipos de produtos) ou a importada *Kryolan(que tem produtos para efeitos especiais).

No exterior existem várias muito boas com texturas diferentes. Dá para ver em sites…

Aproveite que esse tipo de make que exige excessos, cores intensas e muita criatividade!!!!

Estude seu personagem e treine em casa para arrasar no teatro, evento ou até na festa à fantasia!!!

Nesse caso dá para ficar com cara de palhaço!!! ;-)

Material publicado originalmente por Paola Gavanazzi

Imagem Principal: 

MAKE PARA TEATRO

Make para teatro!

Teatro!!! Essa incrível arte cria vida ligada à make!

Quando você está em um palco as coisas parecem “diminuir”, suavizar e abaixar o tom. Isso porque com a distância mais as luzes fortes em cima da pessoa faz a make parecer mais suave do que realmente é.

Por isso você que é ator (atriz) deve ter essa regra em mente sempre que for se apresentar.

A maquiagem é muito importante para compor um personagem e ela não pode passar em “branco”.

Tenha em mente que:

- Toda make de pele deve ser mais densa usando produtos de cobertura mais pesada como uma base cremosa, pasta ou pancake. Passa com esponja (no caso das pastas e pancake) ou pincel (das extremamente cremosas).

- Corretivos com pancake podem ser dispensados já que a cobertura é densa e seca na pele. Sua expressão irá “quebrar” nas linhas mas no palco esse efeito ajuda (no dia a dia isso é péssimo).

- Pincelada de pó compacto usadas com bases ficam boas.

- Tonalidades ficam mais livres de regras. Caso queira uma pele clara pode optar por um tom mais claro. Para peles do mesmo tom pegue seu tom correto de pele. Para peles mais escuras escolha tons mais escuros.

- Há cores diversas de pancake. Azul, marrom, branco, preto, amarelo, vermelho, etc. A marca “Catharine Hill” possue essas tonalidades (também de delineador sólido solúvel em água… bons).

- Contorno de olhos devem ser realçados com lápis preto. De longe eles parecem normais. Para parecerem delineados deve fazer um traço bem grosso.

- Cílios realçados de longe devem ser postiços.

- Boca natural pede um batom mais rosado e opaco. Boca forte pede batom vermelho forte (ou cor intensa). Longa duração de preferência.

- Blush deve ser mais carregado e de cor intensa.

- Corrigir as sobrancelhas com tons mais escuros de sombra (preto, marrom escuro…).

- Suor é feito com óleo na raiz dos cabelos (com esponja) na testa e centro do rosto. Depois borrife água por cima, nas axilas e no centro do peito. Não faça isso na cara com pancake colorido, ok? Senão mancha tudo…

Dicas que dá para você começar a montar seu personagem com pouco mais de produção…

 

Publicado com autorização da autora Paola Gavazzi

MAQUIAGEM DE PANTOMIMA

PANTOMIMA

A maquiagem na pantomima é tão importante quanto o figurino, é com ela que se diferenciam as personagens. A maquiagem é capaz de transmitir muita informação se feita com cuidados.

A maquiagem perfeita, que é utilizada para retratar machucados, cicatrizes, etnia, e outros pode ser deixada apenas para o teatro dramático, para a pantomima a maquiagem deve ser clara e direta, sem ter compromisso com a perfeição, pois a pantomima é uma arte completamente abstrata, e assim segue a maquiagem com ela.

Os grupos de pantomima cristãos costumam padronizar o tipo de maquiagem.

A respeito das tintas, sugere-se três opções.

A primeira seria pasta d’água, porém esta pode manifestar alergia em alguns atores, por isto sugere-se a pasta d’água de farmácia de manipulação que é completamente antialérgica;

A segunda opção é pancake e a terceira tinta facial infantil, disponível em todas as cores e todas antialérgicas. Todas estas tintas são removíveis com água e facilmente diluídas.

Durante a maquiagem deve-se ter cuidado com os olhos. Maquiar perto demais dos olhos pode correr o risco de um contato e haver sérias complicações, além de estragar o espetáculo. Portanto, cuidado com os olhos e deve-se pedir para alguém mais experiente passar lápis de olho nos atores, assim a maquiagem não precisa chegar no olho e não fica um buraco sem maquiagem abaixo do olho.

Imagem Principal: 

Material de Apoio

Introdução

 

Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. (1 Co 9:21)


A definição mais conhecida de “teatro evangélico” é a que diz que, este é o responsável por trazer “Jesus em Cena”. E está aí a principal diferença entre o teatro secular e o teatro evangélico: Jesus, tanto na mensagem como nas pessoas que levarão a mensagem.

 

A questão agora é: Como levarei a mensagem de Deus através do Teatro?

 

Pense numa rádio, você está ouvindo música, até aí tudo certo, porém, bem na hora que toca a sua música predileta começa a dar interferência. Você põe “bombril” na antena, dá uns tapas no rádio, tenta sintonizar a estação, e nada, “A Voz do Brasil” (aquele programa chato) ou as notícias da CBN insistem em atrapalhar a transmissão da música.

 

Sabe porque a ilustração da interferência? Porque uma vez que o mais importante no teatro evangélico é a mensagem, ela não pode ser passada com “interferências”, muito pelo contrário, tem de ser espiritual, ungida e nítida.

 

Mas o que é necessário para se passar uma mensagem espiritual, ungida e nítida? Cuidar de três aspectos: O espiritual, o grupo e a técnica, e as interferências ocorrem justamente quando omitimos ou negligenciamos quaisquer destes aspectos.

 

Espiritual – Como vamos encenar sobre Jesus e Sua Palavra se você não está em “sintonia” com Ele?

 

Grupo – Nenhum trabalho é feito sozinho, Deus “ordena a benção” onde há união e concordância.

 

Técnica – Você já viu um jogo de futebol onde todo mundo corre atrás da bola e não sai nada? Pode até ser engraçado no princípio, mas depois se torna entediante, pois ninguém ali sabe ao certo o que está fazendo. Como as pessoas prestarão atenção se nos mostrarmos despreparados, tal como o jogo citado?

 

"Ser bênção para a vida dos outros é criar os meios para que a graça de Deus os envolva trazendo salvação, reconciliação, cura e libertação. É agir para que o cansado encontre alívio, para que o doente ache consolo, para que o perdido seja achado. É usar os dons e talentos que Deus nos deu para criar novas esperanças e para alimentar a fé de outros" (Pr. Ricardo Barbosa de Souza).


Primeiro Ato – O Espiritual

 

E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. (1 Ts 5:23)

 

Se você soubesse que iria ganhar uma oportunidade para pregar no Domingo a noite, como reagiria? Iria assistir TV e dormir a semana toda passando longe da Bíblia ou iria se dedicar à oração, ao jejum e a leitura bíblica?

 

Não é porque a forma de pregação é diferente, que vamos nos preparar espiritualmente de modo diferente.

 

Fazer uma peça de teatro não é brincadeira. Estamos oferecendo nossas vidas para a pregação do evangelho. Logo é OFERTA, e oferta não pode ser qualquer uma, nem oferecida num altar de qualquer jeito.


e se o meu povo,  que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. (2 Cr 7:14)


Conserte o altar – Tem algo errado em sua vida? Aquele erro no qual você se acomodou, uma mágoa guardada, um pecado não confessado, enfim, algo que te impede de servir a Deus com o coração INTEIRO? Não dê lugar ao acusador, peça ao Espírito Santo que mude a sua vida e faça a sua parte, fugindo daquilo que te faz cair e não se envolvendo com práticas que te induzam ao erro, ainda que a prática em si não seja errada.


Ore – Dependemos de Deus em tudo, desde a vida de cada integrante, passando pelo texto, chegando na apresentação e culminado com as vidas que assistiram. Tudo depende da benção de Deus e nós dEle. (Jo 15:5).


Jejue – Jejum é como colocar um aviso de URGENTE num pedido. Através do jejum você renuncia uma vontade lícita, demonstrando que valoriza mais o espiritual em detrimento do material. Não apenas faça um jejum, mas ofereça-o a Deus, pedindo a Ele primeiro por sua vida, depois pelo grupo, pela pregação da Palavra e pelas pessoas que ouvirão.


Leia a Bíblia – Se através da oração você fala com Deus, através da leitura bíblica você ouve Deus falar. Como você irá pregar de algo que não conhece?


É possível interpretar um cancerígeno sem nunca ter tido câncer, ou mesmo um drogado sem nunca ter experimentado drogas. Mas dificilmente você conseguirá transmitir Cristo se não teve uma experiência verdadeira com Ele.


Um trabalho espiritual, se faz com pessoas espirituais, não negligencie a consagração, a oração, o jejum e a leitura bíblica, eles são necessários não apenas para quem trabalha na Obra de Deus, mas são fundamentais na vida de qualquer cristão.


Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas, glória, pois, a ele eternamente. Amém! (Rm 11:36)


Dele – A obra é de Deus, não se esqueça disso, principalmente quando pensar em fazer de qualquer jeito, seja porque está triste ou por achar que ninguém reconhece seu trabalho.


Por Ele – Não é para aparecer, para se divertir, ou para seus pais tirarem fotos sua, é por amor a Ele. Por Ele ainda nos lembra que sem Ele nada podemos fazer, ou seja, não é por mérito seu, ou meu, e sim por Ele.


Para Ele – O intuito principal não é agradar o líder, ou mesmo orgulhar sua mãe, e sim, oferecer um trabalho a Deus. Ofereça seu tempo, sua dedicação, sua vida a Deus, pedindo que Ele te use conforme lhe aprouver. E lembre-se que para Deus não é o que sobra ou o que não te faz falta e sim, o melhor.


porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. (Ef 6:12)


Com o tempo você perceberá que quando trabalhamos para Deus, tudo tende a dar errado.


Boa parte do que dá errado é nossa culpa, falta de ensaios, de organização, de disciplina, etc. Porém existem coisas que são claramente investidas do inimigo contra nós: Aquela voz na sua cabeça dizendo que vai dar tudo errado, que você está em pecado e por isso Deus não vai te abençoar, que você é um inútil e que Deus nunca te escolheria ou te usaria. Ou mesmo aquela briga com seu amigo na véspera da apresentação, uma fofoca armada para cima de você ou aquela palavra que mesmo sem intenção é arrasadora e vem justamente de uma pessoa que você nunca imaginava ouvir.


Saiba que Satanás sempre lutará contra a Pregação do Evangelho, pois ele sabe do poder que tem a Palavra de Deus (Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. (Hb 4:12)). Não se deixe abater, nem dê ouvidos ao inimigo, ele é o pai da mentira (Jo 8:44), confie em Deus pois, maior é o que está em nós do que o que está no mundo (1 Jo 4:4) e em Cristo, somos mais do que vencedores (Rm 8:37).


A luta com certeza vai vir, os problemas com certeza vão surgi e você precisará de maturidade e força espiritual para lidar com isto. Por isso não comece a fazer teatro por qualquer outro motivo que não seja servir a Deus, pois você pode se decepcionar.


Fazer teatro assim é fazer como Jesus faria. É tornar-se um reflexo de Cristo e, com isso, trazê-lo pra perto do público. É dividir a vida abundante, que temos recebido de Deus, com outros. Logo é engrandecer e fazer conhecer o Reino de Deus. (Frase retirada do site http://www.montesiao.pro.br/teatro/menuteatro.htm)


Segundo Ato – O Grupo

 

Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!

porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre. (Sl 133: 1 e 3b)


Grupo: Conjunto de indivíduos que têm interesses comuns.


Num grupo não existe a filosofia do “cada um com seus problemas” ou mesmo a “dos melhores sobrevivem”, somos todos, ainda que diferentes, integrantes de um trabalho, cada qual com sua importância, não existindo assim o maior ou o melhor e sim UM OBJETIVO.


Você costuma assistir horário eleitoral? Provavelmente não, mas com certeza já viu ou ouviu falar do PRONA, o partido do Enéas.


Há algo que me chama a atenção neles, eles fazem questão de ser diferentes, primeiro com a música de fundo que parece mais vinheta do “Supercine” com filme de suspense do que fundo para propaganda eleitoral (que geralmente ou são musiquinhas ridículas com rimas mais toscas ainda, ou algo que demonstre a circunstância: alegria quando vai pedir seu voto, tristeza quando fala da atual situação e assim vai) e segundo, a forma que eles transmitem a mensagem:


Falamrápidoiguaisunsdesesperadosparecemquenemrespiramdireitoenofinal: 5650, meu nome é Avanirrrr!


A identificação do grupo é importante, e não me refiro aqui ao nome do Grupo e sim sobre seus objetivos, a forma como encara o trabalho. Eis algumas características imprescindíveis:

Temor a Deus;

Submissão aos líderes;

Responsabilidade;

Bom testemunho;

Comunhão, uns com os outros. *


*Apesar de enumerado por último, este é o mais importante, haja vista que Jesus disse que reconheceriam que somos Seus discípulos, se nos amassemos um aos outros,


Assim, edificamos o muro, e todo o muro se cerrou até sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar. (Ne 4:6)


Neemias sofreu para construir o muro, alguns judeus se colocaram contra o trabalho, armaram intrigas, intentaram de todo o jeito desmotivar, mas com a ajuda de Deus e a união do povo que se engajou na construção, o muro foi construído para a honra de glória de Deus.


O Princípio da Igualdade


Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. (Jo 13:16)

 

Você lembra da definição de grupo? Estamos reunidos em torno de um interesse comum: Servir a Deus através do teatro.


Note bem que intérpretes, músicos, diretores, auxiliares, todos, sem exceção, são SERVOS DE DEUS. De forma que não há o mais importante, ou o melhor, todos nós somos iguais, com responsabilidades iguais, porém em departamentos diferentes.


O Princípio da Ajuda Mútua


Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. (Fl 2:3)


Calma, isso daqui não é aquela corrente ridícula que diz que você tem que mandar seis reais pelos correios e esperar o dinheiro chover na sua conta corrente.


Em Isaías 41:6 a Bíblia diz que um ou outro ajudou, e ao seu companheiro disse: esforça-te. O princípio da ajuda mútua é justamente isto, ajudar seu companheiro ao invés de deprecia-lo.


Não fique irritado com seu irmão só porque ele não possui as mesmas habilidades do que você. Somos um grupo justamente para que os talentos de um supra a falta dos outros.


Esteja disposto a aprender, ninguém sabe tudo, elogie, critique construtivamente, o apoie, enfim, o ajude.


Terceiro Ato – A Técnica

 

Porque quando trazeis animal cego para o sacrificardes, não faz mal! E, quando ofereceis o coxo ou o enfermo, não faz mal! Ora, apresenta-o ao teu príncipe, terá ele agrado em ti? Ou aceitará ele a tua pessoa? – diz o Senhor dos Exércitos. (Ml 1:8)


Lembra que através do teatro, oferecemos nossas vidas a Deus, a fim da propagação do Evangelho de Cristo?


Pois bem, a vida você já viu como deve ser, consagrada. Mas e o trabalho, pode ser de qualquer jeito?


Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra, nem indústria, nem ciência, nem sabedoria alguma. (Ec 9:10)


Conforme as tuas forças quer dizer que não é além, nem aquém do que você pode dar, mas sim que você deve oferecer o máximo, mesmo que isso aos olhos das pessoas não seja o melhor. Sempre terá o que aprender, sempre terá erros para serem corrigidos, os erros existem não para nos impedir, mas para nos motivar a não pratica-los mais.


Não é porque somos armadores que vamos fazer de qualquer jeito.


Maldito aquele que fizer a obra do Senhor fraudulentamente (Jr 48:10 b) ou ainda relaxadamente, ou mesmo negligentemente, dependendo da tradução.


Faça o seu melhor, isso incluir o melhor do seu tempo, do seu empenho, da sua disciplina, da sua vontade, do seu estudo, da sua experiência espiritual, tudo isto não para mostrar aos homens e sim para oferecer a Deus.


O Texto


Vamos começar do começo por uma questão de princípio. (risos).


É no texto que a técnica começa a ser desenvolvida. Cada frase, cada palavra ali escrita tem um obejetivo, por isso, não pense que é só chegar no dia da apresentação e falar “aquilo que vier na telha”. O Texto precisa ser estudo, entendido e aprendido.


Entender e Aprender


“Tem que decorar o texto!”, “tem que decorar o texto!”, quem nunca ouviu isto em se tratando de teatro? Mas esqueça isto, você tem que entender e aprender o texto, não decora-lo.


“Isto significa que eu não tenho que ler o texto diversas vezes?”, errado, isto significa que você tem de ler até entender o texto, o que ele quer ensinar, qual sua mensagem principal, quais são as mensagens secundárias, enfim, entender o que ele é e aonde quer chegar. E depois aprende-lo, de onde ele sai, por onde passa e quando termina.


“Dããã, então é o mesmo que decorar, oras!” errou de novo. Simplesmente decorar o texto vai tirar bastante do seu poder de interpretação, pois estará simplesmente repetindo um texto vazio, sem no entendo saber o que está falando, igualzinho um papagaio.


Quando você entender texto vai saber o que e o porquê está falando, e quando aprender, saberá quando irá falar. Ou seja, terá liberdade para VIVER o personagem e não simplesmente repeti-lo.


Ainda terá a vantagem de modificar o texto, sem sair do contexto ou mesmo improvisa-lo se alguém errar as falas na hora, pois sabe muito bem onde está e aonde quer chegar.


Vamos separar as coisas para facilitar.


Entendendo o Texto


A Mensagem


Qual é a história?

Qual é a mensagem principal?

Quais são as outras mensagens (secundárias)?


As Falas


Porque isto foi escrito?

Qual é o propósito desta fala?

Qual a importância desta fala?


Personagem


O nome

As características

A função na história

O ápice (entrada ou fala crucial na história)

Como entra, o porque entra na história.

Como se desenvolve e o que causou o desenvolvimento?

E como termina na história.


Estes três últimos são fundamentais quando um personagem passar por mudanças na história, exemplo: Começa crente, se desvia e depois retorna para a Igreja.


Parece difícil né? Mas acredite, na prática é bem mais fácil do que mostra a teoria.


Aprendendo o Texto


Quando você entende cada elemento do texto, fica mais fácil aprende-lo. De forma que você precisará apenas memorizar o ENREDO.


Exemplo: João sai da Igreja, se envolve com drogas, encontra sua ex-namorada, desabafa com ela, ela o despreza, ele tenta se matar, encontra um velho amigo que o evangeliza, mas recebe a mensagem com aspereza, mandando que o amigo nunca mais fale com ele, desiste de se matar, vai na Igreja, ouve mais uma vez o Evangelho, volta pra Jesus, ora, encontra novamente sua ex, fala de Jesus pra ela e ela se converte.


Ufa! Primeiro você entendo o que vai falar e o porque vai falar, depois aprende quando vai falar.


Imaginação na Dose Certa


Antes de interpretar um personagem você o imagina ou mesmo tem uma certa noção de como ele será: Alegre, emburrado, fofoqueiro, etc.


Isso é muito bom, pois te dá uma base do que irá fazer no palco. Porém, isto pode nos levar a cometer erros, como investir em estereótipos.


Não tem coisa mais chata do que uma imitação mal feita, fica parecendo gente famosa fazendo comercial, aquela coisa dura, forçada, por isso, seja ORIGINAL, represente com a máxima realidade possível.


As pessoas se identificam com a realidade, invista nos detalhes, mas não deixe que o detalhe seja maior do que todo o personagem.


Exemplo: Vais interpretar um fofoque iro? Errado, vais interpretar o João, que é invejoso, bisbilhoteiro, é apaixonada pela Maria e para tirar todos do seu caminho, faz fofocas.


Não resuma seu personagem a uma característica, coloque nele, tiques, manias, um jeito de falar diferente, o incremente, sem sair do natural.


Use a sua imaginação para visualizar toda a apresentação, não só o seu persongem, pense em cada detalhe, no seu companheiro de cena, enfim, imagine! Seja o primeiro crítico do seu trabalho.


A imaginação é o primeiro exercício do teatro, mas tem que ser na medida certa.


A Importância das Deixas


Deixa é a palavra ou expressão que deixará a idéia a ser seguida na próxima fala. Em outras palavras, deixa é a palavra ou expressão que você não pode deixar de falar, pois tornará a próxima fala sem sentido.


Exemplo: - Ah, Jesus, ninguém merece viu! – Ah, Jesus, digo eu Drika, porque você acha que não serei missionário?


 Já pensou se o intérprete dissesse “Eu mereço” ou “Dããã” ao invés de Ah, Jesus? Iria deixar a outra fala sem sentido, ainda que esteja dentro do contexto.


Preste atenção nas deixas, identifique-as no texto e não deixe de fala-las.


Por isto, o estudo, entendimento e aprendizado do texto são tão importantes, pois você diminuirá a chance de pular as deixas e se caso alguém pular as suas, conhecerá tão bem o texto, a ponto de improvisar sem fugir do assunto.


A Interpretação


Agora que você estudou o texto, aprendeu o enredo dele e imaginou o personagem, é só coloca-lo em cena: Simples!


Brincadeira eu sei que não é simples, interpretar é complexo e desgastante mas também é muito bom.


Viva o Personagem


Interpretar: Explicar; traduzir; tornar claro o sentido de; Reproduzir pensamento de;

Representar: Exibir uma peça de teatro, pondo-a em ação no palco ou desempenhar um papel na peça em ação;


Interpretar vai muito além do que defini os dicionários, explicar, esclarecer, exibir-se, isso qualquer um faz, porém, dar vida a um personagem não é uma tarefa tão simples assim.


Você já teve ter ouvido que o segredo para chorar em cena é pensar em algo muito triste. Pena que existe tanta gente enganada a esse respeito.


Um personagem não é um amontoado de falas, muito pelo contrário, é uma pessoa cheia de sentimentos, razões, defeitos, qualidades e etc.


É por isso que estudamos o personagens, para que durante alguns momentos possamos não repetir falas e sim, viver uma outra pessoa, num outro lugar, repleto de pessoas diferentes.


Está ai o segredo para interpretar, não apenas por em ação um personagem, mas vive-lo com toda a intensidade, demonstrando seus anseios, seus medos, suas alegrias e suas tristezas.

 

Se meu personagem perde a mãe o pai e é rejeitado pelo restante da família, porque vou ficar pensando na morte da bezerra para chorar em cena? Oras, eu sou, naquele momento o injustiçado da vez, eu estou sofrendo igual um condenado, logo vou chorar, e muito, diga-se de passagem (risos).

 

Por isso, esqueça quem você é, a final, durante aquele momento, não vai ser a Mariazinha fazendo papel da Joana, e sim a Joana em palco.

 

“Nosso teatro é a arte de usar tudo para ser, por alguns momentos, quem não se é, para sendo quem se é, ganhar outros que não sabem quem são, porque são, onde estão e para onde vão.” (Frase retirada do http://www.montesiao.pro.br/teatro/menuteatro.htm)


Concentração


É muito difícil se concentrar, a ansiedade, o medo, o público, o diretor, os auxiliares, todos eles criam um clima estressante que pode gerar em você dois sentimentos: O de entrar em cena logo e acabar de vez com aquilo tudo ou o de sair correndo na primeira oportunidade.


A concentração é o meio mais fácil de driblar todos esses sentimentos, pois quando está concentrando, não importa o que acontece a sua volta, os microfones chiam, o contra-regra tropeça e isso não lhe comove, ou seja, aconteça o que acontecer você está pronto para viver o personagem.


Existe um sentimento que é o pior empecilho para quem precisa se concentrar: A falta de confiança, e ela se manifesta sob dos aspectos, pessoal e espiritual.


Pessoal: Deveria ter orado mais, jejuado mais, ensaiado mais, lido mais o texto, prestado mais atenção, desistido logo no começo... Pode parar com isso! Na hora da apresentação não adianta se lamentar, o que está feito, está feito. Então esqueça essas murmurações e faça o trabalho.


Espiritual: Não vai dar certo! Deus não vai abençoar! O Pastor vai reclamar! Vocês vão ser envergonhados! Como satanás é mentiroso. O pior é que às vezes perdemos tempo escutando ele. Não dê ouvidos as setas e conversinhas furadas do inimigo, confie em Deus, coloque Ele na frente de tudo, inclusive da sua vontade.

 

lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. (I Pe 5:7)


É natural que você sinta medo, ou mesmo aquele famoso friozinho na barriga, por isso fique tranqüilo, procure se acalmar e lembre-se que Deus está no controle de nossas vidas, nEle podemos confiar.

 

Movimentação e Posicionamento e Cena

 

Teatro não é jogral, logo não é para ficar ali parado com cara de paisagem recitando textos.

 

Teatro é ação, por isso, gesticule, mexa-se, e se movimente, dando a cena ritmo. Utilize o palco inteiro, todo aquele cenário a sua disposição, por isso “encha o palco com a sua presença”, faça com que as pessoas entrem no ritmo da peça. Lembre-se que não é porque você tem que ficar no mesmo lugar que você não vai se mexer, interaja com seus companheiros de cena, abraços, tapinhas, “pedaladas”, beijos e cumprimentos diversos, deixam a cena mais real e melhor para assistir.

 

Não esqueça de que o público quer te ver, por isso, nunca dê as costas para ele, além de falta de educação, deixa a peça muito feia. Quando precisar andar, conversar em “rodinhas” faça sempre de lado, de modo que ainda que não te vejam inteiramente, possam te ver de perfil.

 

O melhor local para as pessoas te verem é o centro, por isso ainda que você se movimente muito, procure sempre o centro do palco, principalmente para monólogos e “rodinhas” onde não dá para ficar andando em cena.

 

O Corpo

 

Somos acomodados, basta ver a dor que sentimos quando tentamos praticar qualquer tipo de exercício, quando não nos acostumamos a faze-lo.

 

Não vai ser no dia da apresentação que você vai ganhar mobilidade, até para cair você tem que ter jeito, a fim de não parecer forçado e nem se machucar.

 

Movimente seu corpo em casa, em frente o espelho, vá aos poucos (isso mesmo, aos poucos, e não igual um desesperado, se não vais ganhar luxações sobre luxações) movimentando se corpo, esticando daqui, flexionando dali, enfim, conhecendo suas limitações.

 

O Rosto

 

Gestos falam mais do que muitas palavras, mas gestos mal feitos matam atores de vergonha.


Sabe aquela cara de tristeza que ficou parecendo que o cara estava com dor de barriga, ou aquela expressão de felicidade que ficou com um jeito muito idiota? Pois bem, isto tudo pode ser corrigido se você conhecer bem seu rosto.

 

Vá para o espelho de novo (inimigo dos gordinhos, mas que quebram um super galho), faça expressões de choro, riso, dor, felicidade, alegria, espanto, apaixonado, enfim, vá modelando e conhecendo seus fortes e fracos.

 

A Voz

 

Falar alto é diferente de gritar, é necessário que você conheça sua voz, saiba seus limites, em que tom ela fica mais bonita, etc.


Um bom exercício, é contar de 1 a 10 aumentando gradativamente o tom de voz, sendo o 1 o mais baixo e o 10 o mais alto.

 

Porém além de conhecer sua voz, é necessário que você cuide bem dela:

 

Não fique gritando igual um doido;

Não fale em ambientes onde haja competição (ex: onde a música está alta e você precisa se esforçar para falar e para ouvir);

Não deixe a garganta seca, tome sempre muita água;

Coma maça, ela é ótima para “limpar a garganta” e evite refrigerantes e bebidas muito geladas.

 

Como dito anteriormente, falar alto não é gritar, é colocar a voz de tal modo que a pessoa sentada na última cadeira possa nos ouvir com clareza. Para tanto é necessário que você respire bem e fale com firmeza, sempre tendo o objetivo de ser escutado por todos.

 

Os ensaios

 

Apesar de parecer massante, os ensaios são necessários, são neles que corrigimos os erros, ganhamos familiaridade com o texto e demais personagens, acertamos detalhes, modificamos, enfim, os ensaios são muito necessários.

 

Não negligencie os ensaios, só porque acha que tem mais facilidade de aprender do que os outros, ensaiar uma cena onde há mais de um personagem sozinho ou com o elenco incompleto, até para fazer, mas compromete muito o resultado final, por isso, não falte aos ensaios, e nem chegue atrasado (se for NECESSÁRIO avise com antecedência).

 

Falta de compromisso com dias e horários é no mínimo desrespeito aos demais integrantes do grupo.

 

Não é porque uma cena está fechada, ou seja, completa, com todos os detalhes acertados, que não iremos ensaiar mais, como tudo na vida, quando fica em desuso acaba perdendo o jeito, fora que ensaiar repetidas vezes te dará segurança.

 

Vá além dos ensaios oficiais, ensaie em casa, na frente do espelho, com seu irmão (eles são os melhores críticos, não precisa levar em consideração tudo, mas boa parte vale a pena), passe o texto com ele, etc.

 

Praticando todo dia, será muito mais fácil “entra no clima” da peça do que ensaiar apenas aos fins de semana.

 

O Último Ato – Os Frutos

 

Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia. (Tg 5:7)

 

Chegou a parte boa, os resultados!

 

Pensando no âmbito material, os frutos do teatro seriam elogios, parabenizações, aplausos... mas, como estamos falando de um trabalho espiritual, os frutos também são espirituais.

 

Os frutos espirituais não se resumem a um acontecimento ou a algo específico, mas em duas esperas:

 

Pessoal: O que o trabalho modificou, edificou ou acrescentou na sua vida? Primeiro a mensagem alcança você, depois alcança as outras pessoas.

 

Público: O público recebeu a mensagem? Foi edificante, consolador ou exortivo? O público prestou atenção e acompanhou realmente a história? Ás vezes vemos que o público recebeu a mensagem, mas não vemos mudanças imediatas, mas fique tranqüilo, a Palavra de Deus não volta vazia, com certeza o fruto surge, ainda que não seja aparente.

 

Fechando as Cortinas

 

Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. (1 Co 4:7)

 

Talvez ao ler esse material você pode esteja pensando que há inúmeros motivos para não fazer teatro, afinal, existem meios menos trabalhosos para pregar o Evangelho.

 

Augusto Boal disse que o “Teatro é uma arma poderosa”, porque então, vamos negligenciar essa “arma” só pelo trabalho que ela nos causa?

 

Ademais, nossa capacidade vem de Deus, é dEle que vem toda a boa dádiva, todo o tom perfeito. A nós, cabe usar os talentos que Deus nos tem dado.

 

Somos fracos, somos limitados, somos dependentes de Deus e somos movidos por Sua Graça, trazendo no coração a vontade de fazer mais e melhor para Deus.

 

Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes.

E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para confundir as que são;

Para que nenhuma carne se glorie na presença dele. (1 Co 1:27-29)

 
Ana Caroline Rodrigues de Olinda
Depto. de Teatro – CAAD

O CARÁTER DO ARTISTA

O Caráter do Artista
O caráter de uma pessoa determina seu modo de agir e pensar, como estamos falando de arte isso influência em até seu modo de atuar.

Considero que ele é uma dos pontos-chaves de um relacionamento, tanto vertical (Eu e Deus) como horizontal (Eu e Você), pois iremos trabalhar com esta base.

“O que mais importa é quem você escolha agradar.” Lembro desta frase do livro “O Doador dos Sonhos” de Bruce Wilkinson, onde Comum, dono da trama, recebe um sonho do Doador dos Sonhos e vai atrás deixando sua Zona de Conforto, ele luta com Gigantes, encontra Guerreiros, Fé e muitos outros personagens que provam o seu caráter e o seu coração, em um determinado momento ele chega a perder seu o foco, mas pelo seu caráter ele se arrepende e volta a percorrer não só seu sonho, mas o próprio Doador dos Sonhos (recomendo esta leitura).
Nosso caráter não sofre as influências pelo meio em que é submetido, pois o ser humano demonstra sua pessoal característica desde os primeiros dias, quiçá ainda enquanto dentro do ventre materno. O caráter é inerente do próprio espírito, e os moldes de educação, adaptação às diferentes condições e fases da vida humana apenas levam o ser às escolhas que deve fazer obedecendo elas a esse princípio primeiro.
Caráter é a soma de hábitos, virtude e vícios, o caráter faz ver além, as consequências dos atos de hoje, e não pode ser adquirido ou estudado ou mesmo aprendido.
Mas então porque estamos falando de caráter se ele não pode sofrer alterações?
Ambos, a cultura e o estilo de vida, são transformados, adquiridos e estudados e podem ser esquecidos ou aprimorados. Mas o caráter faz desses todos seus caminhos. Escolher qual deles seguir e quais consequências irão advir só o caráter pode identificar, no momento que as decisões - de trabalho, amor, relações sociais, escolares, de amizade etc. - são tomadas, ou seja, influi no relacionamento.
Mas então porque estamos falando de caráter se ele não pode sofrer alterações?
Por nós mesmos ele acaba sendo imutável, mas Deus tudo pode, ele está no controle e diz na sua palavra acerca de como devemos ser, Deus diz, “Sede santos.” Ele não disse para fazermos algo para que aparentássemos santos. Ele diz, “sede” santo. Você não pode fazer a si mesmo santo da mesma forma que não pode salvar-se a si mesmo, mas quando você recebe a santidade de Deus por dentro, sua vida e conduta serão santas e agradáveis à Deus.
Traços de bom caráter não são aprendidos em um programa de dez passos ou em livros de autoajuda Eles são mais do que apenas tentar fazer o melhor. Eles vêm através do trabalho de Deus no coração.
“Acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência, E à ciência temperança, e à temperança paciência, e à paciência piedade, E à piedade amor fraternal; e ao amor fraternal caridade.”

Entendo neste versículo, que não é uma sucessão de acontecimentos, mas um conjunto de qualidades particulares, que podem ser adquiridas em exercícios fundamentais de fé e oração.

Nosso caráter é algo inegável e não pode ser escondido, diferente da nossa fé que produz milagres, diferente da nossa salvação que produz frutos, o nosso caráter é algo que rege tudo isso, mas não gera algo visível.
Negar nosso caráter é se negar negligenciar o que Deus pode fazer nele é negar uma vida de santificação.
Isso não serve só para artistas, mas vemos sempre este tema ligado a esta classe, isso se deve a maior sensibilidade que o artista tem. Na verdade ele é regido emocionalmente, ultrapassando barreiras de seu caráter, e é ai onde mora o perigo.
Achamos que ao atuar, assumir uma personalidade, viver um personagem,podemos nos desligar de nós mesmos e usar a nossa “memória”
(leque de situações que nos ligam a algo), e esquecemos que nosso caráter não é mudado, então estaremos apresentando um personagem com “certas características” mas com nosso próprio caráter.
Faça essas perguntas a si mesmo:
O que você pretende ao atuar? Seu caráter te permite ser um canal de benção?
Não lute contra si mesmo para camuflar seu caráter, é muito mais fácil pedir a Deus o seu caráter.
Como artistas, o cristianismo nos exige muito, vemos em João 4.23 “ Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem.”
Não deixe que o dom dado por Deus para que você o glorifique seja dominado por seu caráter e acabe perdendo valor.
Tenha uma vida de Adoração, ela é essencial e faz parte do caráter de um artista saber adorar aquilo que realmente ama.
Lembre-se: Um verdadeiro adorador influência através de seu caráter cristão. Talvez você leve uma vida inteira para ter aperfeiçoado seu caráter, mas é importante que em toda a sua vida você deseje por isso e lute por isso.
Algumas coisas a serem consideradas:
RENOVE A MENTE, ELA TRABALHA JUNTO COM SEU CARÁTER
A mente é o atributo central da alma humana. Nela se trava a batalha dos pensamentos.
Ilustração do relacionamento integral do homem com o mundo externo. Por isso:
Tenha comunhão pela oração (Fp 4. 6-8.), se encha da palavra (Rm. 12.2), aprenda com a bíblia (2Cor 10. 4 e 5) e domine a sua mente (Jo 8. 32). Precisamos ter as vontades de Deus como nossas vontades, mas Ele não coage ou força, Ele nos respeita.
Jesus é nosso exemplo (Jo. 4. 34), temos que ser sinceros (Rm.7.18) e resistir ao diabo (Tiago 4.7b).
SUGESTÕES
1- Faça uma lista de suas qualidades e defeitos (no mínimo 5 de cada) 2- Analise atitudes que você julga boas ou más.
3- Apresente a Deus. Peça forças para perdoar - PERDOE 4- Ore pedindo a Deus que seu caráter seja igual ao dele. 5- Retenha o que é bom, descarte o que não te edifica.
 
 
Autor Rafael Celestino de Souza
Diretor do Grupo de Teatro Face a Face.
Diretor de Grande Grupo do Projeto CRI, Min. Infantil da Igreja Cristo Salva – MTC. Contato - 11 50553066 Email - teatro@cristosalva.com.br
 
Referências
Texto “CARÁTER CRISTÃO: O FRUTO DA ALMA Quem é você quando ninguém está olhando?” Autor: Joe Bishop.
Texto “OBRA DE DEUS NA FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO, Aprendendo com Pessoas da Bíblia” de Edson Talarico Rodrigues.
Teologia da Adoração. Edições Vida Nova. São Paulo, SP. 2002.
O Coração do Artista - Construindo o caráter do artista cristão. Editora W4. Rory Noland.
Bíblia Sagrada.

O problema ERA dicção

Melhorar a voz, ser compreendido, falar mais alto, qualidade vocal...

Nas apresentações de “teatro falado” muitas vezes o público não consegue entender o que o ator está falando(problema muuuuuito comum com atores iniciantes).
Aqui temos algumas dicas e exercícios que ajudam a ampliar a clareza e o volume da fala.

1- Concurso de caretas (10 min, para relaxar a musculatura da cara, ou da face).

2- Passar a língua entre a gengiva e os lábios e bochecha (relaxar a musculatura)

3- Fazer os lábios vibrarem como criança brincando de carrinho. Deixa que de coceira no nariz, que saltem gotículas de saliva... (relaxar a musculatura)

4- ME, NE NHE, ME, NE, NHE, ME, NE, NHE… MA, NA, NHA… Alternar velocidade. Observar de onde é emitido cada som [M labial, N nasal inferior e NH nasal superior] (Exercício que ajuda a relaxar a musculatura, a perceber a vibração dos sons, e a projetar o som para um melhor aproveitamento).

5- Prender entre os dentes uma tampa de caneta, rolha... E falar um texto, verso ou versículo (para articular melhor as sílabas).

6- Com os lábios encobrir totalmente os dentes e falar um texto, verso ou versículo (para articular melhor as sílabas).

7- Prender o nariz e falar um texto, verso ou versículo (para articular melhor as sílabas).

8- De duplas, de frente, iniciando bem próximos, cada fala um texto, verso ou versículo, da um passo para traz e repete mais alto, mais um passo e mais alto... (Articulação das palavras e volume). Obs: Todas as duplas ao mesmo tempo.

9- “A culpa é tua e não minha”. Uma dupla de cada vez, sentada no palco começa a dizer a frase “A culpa é tua e não minha”, calmamente e vai cada ator tentando impor ao outro a culpa, mas não podem se tocar nem alterar a frase. (este exercício trabalha alem da dicção e volume, a intenção e emoção. Cada ator ajuda o outro a se superar).

10- Cada ator deve ter decorado um texto, e o tamanho não deve ser menor do que os primeiros quatro versículos de Salmos capítulo 23. Forma-se uma roda com todos os atores e um vai para o meio da roda. Alguém da roda bate uma palma e fica com as mãos erguidas (as palmas viradas para o ator do centro, e na altura do rosto de quem bateu), quem está no meio começa a dizer o texto olhando para os olhes deste, outro bate palma e mantém as mãos erguidas, o do meio vira-se e continua o texto, e assim vai, a todo instante um bate a palma e o que está falando deve virar-se para quem bateu. Obs: 1)-Sempre quem bate deve ficar com as mãos erguidas até que outro o faça. 2)- Se o texto não for grande ou se o ator do meio não pegou um ritmo bom, deve repetir seu texto sem parar. 3)- Para virar de um para o outro não faze-lo no meio da silaba. Digamos que esteja dizendo “O Senhor é meu pastor...” e a palma veio na hora que começou a dizer ‘pastor’ não vire enquanto está dizendo ‘pas’, diga ‘pas’ para o que já estava virado e vire rapidamente para quem bateu a palma e diga ‘tor’ para este.(este exercício exige uma maior concentração além de valorizar o olhar do ator, pois nenhuma silaba deve ser jogada no ar e sim dirigida a quem está de braços erguidos).

Ao inicio e ao final pode-se cantar alguma canção a meia voz.

VOU COMEÇAR UM GRUPO DE TEATRO, pode me ajudar?

TEATRO CRISTÃO Recebo muitas mensagens assim, ou parecidas com isso.

- Socorro Davi, urgente, fui escolhido(a) para dirigir o teatro;

- Davi, ME AJUDA, preciso apresentar uma peça...

- HELP, não aguento mais, ninguém quer nada com nada

Pra começar a ajudar(as vezes confundir mesmo) gosto de fazer algumas perguntas.

PERGUNTAS;

AO LIDER:
Pra que vais começar o trabalho com teatro?
Porque vais começar tal ministério?
Já fizeste teatro antes?
Tens vivências de jogos teatrais?
Que tipo de teatro vais fazer?

À IGREJA:

O que ela espera do grupo?
Tens apoio de quem?
Já sabes com quem vais contar no grupo?
As apresentações serão aonde?
Quanto tempo terás antes da primeira apresentação?
O espaço para os ensaios é bom?
Local para guardar materiais(figurinos, maquiagem, instrumentos, elementos cênicos...)

AO ELENCO:

Já perguntou porque eles estão(querem estar) no grupo?
Já perguntou pra que eles estão(querem estar) no grupo?
Já têm experiência anterior com teatro?
Está disposto a trabalhar quanto tempo antes da 1ª apresentação?

 

COMPROMETIMENTO:

A igreja vai apoiar oferecendo condições(suporte) materiais físicas e espirituais?
O(s) Líder(es) da igreja vão apoiar evitando fofocas, amparando os envolvidos no ministério que não estão solidificados espiritualmente?
O líder do grupo de teatro está disposto a disciplinar(primeiramente com o exemplo), para que haja comprometimento com as atividades(seriedade), horários(pontualidade), frequência(assiduidade)...?

Na próxima semana a continuidade, visando oferecer apoio, soluções, respostas...

* Dificuldades enfrentadas
* Perguntas
* Sugestões
envie-as para davipoa@gmail.com
Diversos: 

COMEÇANDO UM GRUPO DE TEATRO, pesquisa/Elenco

COMEÇANDO UM GRUPO DE TEATRO, pesquisa/elenco

 

AO ELENCO ofereça a oportunidade de:

Responder estas perguntas;

Com as próprias respostas assumir algumas responsabilidades;

Esclarecer desejos, sonhos, projetos das pessoas que formarão o grupo.

 

 

Eu quero participar deste grupo de teatro porque ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

Eu quero participar deste grupo de teatro para  ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

Minha experiência anterior com teatro é  ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

Estou disposto(a) a trabalhar ______________(semanas, meses, anos) antes da 1ª apresentação. Porque... ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

O grupo pode contar comigo para  ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

Em troca espero receber do grupo  ____________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

 

Estas perguntas devem ser respondidas por CADA integrante do grupo, depois devem ser lidas as respostas numa reunião. Depois GUARDAR.

COMEÇANDO UM GRUPO DE TEATRO, pesquisa/Líder

Pesquisa Inicial Entregue ao líder (da igreja, comunidade, paróquia...)local, estas perguntas. Outras podem ser acrescentadas.

 

Estou me preparando para assumir (formar um) o grupo de teatro e gostaria de receber este questionário respondido, levarei ao grupo depois:
O que a igreja espera do grupo?

 

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

 

O que a igreja oferece ao grupo?

 

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

Com quais pessoas posso contar no grupo?

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

 

Com o apoio de quem eu posso contar, nas necessidades que hão de surgir?

 

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

 

O espaço para os ensaios é  ___________________________________________________

posso tê-lo reservado pro grupo nestas datas________?

 

 

Quanto tempo teremos antes da primeira apresentação?

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

Que local podemos guardar materiais(figurinos, maquiagem, instrumentos, elementos cênicos...)?

 

_________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________

 

No momento que receber as respostas do líder

 

O que a igreja espera do grupo?

Ainda não li as respostas, mas espero que a expectativa não seja alta demais.
Estamos num início(reinício), uma expectativa muito alta traz junto de sim um alto risco de frustração.
Expectativas altas vêm carregadas de cobranças, e, de quem está de fora do grupo, o ideal é que não sejam feitas altas cobranças e sim que incentive aqueles que estão envolvidos.

O que a igreja oferece ao grupo?

No ambiente e na hora dos ensaios, algumas caretas, algumas vozes, alguns movimentos são taxados como ridículos, por quem não está participando, o ideal seria privacidade no ambiente dos ensaios.

A medida que forem surgindo as necessidades faremos contato.

Com quais pessoas posso contar no grupo?

É importante lembrar que:

O grupo de teatro NÃO é local pra “despejar” as pessoas desafinadas(que não funcionaram na música).

NÃO é local pra serem jogados os adolescentes que deram problemas em outros setores, departamentos, na escola...

NÃO é local para deixar as crianças ou adolescentes de castigo(Se vier mais uma reclamação tua na escola vou te colocar no grupo de teatro).

É importante saber que só seguirá no grupo quem quiser.

 

O grupo se reúne só sábado a tarde, esteja preparado pra falar ao pai de alguém: Sei que não é proveitoso seu filho ficar assistindo o caldeirão do H, mas é prejudicial pro grupo ter seu filho atrapalhando nossos ensaios.

 

O trabalho com teatro é gostoso, divertido, instigante, MAS É TAMBÉM um ambiente de respeito, de colaboração, de responsabilidades e não sobrevive sem as últimas.

Com o apoio de quem eu posso contar, nas necessidades que hão de surgir?

Vai, em determinado momento ser necessário comprar algum material, carregar algum equipamento, som, luz...
O espaço para os ensaios é... posso tê-lo reservado pro grupo nestas datas________?

 

Quanto tempo teremos antes da primeira apresentação?

Bom seria que o grupo tivesse um tempo para tornar-se grupo, deixar de ser uma reunião de pessoas (em breve) AQUI Jogos e brincadeiras para formação de grupo.

O que podemos oferecer por enquanto é pra fazer alguns anúncios, de eventos da igreja, de maneira diferenciada. ******* Veja a ideia aqui (breve)********

Que local podemos guardar materiais(figurinos, maquiagem, instrumentos, elementos cênicos...)?

É importante que seja um lugar que possa ser fechado, tem material que diverte muito a criançada, mas também tem material frágil que pode ser destruído pelo mau uso.

Podem ser feitas campanhas para doações de figurinos, maquiagens etc...

******** Veja a proposta para as primeiras participações(breve)********

 

 

Estas perguntas devem ser respondidas pelo lider da igreja local, depois devem ser lidas as respostas numa reunião. Depois GUARDAR.

 

DESCONSTRUÇÃO do ator

DESCONSTRUÇÃO do ator Família, amigos, ambiente, escola, igreja, música, cultura, hábitos, emoções, trabalho, moda... Tudo isso e muito mais, foram moldando a nossa forma de agir, de andar, de ser.

Nossas atitudes, ações e reações estão impregnadas com a nossa história, algumas coisas refutamos outras dão-nos orgulho.

 

Imaginemos que o nosso grupo de teatro é formado por um rapper americano, uma patricinha e um caipira brasileiro.
 
Simplesmente entregar os figurinos e os textos, pedindo que mostrem a cena de José e Maria chegando na hospedaria, creio que viraria uma comédia(involuntária). A caracterização não faz o personagem.
 
Quando falo em desconstrução falo em tirar a carga pessoal, dando um caminhar, um falar, e um respirar mais neutro.
Faz parte do exercício do ator, e/ou diretor, e/ou dramaturgo, observar.
Respiração:
Observe a respiração de uma pessoa tensa, de uma pessoa apaixonada, de uma pessoa apavorada, de...
Por isso recomendo exercícios respiratórios no início dos encontros, apaga-se o estado anterior à oficina teatral. Estando todos respirando juntos, numa cadência promovida pelo oficineiro , começa a parecer um grupo(Falta muito, mas é um início).
  1. O exercício respiratório promove a desconstrução do clima emocional do ator.
Caminhar:
“Caminhar neutro”, imagine que há uma linha que passa por dentro da coluna, e sai no alto da cabeça, mais duas linhas saem dos ombros, e você está pendurado por estas 3 linhas, sumiu quase todo o peso que havia sobre os pés.
Uma linha imaginária sai da testa, outra do queixo, outra do peito e ainda mais uma do púbis estas 4 linhas te puxam horizontalmente, e as 3 anteriores te sustentam verticalmente.
Este exercício alivia o cansaço, “dá um novo gás na caminhada” , normalmente aumenta a velocidade da caminhada
 
  1. A caminhada direcionada pelo oficineiro promove a desconstrução física do ator.
 
Tira-se do ator cacoetes, posturas... para colocar características do personagem.
Quem quiser entender melhor sobre a desconstrução recomendo: http://va.mu/ThjI

NOVO GRUPO DE TEATRO - Dicas

DICASDicas práticas para um melhor funcionamento do grupo de teatro

Um Grupo Fechado

Ladroes do Tempo

Divida o Tempo

Combinação de penalidades

1) Um Grupo Fechado. Anuncie/divulgue que pessoas interessadas em participar devem estar no encontro que haverá__/__/____, é a data final de entrada no grupo. Após esta data o grupo estará fechado, e assim trabalhará por 6 meses.
PORQUE:
a) Valoriza o grupo;
b) Mostra/exige responsabilidade;
c) Possibilita criar “espirito de grupo”;
d) Permite saber com quem pode-se contar;
e) Quem perdeu a oportunidade TEM que esperar...

 

2) Ladroes do Tempo. Fale sobre “ladrões do tempo”. (imaginando um grupo de 10 pessoas)
a) ATRAZOS: Um indivíduo chegou no ensaio 10 minutos depois da hora marcada, assim sendo FURTOU 10 minutos de cada participante; Não precisa saber muito de matemática 10 minutos de cada uma das outras 9 pessoas = 90 minutos, conhecido como 1h 30min.
b) FALTAS: As faltas consomem tempo, prejudicando o trabalho de todos os outros que participam das cenas do faltante.
c) DISPERSÕES: Qualquer coisa que faça o grupo dispersar durante o encontro deve ser considerada como roubo, está todo o grupo ali dedicando o tempo para crescimento como grupo e vem alguém e tira o grupo do caminho para seu objetivo.

3) Divida o Tempo Os itens “a” e “b” devem estar presente nos inícios dos encontros(Imaginando 2h 30min de encontro), o “c” no final.
a) ORAÇÃO; Não é momento adequado para aquela oração interminável, mas deve ter a Gratidão, Consagração(Tempo, Vozes, Corpos...), Pedido(sabedoria, discernimento, habilidades)...
b) 05 minutos de conversa, Dê ao grupo 5 minutos para colocar toda a conversa em dia com os demais, informando-os que após este tempo é proibido conversas colaterais e que não sejam relativas ao trabalho teatral, cronometrado.
b) Obs. 1 - Nas experiências que tive logo, logo todos chegavam mais cedo pra bater papo. Deixei de ter este tempo fixo.
b) Obs. 2 – Este recurso dos 5 minutos de conversa livre pode ser usado noutro momento do encontro se houver dispersão coletiva.
c) O tempo final deve ser dedicado a uma avaliação do encontro:
O que funcionou, o que não funcionou;
O que precisa ser feito para melhorar;
O que foi mais fácil e o mais difícil;
Obs. TODOS devem falar, respondendo as perguntas. Não vale dizer o mesmo que o fulano, se pensa igual, fala igual...

4) Combinação de penalidades, peça para o grupo trazer sugestões, no próximo encontro, de penalidades para as pessoas que: Chegarem atrasadas; Faltarem; Perturbarem o andamento do encontro...
Ex. Todo grupo sentado em círculo, quem prejudicou o grupo, no meio do círculo, terá de pedir desculpas e explicar os motivos de sua falta ou atraso, ou...

 

Diversos: 

NOVO GRUPO DE TEATRO - Primeiras aparições

Primeiras aparições NOVO GRUPO DE TEATRO - Primeiras aparições:
O grupo ainda está se formando, ainda não tem uma peça para ser apresentada, o elenco tem desejo de apresentar-se, a igreja tem curiosidade para assistir...
A SUGESTÃO preparar aparições de caricaturas que farão anúncios.

Veja também  PRIMEIRAS APARIÇÕES II

(textos a serem adaptados)

1ª semana(Pedido de figurinos para o grupo de teatro):
ZÉ:   O grupo de teatro (nononono nono nononono) precisa de doações. Estamos precisando de figurinos, maquiagens, material de iluminação etc...
Precisamos de figurinos para; Padeiro, carteiro, jornaleiro, mendigo, pastor, diabo, anjo, drogado, prostituta...
Quem tiver alguma roupa, ou outro material, que imagina que seja útil pra nós, favor trazer pra nós.
ANA:   (Grita lá do fundo) Eu tenho um vestido de noiva, nunca foi usado, vocês sabem a minha história, né?
ZÉ:   Sim, sim... É... O vestido vai ser útil pra nós mesmo. Ah, Ana, nós vamos usar o vestido numa peça, mas se você conseguir um noivo, a gente te empresta. Tá?
ANA:   Tááá Zé, trago pra vocês na semana que vem.
ZÉ:    Pessoal é sério, se tiverem algum figurino, maquiagem... estamos aceitando. Falem conosco depois.

 

2ª Semana(Campanha para Escola Bíblica):
PROFESSOR(A): Quem foi um homem segundo o coração de Deus?
Muito bem, eu ouvi alguém falando por ali, ó. Mas você sabia porque leu na bíblia, ou porque falaram no seriado da TV?(não da tempo de argumentarem, e já faz outra pergunta)
PROFESSOR(A): Por onde o apóstolo Paulo passou na sua primeira viagem missionária?
PROFESSOR(A): Quais são os 12 discípulos de Jesus?
PROFESSOR(A): Quem deu a ordem ao povo de marchar ao redor de Jericó?
PROFESSOR(A): Pra saber todas estas respostas e aprender MUITO mais da palavra de Deus participe da Escola Bíblica todos os domingos as 10h

 

 

3ª Semana(Campanha do agasalho):
No horário dos anúncios, um mendigo interrompe os demais anúncios num momento combinado:
MENDIGO: (Texto pra ser adaptado)
Eu vim aqui, purquê eu precisava de agradecê proceis.
As muié aqui da ingreja mi derum estas roupas qui eu to usanu.
Como ceis pudim ver, minha ropa tá bem judiada, qui nem eu.
Mais, como um passarinho mi contô, elas vão dá um monti di ropa veia pra nóis que moremo na rua.
Intão, eu vim aqui pra pedir proceis trazerem as ropas que vocês num usam mais, que a mulherada da igreja arruma. Dispois nóis ganhemo roupa nova.
E também us cara du teatro da igreja, querim umas ropa pra figurinu.
Ajudem aí, tá? Podim traze até o dia _ _ / _ _
Tchau
Muito brigadu.
 

4ª Semana(Divulgação da cantina):
COZINHEIRO: (lambendo os dedos) Vocês sabem que tem a cantina aqui na igreja hoje, posso adiantar que está uma de-lí-ci-a, além de ser por uma causa nobre. Os jovens estão promovendo esta cantina para mandar o dinheiro como oferta para os missionários ______________ e __________ que estão levando o evangelho lá no _____________.
 

 

 

 

São apenas ideias, podem ser criadas muitas participações para divulgar as atividades da igreja.
Se criares algumas bacanas, podes enviar para davipoa@gmail.com que eu acrescento aqui.

No dia da apresentação de uma peça também pode-se usar estas "micro esquetes" para envolver a parte do elenco que não está na peça...

NOVO GRUPO DE TEATRO - Primeiras aparições II

O grupo está se reunindo, está trabalhando, a peça não está pronta, a igreja quer ver, o elenco quer mostrar algumas coisas. E pode, ilustrando no meio dos anúncios, divulgando atividades da igreja.

 

5ª Semana(Campanha de valorização da Escola Bíblica)

Paródia de personagem da TV

Veja também  PRIMEIRAS APARIÇÕES

PROFESSOR:   Seu Pedro Pedreira
PEDRO PEDREIRA:  (do meio do público) "Pedra noventa, só enfrenta quem aguenta!"
PROFESSOR:   Como todos sabemos o final dos 3 anos de ministério Jesus Cristo foi impactante e aconteceu na época da Páscoa Judaica. A páscoa Cristã é a comemoração da ressurreição de Jesus Cristo. A minha pergunta pra você é: O que era comemorado na Páscoa Judaica? O senhor sabe?
PEDRO PEDREIRA:   Sei.
PROFESSOR:   Então o que era comemorado na Páscoa Judaica?
PEDRO PEDREIRA:   Eu sei, mas diga o senhor pra eu ver se confere.
PROFESSOR:   Bom, a Páscoa Judaica é a comemoração da libertação do povo Judeu, de quando deixaram de ser escravos do Egito e saíram em direção a Canaã.
PEDRO PEDREIRA:   "Há controvérsias!"
PROFESSOR:   Mas como, há controvérsias? No final das 10 pragas, o rei aceitou libertar o povo, eles saíram com seus animais...
PEDRO PEDREIRA:   Tem uma cópia autenticada do alvará de soltura dizendo: A partir de hoje o povo Judeu deixa de ser escravo do Egito...
PROFESSOR:   Não tem...
PEDRO PEDREIRA:   Espera aí deixa eu facilitar, cópia da reportagem do Jornal Nacional, pode ser em preto e branco mesmo, acompanhando a saída do povo do Egito, mas com o carimbo no vídeo dizendo que era ao vivo?
PROFESSOR:   Não, não tem
PEDRO PEDREIRA:   "Vamos simplificar para não dizerem que sou intransigente! Sempre há uma possibilidade de diálogo!" Tem um bilhete de passagem, só um bilhete, você disse que todo o povo Judeu foi pra Canaã. Só estou pedindo como prova um. Tem um bilhete de passagem, original escrito: Origem Egito, destino Canaã
PROFESSOR:   Não! Não havia...
PEDRO PEDREIRA:   (Já se retirando)Ora, então "Não me venha com churumelas!"
PROFESSOR:   (acompanha olhando a saída do Pedro Pedreira) Bem, (vira para o público)  Quem “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.” 2 Timóteo 2:15-16 deve comparecer na Escola Bíblica, e assim não ignorar as coisas de Deus como vimos o senhor Pedro Pedreira

6ª Semana( Campanha de oração):
CRAQUEIRO(caracterizado como tal)
Eu tinha uma família.
Depois que entrei no crack, perdi a noção de muita coisa.
Eu quero me livrar desta DROGA, mas não consigo.
Não gosto mais de encontrar com a minha mãe, ela chora muito e eu sofro com ela.
Eu queria ficar la em casa com ela, mas essa PEDRA é mais forte do que eu.
Agradeço em nome do grupo de teatro (nononono nono nononono) pelos figurinos que foram doados, e peço que estejam orando por mim.
Sei que tem uma vigília dia _ _ / _ _ / _ _ _ _, que vão estar orando por mim e outras pessoas que estão com seus corpos e suas almas detonadas pelas drogas.
Obrigado
Participem